“Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que Ele fez em meu favor?” (Sl 115,12)

A Arquidiocese de Londrina e o diácono Rodrigo Nunes dos Santos convidam para a Solene Celebração Eucarística de ordenação presbiteral no dia 7 de maio, às 16h na Paróquia da Ressurreição, em Rolândia.

A Santa Missa de ordenação será transmitida pelas redes sociais da arquidiocese.

Reze por esse nosso futuro sacerdote!🙏🏽

O diácono Paulo Ricardo Batista recebeu o segundo grau do sacramento da Ordem em celebração na Paróquia Nossa Senhora dos Migrantes, em Cambé

Pela imposição das mãos do arcebispo dom Geremias Steinmetz, o diácono Paulo Ricardo Batista foi ordenado presbítero da Igreja de Londrina, no dia 19 de março, solenidade de São José, esposo da Virgem Maria. A cerimônia na paróquia de origem do ordenado, Nossa Senhora dos Migrantes, contou com a presença do clero, familiares e amigos do diácono.

Em sua homilia, dom Geremias destacou o dia escolhido para a celebração e apontou São José como exemplo de vida aos sacerdotes. O arcebispo convidou a novo padre a consagrar o seu ministério ao esposo de Nossa Senhora. “Primeiro José homem de oração, de profunda fé e esperança em Deus. Ele é um modelo de vida interior e de obediência à vontade de Deus, que todos os sacerdotes deveriam sempre imitar. Assim como São José, sábio e fiel servidor, chamado por Deus a ser guardião da Sagrada Família, os sacerdotes também são chamados a amar a Jesus e amar sua mãe Maria e a eles serem totalmente devotos.”

Ao elencar as qualidades de São José, o arcebispo falou do patrono como um homem justo e trabalhador. “Quando se fala de São José a partir da Sagrada Escritura, a primeira palavra que se diz é que São José é um homem justo. E mais que isso, São José é trabalhador. Ele é modelo perfeito no qual podem inspirar-se no exercício do ministério. O padre precisa saber trabalhar. O padre precisa também querer trabalhar… O padre tem que ser trabalhador, trabalhar pelo povo de Deus. Não pode achar que o Espírito Santo faz alguma coisa se a gente não se dedica efetivamente com coragem, com organização ao trabalho.”

Dom Geremias aponta, por fim, São José como o homem de pureza e de castidade, a quem os sacerdotes podem também confiar a promessa do celibato. “Mas também José foi um homem carinhoso, terno, gentil, generoso, o tipo de homem que os sacerdotes gostariam de ser em sua relação com os outros, homens compassivos, misericordiosos, especialmente os mais vulneráveis e aqueles com necessidades materiais e espirituais”, finaliza.

Ao fim da celebração, o neossacerdote falou da alegria de iniciar o ministério no dia de São José. “Temos em José uma vida escondida em Deus. Vida escondida tal como a do coração. O coração é o órgão mais bem protegido e escondido do corpo humano e é ele o responsável por gerenciar e promover a vida de todos os seus membros. O que é o sacerdote se não aquele que transmite do seu coração, morada e local do encontro com Deus, a vida aos demais membros da comunidade eclesial? E o faz sempre de coração a coração. Que nessa jornada que se inicia possa eu sempre falar aos corações, pois somente o coração ao coração fala.”

Padre Paulo também expressou seu desejo para o ministério: “Não quero ser outra coisa se não Cristo presente. Em colaboração com a ordem episcopal, desejo fielmente ensinar em vosso meio a verdade de Jesus Cristo, desejo piamente vos santificar por meio dos sacramentos, e desejo sabiamente dispor dos meios para fazer em vós cultivar a fé. Para tanto, recorro à maternal intercessão da Bem aventurada Virgem Maria sob o título de Nossa Senhora das Graças. Que possamos na comunhão dos filhos de Deus percorrer juntos o caminho das bem aventuranças”, finaliza.

Coração de mãe

A mãe do neossacerdote, Maria de Lourdes dos Santos Batista, fala desse dia como um dia de muito alegria. “Estou feliz demais porque foi realizado um sonho, e mais importante que ele está muito feliz, então se ele está feliz, eu também estou feliz com ele.”

Maria também recorda a lembrança do esposo, Paulo Arcanjo Batista, falecido em 2019: “o sonho dele era ver o filho ordenado, e creio que ele estava vendo. Deus abriu uma janelinha lá para ele ver. Ele sentia muito orgulho do filho”, finaliza.


Acolhida

Em nome dos padres da arquidiocese, padre Joel Ribeiro Medeiros, coordenador da Pastoral Presbiteral, deu as boas vindas ao neossacerdote. “Neste dia em que a Igreja se alegra com a celebração de São José, o esposo da Virgem Maria, a Arquidiocese de Londrina se alegra com a sua ordenação.”

E ao recordar a fala do Papa Francisco aos sacerdotes, padre Joel fez um pedido ao novo padre: estar em intimidade com Deus, com o bispo, com os demais padres, e com o povo a ele confiado. “Em nome de toda a nossa família presbiteral, eu te acolho com um grande abraço.”

O neossacerdote presidiu sua primeira missa no domingo, 20 de março, na Paróquia Nossa Senhora dos Migrantes. A partir desta semana ele inicia o trabalho como pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, em Ibiporã, onde atuava como administrador paroquial.

Padre Paulo Ricardo é o segundo sacerdote ordenado neste ano na arquidiocese. Ao todo são cinco ordenações. Padre Alex Barbosa foi ordenado no dia 26 de fevereiro na Paróquia São Francisco Xavier, em Cambé e a próxima será do diácono Elizeu Bonfim de Souza, no dia 26 de março, na Paróquia São Pedro em Corumbataí do Sul.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocesana

Fotos: Guto Honjo, Marilene Maria de Souza e Terumi Sakai

ORDENAÇÃO PRESBITERAL • Diácono Paulo Ricardo Batista

“O coração ao coração fala” (Cardeal Newman)

A Arquidiocese de Londrina e o diácono Paulo Ricardo Batista convidam para a sua Solene Celebração Eucarística de ordenação presbiteral no dia 19 de março, solenidade de São José, às 16h na Paróquia Nossa Senhora dos Migrantes, Decanato Cambé.

Santa Missa presidida pelo arcebispo de Londrina, Dom Geremias Steinmetz.

Reze por esse nosso futuro sacerdote!

Assista a Santa Missa de Ordenação:


Gabriel Oberle, do Instituto dos Padres de Schoenstatt, será ordenado padre por dom Geremias Steinmetz no sábado (1º)

 

2022 começa com uma boa notícia para a comunidade católica de Londrina. Pela imposição das mãos do arcebispo dom Geremias Steinmetez, o jovem Gabriel Oberle, 34 anos, será ordenado sacerdote neste sábado (1º). A celebração realiza-se às 10h30, na Catedral Metropolitana, durante a solene missa dedicada a Santa Maria, Mãe de Deus. Ele pertence ao Instituto Secular Padres de Schoenstatt.

 

Nascido em Londrina, Gabriel sempre foi muito atuante em sua paróquia, a Cristo Redentor, no Jardim Piza, zona sul, integrando várias pastorais (Catequese, Liturgia, Pascom, Grupo de Jovens) e o Movimento de Schoenstatt. Em seus trabalhos pastorais, ele diz que sempre se sentiu chamado à vida sacerdotal, mas a decisão ocorreu quando concluía o curso de jornalismo, na UEL (Universidade Estadual de Londrina), em 2011. Os pais Miriam e Edmundo Oberle, mais o irmão Edmur, também muito atuantes na comunidade paroquial, não se surpreenderam quando revelou sua decisão por entrar para o seminário, mesmo acreditando que ele fosse atuar como jornalista. Gabriel conta que nunca lhe faltou o apoio e incentivo dos familiares durante seu período de formação e agora não escondem a alegria por sua ordenação.

 

Como lema de sua vida sacerdotal, ele escolheu a frase “Vosso é o Reino, o Poder e a Glória” (I Crônicas 29, 11) por entender que Jesus é o filho de Deus que, mesmo tendo o Reino, o Poder e a Glória, se fez homem para estar junto às pessoas como um deles. Essa proximidade de Jesus com a humanidade também inspirou na escolha por seu símbolo pessoal, que traz bordado em sua primeira estola. “Jesus está sentado no barco anunciando o Reino (Lc 5,1ss) de um modo muito natural. Assim vejo Jesus: aquele que nos leva a Deus de um modo natural, simples, amigo”, diz.

 

Além da decisão pelo sacerdócio, Gabriel conta que sua participação em grupos da igreja contribuiu também na escolha da comunidade religiosa que gostaria de atuar. Em 2008, após selar sua Aliança de Amor com Maria e participar mais ativamente com os jovens do Movimento de Schoenstatt, obteve as respostas que procurava. “Em Schoenstatt, o tema dos vínculos pessoais contribuiu para que eu me encontrasse com Jesus e com Maria de um modo mais natural”, resume.

 

As experiências vivenciadas em várias missões levando a Palavra de Deus a muitas pessoas, junto com o vínculo ao mesmo Santuário, também foram importantes na escolha do carisma religioso que abraçaria. “Fiz um acompanhamento vocacional e espiritual para postular-me ao noviciado durante o ano de 2011. Em março de 2012 comecei o noviciado no Paraguai”.

 

Em entrevista recente publicada no site nacional do Movimento de Schoenstatt, Gabriel expressa sua alegria por tornar-se sacerdote: “Acredito que vale a pena aceitar a escolha que Deus tem para nós. Nossa vida está nas mãos d’Ele, basta que reconheçamos isso. Deus me chamou ao sacerdócio para que eu tenha a felicidade de levar Cristo a mais pessoas. Eu só aceitei esse chamado.”

 

Após a ordenação, Gabriel irá realizar suas experiências sacerdotais como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro Jaraguá, em São Paulo (SP), onde está desde sua ordenação diaconal, realizada no último mês de julho.

 

A primeira missa do novo sacerdote Gabriel Oberle, será no domingo (2), às 9h30 na sua paróquia de origem, a Cristo Redentor (Rua Braga, 99, Jardim Piza, Londrina). O convite tanto para a ordenação como para a primeira missa é dirigido a todos os católicos de Londrina.

 

Célia Guerra
Pascom Arquidiocesana

Fotos: Divulgação

No próximo sábado, dia 30 de outubro, os seminaristas Alex Aparecido Barboza, Elizeu Bonfim de Souza, Paulo Ricardo Batista, Renato Pelisson e Rodrigo Nunes dos Santos serão ordenados diáconos transitórios da Igreja de Londrina. Para se prepararem para a ordenação, na semana passada, eles participaram de um retiro de espiritualidade, conduzido por dom Luiz Soares Vieira, arcebispo emérito de Manaus.

 

 

 

Acesse a matéria para entender as etapas de formação dos seminaristas rumo ao sacerdócio: http://arquidioceselondrina.com.br/2021/10/26/atendendo-ao-chamado/

Pascom Arquidiocesana

Foto destaque Tiago Queiroz

Pela imposição das mãos do arcebispo dom Geremias Steinmetz e oração da Igreja reunida, o diácono Welinton Ignacio foi ordenado, no dia 21 de dezembro, sacerdote para a Igreja de Londrina. A celebração foi na Paróquia São José, de Rolândia.

 

Padres da arquidiocese concelebraram a Santa Missa, que teve a presença de familiares, amigos, diáconos, religiosos, seminaristas e fiéis. Na celebração, o ordenado prometeu obediência e assumiu diante da comunidade a missão com a Igreja e o povo de Deus.  O lema escolhido pelo neossacerdote é tirado do Evangelho de João: “Permanecei no meu amor” (15, 9b).

 

Padre Welinton presidiu sua primeira missa no domingo, dia 22 de dezembro, na Paróquia da Ressurreição, em Rolândia, paróquia da qual Welinton participava com a família quando criança.

 

Depois de ordenado, o sacerdote atuará como vigário do Santuário Nossa Senhora Aparecida, na Vila Nova, Decanato Leste.

 

Pascom Arquidiocesana – Fotos: Terumi Sakai

Mais fotos <clique aqui>

Tema escolhido pelo seminarista Caio Caldeira, ordenado diácono no dia 8 de dezembro, ressalta a natureza sobrenatural do chamado de Deus.

 

O seminarista Caio Matheus Caldeira da Silva foi ordenado, no dia 8 de dezembro, diácono transitório da Igreja de Londrina, para o serviço ministerial da Palavra e da Caridade, pela imposição dos mãos do arcebispo dom Geremias Steinmetz. A Santa Missa foi na Capela Sagrada Família, da Paróquia Santa Rita de Cássia, Decanato Leste, às 15 horas.

 

Nascido em Bela Vista do Paraíso no dia 18 de julho de 1993, Caio cresceu e foi criado na cidade de Sertanópolis, onde foi paroquiano da Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus. Fez seus estudos nos seguintes seminários, 2011– Seminário Menor Propedêutico “São José” (Londrina), 2012-2014 – Seminário Maior Filosófico “Dom Albano B. Cavallin” (Maringá), 2015-2018 – Seminário Maior Teológico “São Paulo VI” (Londrina) e no ano de 2019 – Ano de Síntese Pastoral – Paróquia Santa Rita de Cássia, Decanato Leste.

 

O seminarista conta que sentiu o chamado de Deus para servir aos sete anos de idade. “Uma senhora chamada Marta Reis passou por minha casa e me convidou a participar de uma dança infantil em uma missa da comunidade. Depois daquele momento senti uma profunda curiosidade pela Igreja e pela roupa diferente que o padre usava nas celebrações”, lembra. 

 

Depois disso foi perguntar ao seu pároco na época, padre Benedito (missionário do PIME) o que era a Igreja e qual era a função dela no mundo. Segundo o seminarista, o padre de uma forma muito carinhosa e pedagógica lhe disse que a missão da Igreja no mundo era salvar as pessoas pelo anúncio de Jesus Cristo à semelhança de um super herói. “Com o passar dos anos fui amadurecendo esse chamado pelo acompanhamento vocacional e pela participação ativa nas pastorais e movimentos. O testemunho dos padres missionários do PIME foram essenciais para fazer com que esse chamado pudesse crescer e aumentar cada dia mais”.

 

Os anos de formação não se reduzem ao estudo acadêmico, diz Caio, e a formação sacerdotal é um conjunto de várias áreas que buscam sobretudo a edificação de um homem integral que possa ser pastor. “Cada ano de formação foi um ano de crescimento, amadurecimento e de santificação. Foram anos muito bons e frutíferos onde aprendi amar muito mais a Igreja do que já amava antes de ingressar no seminário. E hoje observo que os empenhos investidos em oração, estudo e convivência fazem o ministério hoje mais suportável, tranquilo e prazeroso”, diz.

 

Os desafios pessoais, de acordo com o seminarista, sempre existem em todas as vocações e são eles que fazem a caminhada mais autêntica e mais dinâmica. “Uma das coisas que tive de abrir mão foi estar com a minha família e também ter que deixar a comunidade paroquial de Sertanópolis à qual eu era muito afeiçoado. Porém, hoje fazendo uma síntese destes quase dez anos de seminário percebo que todos os desafios e provações foram férteis para me fazer um homem mais santo e pastor.”

 

Já para os desafios que terá pela frente como sacerdote, o seminarista acredita que será o próprio mundo. “Um mundo que rompeu com a cultura dos valores éticos, morais e espirituais, onde o homem passou a ser parâmetro para si e por muitas vezes esqueceu e excluiu Deus e todos os conteúdos metafísicos. Vivemos imersos em uma cultura que não dá mais espaço para Deus e para a Igreja. Neste sentido, como futuro padre terei o desafio de fazer com que a Boa Nova de Cristo seja conhecida na sua autenticidade e principalmente que ela seja esclarecida diante de uma cultura que nos impele dar as razões de nossa fé”, acredita.

 

O foco do seminarista  na missão é tornar cada vez mais Jesus conhecido, amado e seguido, conta ele. “Proporcionar que as pessoas tenham um verdadeiro encontro com Cristo para assim gerar uma comunidade fiel que é discípula e missionária.” Para atrair mais ovelhas, segundo ele, é necessário um autêntico testemunho de seguidor de Cristo. “Foi assim que os apóstolos fizeram com que Cristo fosse mais conhecido, amado e seguido por milhões de pessoas. E com eles deu certo. Espero que Deus me dê a graça de cada dia mais crescer neste autêntico testemunho para atrair mais pessoas para Cristo e segui-lo”.

 

Seu sonho, enquanto diácono transitório, é fazer a vontade de Deus em sua vida e com seu testemunho poder anunciar Cristo Jesus ressuscitado. “Fazendo assim com que Jesus seja cada vez mais conhecido e amado por todos. Esse deve ser o desejo de todas as vocações dentro da Igreja”. Ele diz que pretende conduzir seu ministério sempre com muita oração, prudência, discernimento, obediência e principalmente comunhão. “Sem esses pilares qualquer ministério é arruinado. É sempre necessário também ter a profunda convicção que quem conduz o nosso ministério é o Espírito Santo. Ele é o protagonista. Como nos diz o evangelho somos apenas servos inúteis, fizemos o que deveria ser feito. Pois, a obra não é nossa, mas de Deus.

 

Sua visão em relação à carência de novos sacerdotes é de que as vocações existem, mas há falta de uma cultura vocacional. “O Senhor nunca desampara a sua messe. Sempre escuto nas paróquias por onde passei jovens rapazes que expressam o chamado de Deus para as suas vidas. Porém, o que nos falta é o cultivo das vocações, ou seja, a criação de uma cultura vocacional que seja personalizada e afetiva com os jovens”. Caldeira acredita que é necessário que todas as vocações sejam acompanhadas principalmente pelos sacerdotes, pois eles são o grande “outdoor vocacional”. “Todo chamado vocacional brota do coração de Deus, mas por muitas vezes esse chamado é materializado em uma vocação já existente. Quando criança tive o grande testemunho dos grandes missionários do PIME, Pe. Benedito Libânio de Souza e Pe. Antônio Turra que incentivaram, acompanharam e me ajudaram a amadurecer no chamado à vida sacerdotal que recebi”, finaliza.

Waurides Alves
PASCOM Arquidiocesana

 

Veja o vídeo da Ordenação:

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: Terumi Sakai e Renilson Guimarães

A Arquidiocese de Londrina convida os fiéis para o tríduo vocacional em preparação para a ordenação diaconal do seminarista Caio Matheus Caldeira da Silva, nos dias 5, 6 e 7 de dezembro na Paróquia Santa Rita de Cássia, Decanato Leste.

 

 

A ordenação diaconal do seminarista Caio será no dia 8 de dezembro, às 16h na Capela Sagrada Família, da Paróquia Santa Rita de Cássia.

 

PASCOM Arquidiocesana