Arcebispo Palavra do Arcebispo

Festa de Nossa Senhora Aparecida: conscientização e intercessão

#Compartilhe

Aproxima-se a festa da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Todos os anos acontece uma enorme movimentação em comunidades, paróquias e dioceses de todo o Brasil ao redor de Nossa Senhora. Destaca-se sempre todo o trabalho de evangelização planejado e executado no Santuário Nacional, em Aparecida (SP). Mas não deixam de ter a sua forte influência as programações locais das inúmeras instituições que a trazem como patrona em todo o território nacional.

 

Recordo, mesmo que brevemente, alguns fatos históricos importantes para o crescimento deste fenômeno no Brasil: Em outubro de 1717, Dom Pedro de Almeida Portugal, Conde de Assumar, indo de São Paulo para tomar posse como governador nas Minas Gerais, fez uma parada em Guaratinguetá (SP). A Câmara Municipal quis oferecer um grande banquete ao ilustre visitante. E convocou todos os pescadores para que apanhassem toda sorte de peixes que encontrassem. Três desses pescadores eram Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso. Eles que, naquela escassez de peixes, pescaram primeiro o corpo da santa e depois a cabeça da mesma imagem. Em seguida a pesca tornou-se evidentemente milagrosa, enchendo as redes e o barco. Na sala dos milagres chama a atenção um grande ex-voto pelo milagre da libertação de alguns escravos.

 

Há muitas outras narrativas relacionadas à libertação de negros escravos, proteção de pobres trabalhadores, conversões, valorizando e dando destaque para a cor da imagem, o tempo da escravidão, a opressão política e econômica. Certamente que a ligação umbilical com este tempo difícil e triste da história do Brasil abre espaço para reflexões bem pertinentes na realidade que hoje vivemos: a cultura urbana com suas mazelas em todas as áreas; as dificuldades econômicas que se abatem sobre o nosso povo; perda de direitos; desemprego; precarização do trabalho; presença, ainda, de trabalho escravo; falta de moradia; os problemas enfrentados por indígenas, quilombolas e ribeirinhos, etc. Acontece, assim, um grande evento de evangelização do povo e da cultura brasileira.

 

O Santuário de Nossa Senhora Aparecida do Norte do Paraná, na Vila Nova em Londrina, inaugura no dia 1º de outubro de 2021 o seu Ano Jubilar, que dará início a uma série de comemorações e celebrações pelos seus 70 anos como paróquia e 25 anos como santuário. Será um ano com diversas e intensas atividades pastorais e que envolverão a cidade toda: lançamento de selo comemorativo, apresentações artísticas e culturais, realização de celebrações e a grande Festa da Padroeira, celebrada todo dia 12 de outubro. A comemoração final do jubileu será no dia 12 de outubro de 2022. 

 

Informações fornecidas pela secretaria do santuário indicam que ele é considerado a “segunda paróquia de Londrina, criada apenas em seguida à Igreja Matriz, hoje Catedral Metropolitana de Londrina”. Diz a história e o relato de pioneiros que “Benjamin Nalin, morador do recém-inaugurado bairro Vila Nova, construiu uma capela em honra a Nossa Senhora Aparecida. Isso porque uma das filhas havia ficado doente e, se ela melhorasse, ele teria prometido que ergueria a capela para a comunidade rezar o terço, em um de seus terrenos no bairro”. 

 

Foi o que aconteceu, em maio de 1940. Dizem que Benjamin Nalin “foi até o Santuário Nacional de Aparecida comprar a imagem da padroeira para ornar o espaço”. Em abril de 1943 formou-se a primeira comissão para a construção da primeira igreja, que substituiria a primeira capela. Em 26 de fevereiro de 1952 chegou o primeiro padre, Beno Wernner, designado ainda pela Diocese de Jacarezinho para assumir como Vigário da Vila Casoni, um bairro ao lado, mais antigo. A posse do novo padre na nova paróquia foi no dia 1º de março de 1952. Dali por diante, o crescimento da comunidade se confunde com o desenvolvimento do bairro, da região e da cidade. Certamente que, além de uma história linda, permanecem muitos desafios a serem vencidos. 

 

Dado o avanço da pandemia e, com ela, a crise humanitária que se aprofundou, o Santuário se tornou uma referência de atendimento não apenas de fé, mas de assistência a pessoas necessitadas, especialmente a moradores de rua. Há dois grandes obstáculos a serem vencidos: a limitação de recursos, já que as obras assistenciais são realizadas através de doações de empresas e de paroquianos e a falta de espaço, que impede o Santuário de ampliar ainda mais o atendimento. Com espaço maior é possível dedicar-se mais à saúde, à pessoa idosa, às pessoas de rua, à Pastoral da Criança e aos Vicentinos, etc. Que Nossa Senhora Aparecida indique caminhos para a concretização da fé nas nossas comunidades.

Dom Geremias Steinmetz
Arcebispo de Londrina

 

Artigo publicado na Revista Comunidade edição outubro 2021
Foto destaque: Pascom Santuário Nossa Senhora Aparecida

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *