Notas

Carta de apoio a Dom Orlando Brandes

#Compartilhe

 

Caríssimo Dom Orlando!

 

A escuridão que cobre o Brasil nos tempos que correm não será suficiente para impedir que a luz do Evangelho se imponha e ilumine com a força do Espírito. Assim, suas palavras e atitudes jamais serão silenciadas por discursos de ódio que visam apenas defender o indefensável e desmoralizar aqueles que há décadas têm, por fidelidade a Jesus Cristo, denunciado tudo que atenta contra a dignidade das mulheres e homens deste país!

 

Estamos cientes de que vivemos um período da nossa história que jamais poderíamos imaginar! Um Brasil acéfalo, sem rumo, contando às centenas de milhares os mortos pela Covid e aos milhões os que padecem pelo desemprego e pela fome! Quem diria! Um país que já a havia erradicado há anos e que possui uma excelente tradição no desenvolvimento e aplicação de vacinas! Não! Não é um pátria amada! É sim, como bem o senhor referiu, uma pátria armada!

 

Congratulamo-nos com a carta aberta da CNBB. Peremptória e contundente. Acreditamos que como no passado, os bispos do Brasil não podem se calar! As pedras falariam. A justiça e a paz, caminham de mãos dadas. Nada se constrói sobre as areias movediças da omissão e do medo. E ainda que procurem nos desmoralizar com ofensas e calúnias perversas, visando nos remeter a uma religião de sacristia, lhes mostraremos que a religião de Jesus de Nazaré nos leva até ao martírio, pela indiferença ou incompreensão, mas nunca ao silêncio covarde!

 

Pessoas como o senhor, com quem tivemos a alegria de caminhar junto, alimentam em nós a esperança de que derrotaremos esse vírus que se instalou em nossa nação e que é bem pior do que a já terrível Pandemia! Conte com a nossa prece e a nossa solidariedade. Faremos também a parte que nos cabe, à luz do pensamento do Papa Francisco; ao longo de sucessivas falas ele nos diz: A Igreja que se move, que faz opção pelos últimos, que vai à periferia, que sai de si mesma (audiência de 23/03/2013), que anda pela rua (aos ‘sacerdotes callejeros’), Igreja inclusiva, não excludente, não autocentrada, não narcisista, que não vive para si mesma, não é cartório, Igreja inteiramente missionária (EG 34), discípula missionária (EG 40), hospital de campanha, campo de refugiados. Ainda poderíamos citar EG 195, 197, 198 ou 199. Ou na expressão de maior realce, dentro desse novo vocabulário: a ‘Igreja em saída’: “Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo: os estilos, os horários, a linguagem, numa atitude constante de saída” (EG 26-27).

 

Por acreditarmos neste novo modelo de Igreja, sonhamos também com a eficácia do fermento que de forma indelével fecundará a massa. Usaremos, não somente o púlpito, mas principalmente as nossas vidas, para nos apresentarmos como o Bom Samaritano junto aos nossos irmãos feridos pelo negacionismo, pelo deboche governamental e abalados pela desesperança.

 

18 de outubro de 2021

 

 

 

Foto destaque: Chico Senra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *