“O tempo de visita pastoral é uma injeção de ânimo na comunidade, para que continuem tantos processos bonitos e, se for o caso, criem outros meios para que a evangelização continue.” Dom Geremias (Foto Tiago Queiroz)

O arcebispo dom Geremias Steinmetz iniciou, na última semana, sua visita pastoral à cidade de Ibiporã. A visita será realizada em três etapas: durante três finais de semana o arcebispo percorrerá o território das paróquias da cidade: Nossa Senhora da Paz, Nossa Senhora das Graças e São Rafael, visitando também instituições civis de Ibiporã. Nos dias 12, 13 e 14; 19, 20 e 21; e 26, 27 e 28 de maio.

Dom Geremias abriu a visita no dia 12, marcando presença na prefeitura, acompanhado dos párocos José Luiz Primão, Paulo Ricardo Batista e Regan Gomes. Durante o dia também visitou APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Ibiporã), o Fórum, o Frigorífico Rainha da Paz e celebrou a Santa Missa com os idosos e profissionais do Lar Padre Leone, administrado pelas Irmãs Servas da Caridade.

À noite o arcebispo presidiu a Santa Missa na Capela Nossa Senhora de Guadalupe, da Paróquia Nossa Senhora das Graças, concelebrada pelo pároco padre José Luiz Primão. A celebração é realizada mensalmente no dia 12 em honra à padroeira Nossa Senhora de Guadalupe, comemorada no dia 12 de dezembro. Antes da missa, a comunidade rezou um terço luminoso.

Na homilia, o arcebispo explicou sobre a visita pastoral e a sua presença em Ibiporã nestes dias. “O tempo de visita pastoral é uma injeção de ânimo na comunidade, para que continuem tantos processos bonitos e, se for o caso, criem outros meios para que a evangelização continue.” Dom Geremias falou sobre o que ele chama de “musculatura da fé”. Assim como o corpo humano, se não exercitamos a nossa fé, ela vai ficando fraca, perdendo sua musculatura. “Muita gente perdeu a musculatura da fé [nesses tempos de pandemia]. Assim passamos um período difícil e agora temos que recuperar… Que o Senhor ressuscitado e o Espírito Santo nos animem que possamos reconstruir essa musculatura da fé.”

Quem é Jesus para você?
Na homilia, dom Geremias também falou sobre a importância de se ter uma experiência pessoal com Jesus. Diferentemente de um assunto sobre o qual se possa estudar para fazer uma palestra, não é possível falar sobre Jesus sem ter feito antes uma experiência pessoal com Ele. Quem é Jesus para você? Indagou o arcebispo. “Digamos que vocês me peçam para daqui uma hora uma palestra sobre a Austrália. Mesmo nunca tendo ido pra Austrália, se tiver um bom ponto de internet, daqui uma hora eu faço uma palestra sobre a Austrália. Mas de Jesus a gente não vai falar simplesmente por ter ouvido falar, mas com experiência própria.”

Este é também um dos objetivos da visita pastoral, reapresentar a fé e reavivar as experiências do povo de Deus. “A Igreja é convidada a continuar a missão evangelizadora. Nas paróquias temos celebrações, pregações, catequese, Dia da Palavra, grupos de reflexão, coisas que nos motivam a renovar a nossa fé em Jesus”, concluiu o arcebispo, que ao fim da celebração pediu que os fiéis rezassem pela sua visita pastoral.

A Igreja é convidada a continuar a missão evangelizadora. Nas paróquias temos celebrações, pregações, catequese, Dia da Palavra, grupos de reflexão, coisas que nos motivam a renovar a nossa fé em Jesus”

Dom Geremias Steinmetz

Segundo dia de visita
O segundo dia de visita, nesta sexta-feira, 13 de maio, festa de Nossa Senhora de Fátima, foi marcada pela presença em instituições de educação e inclusão de Ibiporã. Logo cedo dom Geremias se reuniu com professores e estudantes da Escola Santa Marta, administrado pelas Irmãs da Congregação de Santa Marta.

Depois de uma bênção aos alunos e professores reunidos no pátio, o arcebispo conversou com um grupo de estudantes e profissionais do colégio, que se apresentaram e fizeram perguntas ao arcebispo. Dom Geremias falou sobre a importância da família e da fé e destacou o dia de Nossa Senhora de Fátima. Nossa Senhora apareceu a três crianças e elas transmitiram a mensagem aos outros. E a mensagem de Fátima chegou ao mundo inteiro. “Assim como eles somos chamados a ser discípulos”, destacou o arcebispo.

No fim da manhã, dom Geremias almoçou com os funcionários das paróquias Nossa Senhora da Paz e Nossa Senhora das Graças. À tarde, visitou CADEVI (Centro de Atendimento ao Deficiente Visual), CAESMI (Centro de Atendimento Especializado na Área da Surdez) e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h. Nos dois centros, o arcebispo conversou com alunos e professores sobre a realidade das pessoas que têm algum tipo de deficiência e a importância do trabalho de inclusão na sociedade. Ouviu testemunhos e levou uma mensagem sobre Jesus. “Quando Jesus curou o cego, Ele falou: ‘você está curado!’ e o cego jogou seu manto e saiu caminhando. Isso significa que ele jogou fora o preconceito que ele tinha consigo mesmo e que os outros tinham e se colocou a trabalho. Jogar fora tantas coisas que nos amarram mais do que a cegueira”, disse dom Geremias que, na oração, pediu a Deus a força necessária para o trabalho bonito desenvolvido ali.

Encerrando o dia, o arcebispo celebrou a Santa Missa em honra a Nossa Senhora de Fátima na capela dedicada a ela, da Paróquia Nossa Senhora da Paz. Foi a primeira vez que dom Geremias esteve na comunidade. A missa foi concelebrada pelo pároco padre José Luiz Primão. Refletindo sobre o evangelho do dia, dom Geremias destacou que, reunidos em comunidade, fazemos parte da família de Jesus, da qual Maria é a mãe, deixada por Jesus na cruz. Assim como o evangelista destacou na passagem: minha mãe e minha família são aqueles que fazem a vontade de meu Pai.

Terceiro dia
A primeira etapa da visita concluiu no sábado, 14 de maio. Logo cedo, o arcebispo se reuniu com professores e profissionais liberais no auditório da Paróquia Nossa Senhora da Paz para uma conversa sobre educação. Dom Geremias abordou a temática da Campanha da Fraternidade deste ano a partir do texto bíblico da Mulher Pecadora. Ouviu também a partilha e os questionamentos dos professores, tanto sobre a educação regular quanto sobre o atendimento a estudantes deficientes.

Ainda no último dia de visita, o arcebispo celebrou a Santa Missa com os padres do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME), fez palestra sobre liturgia para lideranças e celebrou a Santa Missa na Paróquia Nossa Senhora da Paz com a comunidade, encerrando a primeira etapa da visita.

Na semana que vem, dias 19, 20 e 21, o arcebispo estará no território da Paróquia São Rafael.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocesana

Prefeitura de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
APAE de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Fórum de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Asilo Pe. Leone de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Rainha da Paz Frigorífico de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Capela Nossa Senhora de Guadalupe (foto Tiago Queiroz)
Rádio Alternativa de Ibiporã (foto Michael Moreto)
Escola Santa Marta de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
CADEV de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
CAESMI de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
UPA 24h de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Capela Nossa Senhora de Fátima (foto Tiago Queiroz)
Momento com professores e profissionais liberais (foto Tiago Queiroz)
Missa com os padres do PIME (foto Tiago Queiroz)
Momento da Liturgia (foto Tiago Queiroz)
Santa Missa na Paróquia Nossa Senhora da Paz (foto Juliana Mastelini Moyses)

A Arquidiocese de Londrina foi convidada a participar nessa quarta-feira, dia 4 de maio, da entrevista com a reitora recém-eleita da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Marta Favaro, e o vice-reitor Airton Petris, promovida pela Alumni UEL (Associação de Ex-Alunos da Universidade Estadual de Londrina) sobre os impactos da UEL além dos muros da universidade, na vida política, econômica e social de Londrina e região.

O arcebispo dom Geremias Steinmetz enviou uma pergunta feita aos novos reitora e vice-reitor em transmissão ao vivo pela página da associação. Em sua questão, o arcebispo recordou a relação da Igreja Católica com a UEL desde a fundação desta e indagou sobre o espaço das diversas manifestações religiosas no interior da universidade: “Considerando que o início da Universidade Estadual de Londrina está muito ligado à Igreja Católica, sendo inclusive a Faculdade de Odontologia instalada em espaço cedido por dom Geraldo Fernandes na Catedral de Londrina; no olhar dos senhores, a noção de universidade laica realmente exclui iniciativas religiosas de alunos, professores e funcionários no interior da universidade como do Movimento Universidades Renovadas, da Igreja Católica, ou existe a possibilidade de reconhê-las como auxiliares de uma formação integral e voluntária dos discentes?”

Confira a resposta da reitora Marta e vice Airton.

Nos dias 25 a 29 de abril, o episcopado brasileiro participou da primeira parte da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Este encontro foi sinal e instrumento de colegialidade, do afeto episcopal e da busca de comunhão entre as Igrejas particulares do país, especialmente no âmbito da ação evangelizadora.

Dias de uma escuta atenta sobre a realidade da Igreja no Brasil. Escutar os desafios novos da Igreja diante dos efeitos da pandemia. E a colegialidade vivida nesses dias significa necessariamente trabalhar como corpo, ou seja, de forma mais integrada, uma forte prática do Concílio Vaticano II. Também é forte a lembrança de que estamos a 15 anos do Documento de Aparecida que apresenta a necessidade de uma conversão pastoral que forma e melhora o seguimento da pessoa de Jesus Cristo, formando discípulos e missionários.

Nessa entrevista dom Leomar Antônio Brustolin, arcebispo de Santa Maria, diz que a realidade está fragmentada, mas a pastoral não pode estar assim. Tudo está integrado na comunidade eclesial missionária. “As atividades pastorais devem favorecer a experiência da fé na comunidade. E assim formar discípulos missionários diante de uma realidade diluída em valores. Ou seja, anunciar Jesus Cristo nessa realidade plural sem ser reconhecido como tal”. Os cristãos estão integrados no mundo mas se distinguem porque seguem o Evangelho, complementa dom Leomar.

Confira essa importante entrevista que nos ajuda entender o longo caminho pastoral que temos pela frente para fortalecer as comunidades eclesiais missionárias a fim de que todos possam viver afetivamente sua fé e crescer na solidariedade com os irmãos.

PASCOM Arquidiocesana

Nesse 2º episódio da série “A política melhor”, conversamos com o arcebispo de Londrina (PR) e presidente do Regional Sul 2 da CNBB, dom Geremias Steinmetz, sobre o pensamento do Papa Francisco quanto a política. Em sua última encíclica, “Fratelli Tutti”, o pontífice dedicou um capítulo inteiro para tratar a questão da política. Qual é a ideia central desse capítulo chamado: “A política melhor”? Esse podcast é sobre isso!

A entrevista é conduzida pela jornalista e assessora de comunicação da CNBB Sul 2, Karina de Carvalho; pelo radialista e membro da diretoria da Signs Brasil – Rede Católica de Rádio, Jorge Teles; e pelo coordenador geral da Pastoral da Comunicação, Marcus Tullius.

CNBB Sul 2

Dom Joel Portella Amado

A Evangelização da Igreja no Brasil hoje privilegia o trabalho de pequenas comunidades, o que as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da CNBB chamam de Comunidades Eclesiais Missionárias.
As diretrizes atuais falam da Igreja como uma casa, a partir da experiência das primeiras comunidades cristãs descrita nos Atos dos Apóstolos. Uma casa que tem sua base, seus pilares, sua forma de ser e, principalmente, que promove relações próximas de irmãos entre as pessoas que ali vivem.
No Arquidiocese Entrevista de hoje, o bispo auxiliar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e secretário geral da CNBB dom Joel Portella Amado fala sobre as diretrizes no contexto do mundo urbano, tema do curso anual dos presbíteros, assessorado por dom Joel em Londrina no mês de março. Confira a entrevista conduzida pela jornalista Juliana Mastelini Moyses.

Edição e imagens: Tiago Queiroz

O que a Igreja tem a ver com a política? Ministros ordenados podem se candidatar a cargos eletivos? E os leigos, qual o papel deles na política? Estas e outras perguntas são respondidas pelo secretário-geral da CNBB, Dom Joel Portella Amado, o primeiro convidado para a série de podcasts “A política melhor”. 

A série é conduzida pela jornalista e assessora do Regional, Karina de Carvalho, pelo radialista e membro da diretoria da Signis Brasil Rádio, Jorge Teles, e pelo coordenador-geral da Pascom Brasil, Marcus Tullius.

Três seminaristas em ano de síntese da Arquidiocese de Londrina: Jefferson Basseto, Ricardo Campanucci e Sidnei de Jesus Izzo Júnior, iniciaram na segunda-feira, dia 25 de abril, o curso em gestão eclesial, voltado aos seminaristas que estão no último ano da formação para o sacerdócio. O curso, em seu segundo ano, aborda temas como liderança e gestão de pessoas, planejamento estratégico, gestão financeira e patrimonial, e oficina sobre o sistema de administração paroquial.

A primeira aula do curso de gestão eclesial iniciou com a Santa Missa presidida pelo padre Renato Pelisson, que fez o curso no ano passado.
Da esquerda pra direita: Ricardo, Jefferson, Júnior, Pe. Renato, Pe Alex, diácono Rodrigo, Bruno. (Foto arquivo pessoal)


Ao final do curso, os jovens farão uma semana de estágio na Mitra Arquidiocesana de Londrina, centro administrativo da arquidiocese, conhecendo todos os departamentos. A ideia é que, depois de ordenados, quando assumirem suas próprias paróquias, tenham mais tranquilidade para lidar com as questões administrativas que terão que resolver.

PASCOM Arquidiocesana

Desde 2008, ininterruptamente, a CNBB Regional Sul 2 publica em anos eleitorais a cartilha de orientação política. Neste ano com uma novidade o podcast “a política melhor” que vai aprofundar com entrevistas os conteúdos da cartilha. O Presidente da CNBB, Arcebispo de Belo Horizonte Dom Walmor Oliveira de Azevedo ressalta a importância do cristão católico buscar uma boa formação política.

Na segunda sessão da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na tarde da segunda-feira, 25 de abril, representantes do Instituto Nacional de Pastoral Padre Alberto Antoniazzi (Inapaz), organismo ligado à entidade, apresentaram a análise de conjuntura eclesial com o tema “Aparecida 15 anos depois: contribuições, perspectivas e desafios“.

O objetivo, segundo o secretário-executivo do Inapaz e assessor da Comissão para a Cultura e a Educação da CNBB, padre Danilo Pinto, foi refletir de que forma as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2008 – 2023)  recepcionaram o Documento de Aparecida (2007), fruto da V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano. A análise apresentada fez também um diagnóstico do documento, em sua metodologia e conteúdo, apontando os principais pontos apresentados para a caminhada da Igreja na América Latina.

No documento de Aparecida, de acordo com o padre Danilo, sobressaiu um olhar do discípulo missionário, fruto da influência do então cardeal Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, que coordenou a comissão de redação da V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano, quando era o arcebispo de Buenos Aires, na Argentina.

O arcebispo de Brasília (DF) e referencial do Inapaz, dom Paulo Cezar Costa, destacou que o documento de Aparecida já apontava “uma mudança de época, com transformações em seu nível mais profundo que é no campo cultural” e que marcou profundamente a Igreja. Nestes quinze anos, de acordo com dom Paulo, aconteceram grandes transformações no mundo e no Continente Latino-Americano e Caribenho.

“No cenário cultural, já se fala de cultura urbana, pois o estilo de vida e a mentalidade dos ambientes citadinos se expandem, alcançando os rincões. Na realidade social e política do continente, percebe-se uma maior pobreza de nossos povos, com um crescimento do número de excluídos”, disse.

De acordo com dom Paulo, a crise de sentido, já detectada por Aparecida, foi acentuada pela pandemia da Covid-19. “Há uma grande mudança religiosa no continente, com o crescimento das religiões protestantes e, principalmente, do neopentecostalismo, inclusive com países onde o número de protestantes já ultrapassou o de católicos”, ressaltou.

A alegria do Evangelho

Frente a esse contexto, Aparecida propõe que “não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande ideia, mas através do encontro como um acontecimento, com Jesus Cristo, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva para a missão”.

Ecos deste documento, segundo dom Paulo, são encontrados na exortação apostólica Evangelii Gaudium, lançada em 2013, e em outros documentos do magistério do Papa Francisco. Uma destas ideias é a alegria de ser discípulo missionário. “Não é uma alegria ingênua, pois Aparecida detecta os reais problemas do Continente, mas uma alegria que é marca do Nosso Continente na vivência e testemunho da Fé”, apontou o arcebispo de Brasília.

Convertido, apontou dom Paulo, ao cristão missionário cabe “entrar com todas as forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé”.

A análise eclesial apontou oito pontos do documento de Aparecida que se refletem nas diretrizes gerais da ação evangelizadora da Igreja no Brasil: Conversão pastoral e renovação missionária; a formação do discípulo missionário e a Iniciação à Vida Cristã; a animação bíblica da pastoral; Paróquia, comunidade de comunidades e comunidades eclesiais missionárias; a piedade popular: lugar do encontro com Jesus Cristo; a Igreja a Serviço da vida plena; opção renovada pelos adolescentes e jovens; e a família como espaço de vivência dos valores evangélicos.

Conferência de Aparecida – 15 anos depois

A CNBB tem uma proposta para a celebração dos 15 anos da Conferência de Aparecida no Brasil. O Inapaz apresentou as iniciativas que devem ser levadas adiante durante os próximos meses. Em maio, a Presidência da entidade terá duas atividades no Santuário de Aparecida, que sediou a Conferência Latino Americana.

Também está previsto um seminário, em setembro, com reflexões conduzidas pelo Inapaz e pelos Institutos de Teologia das universidades católicas. O Inapaz também está preparando a publicação de um livro com o acúmulo da reflexão apresentada ao episcopado brasileiro.

CNBB

A Pastoral da Saúde promove, no próximo dia 28 de maio, uma formação para novos agentes, no Centro de Pastoral Jesus Bom Pastor, das 13h às 17h.


ARQUIDIOCESE DE LONDRINA
PASTORAL DA SAÚDE
COORDENAÇÃO
COMUNICADO

Vimos pela presente, comunicar aos (as) Senhores (as) Coordenadores (as), que vamos ter formação para novos agentes de Pastoral da Saúde, que será na data de 28 de maio de 2022, das 13h às 17h, no Centro de Pastoral Jesus Bom Pastor, localizado na Rua Dom
Bosco, nº 145, Jardim Dom Bosco, na sala 330, na cidade de Londrina – PR.


A formação contará com os seguintes palestrantes:
13h – Espiritualidade e abertura da dimensão solidária – Frei João Henrique Santana
14h – Dimensão Solidária – psicóloga Michelle Moreschi
15h – Dimensão Comunitária – enfermeira Silvana Verlingue
16h – Dimensão político institucional – pedagogo e participante da Comissão da Catequese da Arquidiocese: Vitor Henrique dos Santos.


Na oportunidade, aproveitamos para informá-los de que serão abertas 80 (oitenta) inscrições para novos agentes, bem como pedimos a gentileza de nos enviarem as fichas preenchidas o mais rápido possível.

Contamos com a colaboração de todos, bem como pedimos a gentileza de divulgarem em vossas comunidades.


Londrina, 12 de abril de 2022.

Márcia Mendes
Coordenadora Arquidiocesana