O Setor Juvenil da Arquidiocese de Londrina CONVOCA todos (as) coordenadores e vice coordenadores (as) de grupos de adolescentes e jovens assim como todos os (as) coordenadores arquidiocesanos de pastorais, movimentos e expressões juvenis da Arquidiocese de Londrina para a Assembleia Arquidiocesana do Setor Juvenil que será realizada no dia 04 de junho de 2022 (sábado) as 14:00 no auditório do Centro de Pastoral Jesus Bom Pastor.

Na assembleia serão oferecidas formações sobre alguns desafios pastorais da evangelização da juventude, importantes orientações arquidiocesanas, apresentação de calendário e encaminhamentos pastorais à nível decanal e paroquial. É indispensável a presença de todos.

São João Bosco, exemplo de evangelizador da juventude, interceda por todos.

Atenciosamente,

Nayron Nelson Niero dos Santos
Coordenador arquidiocesano do Setor Juvenil

Pe. Dirceu Júnior dos Reis
Assessor arquidiocesano do Setor Juvenil

Dom Geremias Stenimetz
Arcebispo metropolitano de Londrina

ASSEMBLEIA ARQUIDIOCESANA DO SETOR JUVENIL
Dia: 04 de junho de 2022 (sábado)
Horário: 14h00
Local: Auditório do Centro de Pastoral Jesus Bom Pastor – R. Dom Bosco, 145 – Londrina – PR


O Círculo Católico Estrela da Manhã (CCEM), grupo de jovens da Paróquia Pessoal Nipo-brasileira Imaculada Conceição, celebrou nessa terça-feira, 24 de maio, uma Missa em Ação de Graças pelos 65 anos de atuação em Londrina. A celebração, presidida pelo pároco padre Emanuel José de Paula e concelebrada pelo padre Luiz Laudino, pároco da Paróquia Imaculada Conceição, contou com circulistas, ex-circulistas e membros da comunidade paroquial.

Na homilia, o padre falou da importância da vivência em comunidade que o grupo proporciona. A partir da experiência dos Atos dos Apóstolos da leitura do dia, o pároco destacou que assim como Jesus se mostra na Palavra e na Eucaristia, Ele se mostra também na comunidade: “onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles, diz Jesus”.

Celebrar 65 anos é manter o legado de fé daqueles que iniciaram o grupo, de uma vivência que evangelizou muitos e trouxe muitos para perto de Jesus. Formou pessoas, casais, famílias e lideranças que hoje estão à frente da comunidade, destacou padre Emanuel, que participou do CCEM na época em que estava no seminário. “Assim como colhemos hoje o que outros plantaram, o amanhã do grupo depende daquilo que semeamos hoje.”

Terço e Jantar Comemorativo

No sábado, 28 de maio, o grupo promoveu a oração do Santo Terço e um jantar comemorativo, com a presença do pároco, padre Emanuel, participantes, ex-participantes, familiares e a comunidade, um momento de confraternização que possibilitou aos presentes relembrarem um pouco da história do CCEM. Antes do terço, membros do ministério de música de várias fases do grupo conduziram um momento de animação.

CCEM

Ligado à Pastoral Nipo-brasileira (PANIB), o Círculo Católico Estrela da Manhã (CCEM) é o grupo de jovens mais antigo de Londrina. Foi fundado em 1957 com o objetivo de aproximar descendentes japoneses da religião católica. Foi fundado em Presidente Prudente (SP) em 1953 e se expandiu para outras cidades onde a PANIB está presente.

O nome do grupo faz referência a um título de Nossa Senhora: Maria Estrela da Manhã. Maria é a Estrela da Manhã, aquela estrela que primeiro brilha no céu anunciando o sol, que é Jesus Cristo. Ela não é o centro, mas brilha trazendo a luz que vem de Deus.

Pascom Paróquia Pessoal Nipo-brasileira Imaculada Conceição

Fotos: Guto Honjo

Teve início no sábado, no dia 14 de maio, mais uma formação para Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão (MESC) do Decanato Rolândia. No total, serão sete encontros para preparação deste grupo, que é formado por fiéis leigos escolhidos de todas as paróquias do Decanato Rolândia.

A formação está sendo ministrada pelo pároco da Paróquia São José, padre Joel Medeiros, e organizado pela coordenadora dos Ministros do Decanato Rolândia, Marta Kolarovic, no no Centro de Pastoral João de Deus da Paróquia São José.

Ao final da formação do último sábado, dia 21 de maio, todos quiseram registrar este momento único e precioso com uma foto que demonstrasse a alegria e presença do Espírito Santo em cada um.

Pascom Paróquia São José

Fotos: Pascom

Regional Sul 2 é o único do Brasil com um torneio nesse estilo. Em sua 14ª edição, evento reúne mais de 170 sacerdotes

Padres das dioceses do Paraná estão reunidos em Londrina, nestes dias 23 e 24 de maio (segunda e terça-feira) para o Torneio dos Presbíteros do Regional Sul 2 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do brasil), neste ano organizado pela Arquidiocese de Londrina. Os padres estão disputando entre si as categorias: futebol, ping pong, truco, canastra e outros jogos de cartas. O arcebispo de Londrina, dom Geremias Steinmetz, e os bispos de Guarapuava, dom Amilton Manoel da Silva, e de Campo Mourão, dom Bruno Elizeu Versari, também estão presentes.

Segundo o secretário executivo do Regional Sul 2, padre Valdecir Badzinski, o Torneio dos Presbíteros do Paraná é um evento único no Brasil. “O Regional Sul 2 é o único regional que tem o torneio nesse estilo, envolvendo mais de 170 sacerdotes em dois dias. Na América Latina parece ser também [o único] desse porte e dessa magnitude, por isso nos alegramos com cada um dos presbíteros que participaram, da Pastoral Presbiteral e das dioceses que cuidam de seus presbíteros, seus pais espirituais, que Deus ajude sempre.”

Na segunda-feira à noite os padres iniciaram com o torneio de carta e tênis de mesa


Na segunda-feira, o evento iniciou com um momento celebrativo na Capela da Casa de Retiros Emaús, que recordou os 24 padres do Paraná vítimas da COVID-19 e depois os padres participaram dos torneios de canastra, baralho e tênis de mesa. Em seguida, um momento de confraternização entre eles.


Hoje está sendo disputado o torneio de futebol no Seminário Paulo VI. Cada diocese montou o seu time, inclusive a Arquidiocese de Londrina. “Estamos nesse momento de confraternização, de comunhão e de convivência entre nós. É bom esse momento, também com os bispos, vivendo esse momento de confraternização, de partilha e de convivência entre nós”, falou padre Joel Ribeiro Medeiros, coordenador do clero.


Padre Joel também faz um pedido aos fiéis: “Reze por nós, para que possamos de fato viver esse momento de alegria e isso com certeza gera aquela palavra que o Papa Francisco tanto tem dito: a sinodalidade, ou seja, caminharmos juntos, partilhar a nossa vida, isso é muito importante.”

Pascom Arquidiocesana

Fotos: Guto Honjo

Ao responder o questionário, comunidades vivenciaram o verdadeiro exercício do diálogo. Arquidiocese está na fase decanal do processo de escuta sinodal

A importância da escuta e do diálogo são temas recorrentes nos pronunciamentos do Papa Francisco. Tanto que o processo para o Sínodo dos Bispos que estamos vivendo, convocado pelo Santo Padre, leva a Igreja a pensar sobre o movimento de caminhar juntos na escuta do Espírito Santo e o que Deus quer para o nosso tempo: “Por uma Igreja Sinodal: comunhão, participação e missão”.

Nas palavras do próprio Papa, “a sinodalidade representa o caminho pelo qual a Igreja pode ser renovada pela ação do Espírito Santo, ouvindo juntos o que Deus tem a dizer ao seu povo”. É o caminho, segundo Francisco, da Igreja do terceiro milênio. Conceito fácil de explicar, mas não de colocar em prática. Um apelo a escutar, mas também um apelo à responsabilidade de todo batizado de trabalhar em conjunto com seus pastores.

“A grande descoberta é se escutar, escutar um ao outro”, destaca padre Alexandre Aves Filho, coordenador dos trabalhos do Sínodo na arquidiocese. Para isso, as comunidades responderam, em conjunto, um questionário sobre como enxergam os trabalhos em vista da evangelização na Igreja Particular de Londrina, para contribuir com o processo de escuta convocado pelo Papa. O Papa quer escutar seus fiéis. E o próprio processo de responder o questionário proporciona a experiência do caminhar juntos.

“Temos comunidades muito animadas, que assumiram mesmo o processo de escuta. O que eu tenho dito é: o que é mais importante é o processo que vai sendo feito, o processo de conversa, isso é fundamental para o processo sinodal que a gente está vivendo”, explica padre Alexandre. “Este é o grande fruto e é o que mais me deixa feliz: eles estão conseguindo fazer isso, se escutar”, finaliza.

Paróquia São Roque

Em Tamarana, lideranças da Paróquia São Roque e capelas responderam ao questionário do sínodo no fim do ano passado. O processo paroquial teve início em outubro, com uma celebração conduzida pelo seminarista Juniar Aparecido Padilha, e envolveu cerca de 100 pessoas da comunidade.

A partir da celebração de abertura, pastorais e capelas iniciaram os encontros para responder o questionário em conjunto, assessoradas por uma equipe formada, entre outros, pelo pároco padre Delcides André de Souza e pelo seminarista Juniar.

“Essa equipe foi preparada para auxiliar, dar apoio e suporte… Foram bem produtivos os encontros, e até reencontros, das pastorais, pois devido à pandemia, haviam ficado sem se encontrar”, explica a coordenadora do Conselho de Pastoral Paroquial (CPP), Valdenice Garcia.

O processo de escuta serviu não só para responder o questionário do sínodo, mas também muitas pastorais refletiram sobre sua caminhada pastoral, capelas fizeram celebrações, rezaram junto, discutiram e tiveram maturidade para tratar sobre conflitos que estavam acontecendo na comunidade, explica Valdenice.

Uma das principais dificuldades desse processo foi o entendimento dos termos técnicos apresentados no questionário, sendo fundamental o apoio do padre ou do seminarista. Por outro lado, ela destaca também que a comunidade, entendendo os conceitos e o processo, viu a sinodalidade, um termo até então desconhecido, como importante e necessária para a caminhada de Igreja. E a partir disso, surgiram muitas luzes para o trabalho pastoral. “Várias pastorais voltaram a se movimentar, antes da pandemia muitas situações já estavam delicadas, com a pandemia parou de vez, e desde o encontro para responder o questionário já estamos tendo frutos”, comemora.

Ela conta que as pessoas estão otimistas, confiantes de que as respostas apontadas por eles chegarão até a fase universal do Sínodo dos Bispos. “Que as pessoas que participarão das fases posteriores do Sínodo sejam iluminadas pelo Espírito Santo e façam com que a voz do povo da base chegue ao Vaticano”, espera Valdenice. Só assim haverá, segundo ela: comunhão, participação e missão.

Luzes para o trabalho pastoral

 Vilmair Bitencourt atua na Pastoral Litúrgica e Pastoral do Batismo da Paróquia São Roque e participou com os dois grupos das respostas do questionário do Sínodo. Ela conta que à medida que o questionário foi sendo respondido, as pastorais conseguiram fazer uma reflexão sobre seu próprio trabalho. “Percebemos que podemos e necessitamos fazer um trabalho mais amplo, com a participação e união de todos. Percebemos também as falhas que cometemos e muitas vezes nem percebemos”, conta Vilmair. Segundo ela, com a sinodalidade é possível ir além do trabalho já realizado: “Tivemos algumas ideias que vamos desenvolver para melhorar a interação de todos.”

O grupo observou, por exemplo, que na Pastoral Litúrgica é preciso desenvolver um trabalho voltado para os jovens, para melhorar a participação deles. “Também percebemos que os idosos precisam de um olhar diferenciado, pois durante a pandemia teve um afastamento deles nas celebrações e muitos ainda não retornaram.”

Já na Pastoral do Batismo, os agentes chegaram à conclusão de que é necessário dar mais apoio às famílias que batizam seus filhos, fazer visitas e direcionar para que eles se envolvam mais nas atividades pastorais. “Percebemos também que precisamos atuar mais na parte social da nossa comunidade… Vamos também resgatar pessoas que se afastaram das pastorais e tentar inseri-las novamente”, destaca Vilmair.

O desafio de se abrir ao outro

O livro dos Atos dos Apóstolos fundamentou a reflexão para responder o questionário do Sínodo, explica Josilaine de Paula Vieira, da Pastoral da Música e da Catequese. “Foi muito interessante. Cada pastoral trazia as reflexões para sua pastoral, para a vivência da mesma. Após a conclusão desse trabalho, num terceiro momento, os coordenadores levaram as questões ao CPP para ‘fecharmos’ as reflexões.” Ela destaca também a boa participação das comunidades rurais da paróquia durante todo o processo.

Caminhar junto é algo que já se faz na Igreja, destaca Josilaine, mas às vezes de forma mecânica. “Quando paramos, refletimos, vemos o quão importante e o quão difícil é. Muitas vezes precisamos nos abrir ao novo, a entender o outro, a entender a Igreja e acima de tudo abrir mão de conceitos e paradigmas. Caminhar junto com a Igreja, principalmente quando a Igreja é o outro, nos traz desafios, porém também nos traz esperança”, finaliza.

Fase decanal

A arquidiocese vive agora a fase decanal do Sínodo dos Bispos, nela cada decanato está fazendo uma síntese das respostas dadas pelas paróquias ao questionário sinodal. Essas sínteses serão enviadas à Ação Evangelizadora, que fará a síntese arquidiocesana futuramente enviada à CNBB para a síntese nacional.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocesana

Fotos: Pascom Paroquial

No último domingo, 15 de maio, foi realizada a primeira Pedalada de Santa Rita de Cássia, promovida pela Paróquia Santa Rita de Cássia, Decanato Leste. A pedalada reuniu 300 participantes para os trajetos entre as ruas do Jardim Califórnia e San Fernando e as Estradas do Limoeiro e do Periquito. A pedalada abriu os festejos da Semana da Padroeira 2022

O evento, organizado por Arlindo Bonfim Neto e coordenada pelo Marcos e Rita de Cássia, tem como objetivo reunir os pedaleiros de Londrina e região para se movimentar, confraternizar e promover e divulgar a campanha para o futuro santuário e a devoção a Santa Rita de Cássia.

Desde as 6h da manhã, os 300 inscritos (207 homens e 97 mulheres), vindos de 18 cidades do Norte do Paraná, Sul de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se reuniam em frente à paróquia. A concentração para a pedalada contou com um café da manhã reforçado, entrega do kit de participação, equipe de enfermagem e alongamento para encarar dois percursos de 30 km e 55 km.

Todas as vagas disponibilizadas foram esgotadas e mesmo com o tempo chuvoso, muitos ciclistas se aventuraram. A largada foi iniciada às 8h da manhã, após a benção do pároco padre Edivan Pedro e as últimas instruções relativas ao trajeto a ser percorrido.

Vale destacar dentro deste percurso foi montado uma robustas estrutura, onde todos os inscritos foram identificados com placas e protegidos com um seguro-atleta, com quatro pontos de apoio aos pedaleiros, com atendimento médico e uma equipe de apoio móvel para recolher aqueles que tivessem problemas durante o percurso.

Os que terminaram a prova ganharam uma medalha comemorativa de participação. Além disso, foi premiada a maior equipe: os Sem Fronteiras, da cidade de Londrina; o mais jovem a participar da prova: Vinicius, de nove anos, de Cambé; e o mais velho: Cosme, de Londrina.

Dentre as centenas de pessoas que participaram do evento, é importante escutar as impressões que elas tiveram desta novidade promovida pelo nosso santuário. Sirlene Aparecida Rodrigues, de Londrina, conheceu o Santuário por causa da pedalada: “É maravilhoso, é gratidão, ver tantos ciclistas, é muita gratidão, Deus é maravilhoso”, destaca.

Já Vinicius Correio Casado de Lima, que é um ciclista corriqueiro e encarou o trajeto de 55 Km, destaca que o evento foi bem organizado: “Nós estamos usando esse evento para a Rota das Catedrais, é o último evento antes deste evento maior, com uma distância maior”, explicou Vinícius.

Rita de Cássia, membro da equipe do Projeto Santuário e também da organização do evento, ressalta que foi preparada uma estrutura muito grande para atender bem os 300 ciclistas, pensando em todos os detalhes: médicos, alimentação, acolhida, respeitando todas as normas, e também valorizando o trabalho dos 40 voluntários, fundamentais para que ocorra tudo nos conformes este evento. “É muito emocionante, o coração transborda de alegria, com o pessoal jovem da pedalada muito feliz, e isso nos motiva a fazer mais e mais”, fala Rita.

Arlindo Bomfim Neto, coordenador e organizador do evento, destaca que este evento é uma construção de uma grande equipe: “Nós partimos para a atividade para colocar a pedalada funcionar, e com o apoio da comunidade e dos patrocinadores, pensar a integridade física dos participantes, proporcionando um seguro de vida e o nosso maior objetivo aqui é o ciclista que está participando desta pedalada em prol do Santuário de Santa Rita de Cássia tenha uma boa impressão, e acreditando que a nossa padroeira está abençoando, eu estou muito satisfeito com o evento”, falou Arlindo.

Como destacado pelo Bonfim, o evento não acontece sem o trabalho de uma grande equipe, e se destaca o trabalho de vários voluntários, entre eles, a Érica Oliveira Domingos, que se engajou na participação deste evento devido ao trabalho no Santuário: “É muito especial, é muito trabalho, organizando durante a semana os kits, mas muito orgulho e felicidade com tanto ciclista aqui no Santuário de Santa Rita de Cássia”.

E faz um convite a todos aqueles que querem ajudar na construção, espiritual e física, do nosso santuário: “É muito gratificante, venha procurar as pastorais, a gente precisa de muitos voluntários para as várias atividades pastorais que existem hoje”.

A pedalada não seria possível sem os apoios de: Supermercado SuperNorte; CGL Assessoria Esportiva; Sanepar; Sicredi; Sucos Natu; Loja Poderosão da Limpeza; Pai&Filhos Pastelaria; Bananinha Palmital; Gulosina Alimentos; Farmácias Nissei; Duque Bikes; S2 Bike Shop e Medical Care e a também a colaboração da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU).

Além disso, na hora do almoço foi promovida uma macarronada com porpeta, que reuniu cerca de 400 pessoas no salão paroquial num divertido e animado Show de Prêmios.

A Semana da Padroeira 2022, com o tema “Santa Rita, exemplo de acolhida” continua com muitas atividades, com as Novena Mensal e as Missas Especiais; o Show com Thiago Tomé, e encerrando com a grande festa no dia 22, sendo que nestes dias teremos quermesse, loja de artigos religiosos, Capela das Graças,  Gruta de Santa Rita, Capela das Velas e Nicho com a Relíquia de Santa Rita.

Solidariedade

A paróquia também está recebendo doações de alimentos , mantimentos, roupas adulto/criança para as pessoas necessitadas da paróquia.

Programação da Semana da Padroeira:

17/5 – terça-feira

9h – Novena em honra a Santa Rita de Cássia (Presencial e on-line)

19h30 – Santa Missa: “Santa Rita, Exemplo de Acolhida dos Enfermos”

Bênçãos da Saúde – Celebrante: Pe. Paulo Ricardo Batista

18/5 – quarta-feira

9h – Novena em honra a Santa Rita de Cássia (Presencial e on-line)

18h30 – Oração do Terço de Santa Rita

19h30 – Santa Missa: “Santa Rita, Exemplo de Acolhida dos Filhos”

Bênçãos dos Filhos – Celebrante: Pe. Marcelo Gomes dos Santos

19/5 – quinta-feira

9h – Novena em honra a Santa Rita de Cássia (Presencial e on-line)

19h30 – Santa Missa: “Santa Rita, Exemplo de Acolhida da Vocação Religiosa”

Bênçãos da Juventude – Celebrante: Pe. Humberto Lisboa Nonata Gema

20/5 – sexta-feira

9h – Novena em honra a Santa Rita de Cássia (Presencial e on-line)

19h30 – Santa Missa: “Santa Rita, Exemplo de Acolhida das Cruzes Diárias”

Bênçãos dos Crucifixos e dos Terços – Celebrante: Pe. Laurindo Lopes da Silva

21/5 – sábado – Véspera da Festa da Padroeira

9h – Novena em honra a Santa Rita de Cássia (Presencial e on-line)

12h – Santa Missa Mariana – Celebrante: Pe. Edivan Pedro dos Santos (pároco)

19h – Santa Missa: “Santa Rita, Exemplo de Acolhida da Fé”

Bênçãos das Bíblias – Celebrante: Pe. Edivan Pedro dos Santos (pároco)

20h30 – Show Musical com Thiago Tomé – Missionário da Canção Nova

22/5 – domingo – Dia de Santa Rita de Cássia

Será um dia muito especial, as equipes da paróquia estarão recebendo os devotos, caravanas de romeiros e comunidade para um dia de adoração, oração, celebração, alegria, emoção, confraternização e fé, pedindo a Deus, por intercessão de Santa Rita, muitas bênçãos para cada um daqueles que busca paz, amor, esperança e luz para um mundo melhor. Neste dia é o momento de se encontrar com o Cristo Eucarístico.

Das 5h às 11h – Rota dos Santuários

6h – Santa Missa

Celebrante: Pe. Evandro Delfino

Das 8h às 12h – Confissões

8h30 – Desfile de Santa Rita

10h – Santa Missa

Celebrante: Dom Geremias Steinmetz – arcebispo de Londrina (na celebração, dom Geremias instituirá como acólito Ivan Marcelo da Silva Rodrigues, membro da comunidade)

12h – Santa Missa

Celebrante: Pe. João Giomo (PIME)

13h – Bênçãos dos carros

14h às 18h – Confissões

14h30 – Santa Missa

Celebrante: Pe. Renato Aparecido Ferraz Pelisson

16h30 – Santa Missa

Celebrante: Pe. Djonh Denys

18h30 – Santa Missa

Celebrante: Pe. Edivan Pedro dos Santos (pároco)

20h – Procissão Luminosa

*trazer velas

Horários especiais de funcionamento da Praça de Alimentação e Loja de produtos religiosos:

21/5: das 18h às 22h

22/5: das 6h às 22h

Pascom Paroquial

A Arquidiocese de Londrina foi representada no encontro pelos padres André Luiz de Oliveira, José Onero dos Santos, Luiz Laudino e Laurindo Lopes da Silva

Cerca de 532 presbíteros de todas as dioceses do Brasil estiveram reunidos no Santuário Nacional, em Aparecida (SP), nos dias 9 a 14 de maio, para participar do 18º Encontro Nacional de Presbíteros, assessorado pelo padre Rosimar José de Lima Dias e por dom Joel Portella Amado, secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Na ocasião, eles refletiram sobre o tema “Presbíteros: Comunhão e Missão” e puderam rezar, conviver, refletir e experimentar a alegria de ser presbíteros/discípulos do Senhor, em comunhão e missão.

“Apareceram palavras como: eclesiologia de comunhão, sinodalidade, igreja particular, presbitério, espiritualidade, santidade, evangelização, testemunho, cuidado e anúncio do Reino”, diz um trecho da carta divulgada no final do encontro.

Durante os dias de encontro, os presbíteros puderam refletir sobre o momento de crise da pandemia, com desafios que afetam os âmbitos da política, economia, meios de comunicação, vida social, moral e ética. “Notou-se que há uma certa descrença da parte do povo brasileiro nas ciências, lideranças e instituições. Constatamos que muitos presbíteros, bispos, familiares e paroquianos morreram afetados pelo coronavírus e rezamos por eles”.

Tocados pelo processo do Sínodo dos Bispos de 2023, os presbíteros reafirmaram a fidelidade ao Magistério da Igreja na pessoa do Papa Francisco, na teologia bíblico-patrística, na eclesiologia do Concílio Vaticano II, na Teologia da Conferência Geral do Episcopado Latino Americano e Caribenho e nas orientações doutrinais e pastorais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, para “vencermos o personalismo, o clericalismo e o isolamento pelo cultivo da comunhão, participação e missão”.

“Aqui, da Casa da Palavra, Casa da Mãe Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, Santuário dos romeiros e peregrinos, nós, presbíteros da Igreja no Brasil, no empenho de ouvir cada vez melhor o chamado do Senhor ‘vinde!’, somos enviados em missão junto ao rebanho a nós confiado. Maria, Mãe Aparecida, nos ajude! Inspire-nos o testemunho de São João Maria Vianney, nosso patrono. Amém.”

CNBB

A Arquidiocese de Londrina foi representada pelos padres Luiz Laudino, José Onero, André Luiz Oliveira e Laurindo Lopes

O último dia de encontro dos padres coordenadores diocesanos da Ação Evangelizadora do Paraná, neste 11 de maio, começou com a missa presidida pelo bispo de Guarapuava (PR) e secretário do Regional Sul 2 da CNBB, dom Amilton Manoel da Silva, ladeado pelo padre Érico Gabriel Gurkowski, da Diocese de Guarapuava, e pelo padre Paulo Alves Martins, da Diocese de Paranavaí (PR). A Arquidiocese de Londrina foi representada pelo padre Alexandre Alves Filho e o arcebispo dom Geremias Steinmetz participou com uma palestra sobre a Assembleia Eclesial Latino-Americana.

Ao longo da última manhã de trabalhos, os padres trataram sobre Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), a Pastoral da Escuta, a Cartilha de Orientação Política 2022, a capelania hospitalar e a Pastoral Catequética com foco na Iniciação à Vida Cristã.

De forma geral, a avaliação final dos padres sobre o encontro foi muito positiva. Eles destacaram a volta do encontro presencial como um dos fatores mais importantes para ajudar a refletir sobre a evangelização.

Para o padre Anderson Ulatoski, da Diocese de Paranaguá (PR), que participa pela primeira vez do encontro, o mais importante foi a experiência da fraternidade. “Houve muita participação, com um clima leve e de respeito mútuo. Também, evidentemente, trabalhamos muito discorrendo em todos os temas da pauta. Sendo a primeira vez que participo, me senti muito bem e acolhido e, principalmente, senti que somos um grupo que tem coesão no trabalho pastoral, temos sonhos e projetos em comum”, disse padre Anderson.

Para o padre Alexandre dos Anjos Filho, da Arquidiocese de Londrina (PR), que está na coordenação diocesana da ação evangelizadora desde 2019, o encontro teve o anseio de reconstruir. “Nós viemos de um período em que as nossas lideranças ainda não voltaram totalmente para a pastoral e estão surgindo lideranças novas. Mas nós não vamos começar do zero, temos que dar continuidade nos trabalhos que foram interrompidos por conta da pandemia, porém, agregando as pessoas que estão chegando para que elas tenham essa cidadania eclesial e estejam conosco para dar continuidade aos projetos”, disse padre Alexandre. Quanto aos temas abordados no encontro, o sacerdote afirmou que também foram temas de reconstrução daquilo que já existia e daquilo que precisa ser fortalecido.

O secretário executivo da CNBB Sul 2, padre Valdecir Badzinski, que coordenou o encontro junto com dom Amilton, disse que foi ocasião para fortalecer a convivência, o conhecimento e os direcionamentos para a ação evangelizadora em cada uma das dioceses. “Esse encontro tem uma importância muito grande para estudos, avaliações, atualizações de temas relevantes nas ações da Igreja em cada uma das dioceses do Paraná. Especialmente nesse tempo, que podemos chamar de pós pandemia, muita coisa precisa se adaptar e se renovar para atender as demandas e as necessidades das comunidades. Dessa forma, tratamos de temas atuais, à luz das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da CNBB 2019-2023, em vista do fortalecimento da ação evangelizadora em nossas dioceses”, disse padre Valdecir.

Encontro dos Padres Coordenadores da Ação Evangelizadora

Os padres coordenadores diocesanos da Ação Evangelizadora no Paraná estiveram reunidos do dia 9 ao dia 11 de maio, no Seminário Santo Agostinho, em Maringá (PR), para um encontro de estudos e encaminhamentos. O encontro contou com a participação de 23 padres e foi coordenado pelo bispo de Guarapuava (PR) e secretário da CNBB Sul 2, dom Amilton Manoel da Silva, e pelo secretário executivo da CNBB Sul 2, padre Valdecir Badzinski.

Após dois anos de restrições devido à pandemia, nos quais foram possíveis somente encontros remotos, o grupo se reuniu presencialmente, colocando como primeiro trabalho da pauta uma partilha pessoal e pastoral. Dom Amilton afirmou que, depois desse tempo sem a proximidade do encontro, foi muito importante dedicar essa tarde para ouvir como cada padre está se sentindo pessoalmente e com relação à evangelização.

“Percebemos que há um esforço grande dos padres nesse retorno da pandemia, assim como há uma resposta bonita do nosso povo. O povo não está voltando apenas à forma presencial, o povo está voltando com muita expectativa, com muito desejo do novo nesse período que podemos chamar de pós pandemia, e há uma esperança estampada em cada ação e em cada gesto que eles têm feito. Isso está motivando os padres”, disse dom Amilton.

Karina de Carvalho
Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2

Na próxima segunda-feira, 16 de maio, a Pastoral da Música Arquidiocesana promove formação sobre os cânticos para a celebração da Crisma, assessorada pelo maestro Adenor Leonardo Terra, da Diocese de Apucarana. A formação surgiu da dificuldade das equipes de música escolherem os cantos para a celebração. “Como as Crismas são realizadas apenas uma vez por ano, as equipes acabam não sabendo quais músicas e como executar. Por não ser uma celebração muito comum escolhem-se cantos aleatórios”, explica o padre Rodolfo Trisltz, assessor da Pastoral da Música.

A formação apresentará roteiro com opções de músicas para as celebrações, dentre elas entrada, ofertório, comunhão e o momento da Crisma. Os materiais ficarão disponíveis para consulta no site: arquidioceselondrina.com.br. “O Crisma é um sacramento que insere o fiel na vida comunitária e a música deve refletir essa ideia. Não é o momento de falar do eu, de sentimentalismo. Mas um momento de oração e meditação sobre o Espírito Santo, de expressar a característica comunitária da Igreja”, finaliza.

Não é necessário realizar inscrição, basta acessar o Youtube (https://www.youtube.com/c/ArquidiocesedeLondrinaOficial) ou Facebook (https://www.facebook.com/arquidiocesedelondrina) para participar da formação.

Assessor

Doutorando em Teologia pela UNIVERSITÉ LAVAL (Québec – Canadá). Possui Mestrado em Música pela UDESC – UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (2014) e Especialização em Leitura e Produção Textual pela FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE JANDAIA DO SUL (2005). É Bacharel em Música pela UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (2011) e Licenciado em Letras pela FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE JANDAIA DO SUL (2004). É regente, compositor, membro da ASLI – ASSOCIAÇÃO DOS LITURGISTAS DO BRASIL e da comissão de Liturgia e Música do Regional Sul 2 da CNBB – CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL.

Serviço

Formação sobre as músicas na celebração da Crisma

Segunda-feira, 16/5, às 20h

On-line pelo Facebook e Youtube:

https://www.youtube.com/c/ArquidiocesedeLondrinaOficial

https://www.facebook.com/arquidiocesedelondrina

Pascom Arquidiocesana

Foto: Cathopic