Pastorais, Movimentos e Organismos

Novembro Mês do Dízimo

#Compartilhe

PASTORAL DO DÍZIMO

“Sou dizimista porque amo a minha Igreja”

 

É muito importante frisar o termo PASTORAL antes do Dízimo. Isso porque o objetivo de toda pastoral é apresentar Jesus como modelo e a Igreja como caminho. Desta feita, também a Pastoral do Dízimo tem como objetivo primeiro a evangelização: assumir o projeto do Reino de Deus oferecido por Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

A primeira etapa da Pastoral do Dízimo é a formação de uma equipe. Essa equipe deve ser formada por fiéis que já participam da vida da comunidade e desejam conhecer melhor a importância do Dízimo. A espiritualidade de cada líder da Pastoral do Dízimo é alimentada pela formação bíblica, participação na liturgia dominical, uma vida de oração e preparação para a recepção dos sacramentos, sobretudo da Confissão e da Eucaristia.

 

A Pastoral do Dízimo apresentada pelo Pe. Manoel Idalgo, assessor arquidiocesano, contém um logotipo (símbolo), um slogan, uma oração própria recordando a Santíssima Trindade, hinos já conhecidos e uma das formas de se apresentar a contribuição do dízimo, no caso por meio da carteirinha do dizimista que é oferecida no Dia do Dízimo. A sugestão é que todas as comunidades assumam o Dia do Dízimo no segundo sábado e domingo de cada mês.

 

Por novembro ser o Mês do Dízimo, apresentaremos uma pequena formação.

1. O que é o dízimo?

O Dízimo é demonstração de fé em Deus e amor para com a Igreja. É uma forma de agradecimento por tudo que se recebe das mãos de Deus. É uma contribuição financeira mensal para a Igreja pagar suas contas. O Dízimo é uma parcela de tudo o que se tem.

 

2. Quem inventou o dízimo?

O Dízimo foi criado pelo Povo de Deus do Antigo Testamento como forma de gratidão a Deus (cf. Lv 27,30). O dízimo era utilizado pelos sacerdotes (cf. Nm 18,21) para manter o templo e ajudar os mais necessitados (cf. Tb 1,7). Jesus incentiva o dízimo (cf. Mt 23,23).

 

3. Para que serve o dízimo?

O Dízimo serve para pagar as contas da Igreja como, por exemplo, água, energia elétrica, impostos, manutenção da secretaria e da casa paroquial, reformas e construções, formação de agentes pastorais, retiros, obras de caridade etc.

 

4. Quem decide o que se faz com o dinheiro do dízimo?

Existe uma equipe (CAEP – Conselho Administrativo e Econômico Paroquial) que presta contas de tudo o que é arrecadado e tudo o que é gasto mensalmente. Esta equipe é formada por cristãos católicos engajados e comprometidos com a comunidade. É um trabalho voluntário, sem direito a remuneração. O CAEP colabora com o padre na administração econômica da paróquia e é refeita a cada dois anos (cf. Regimento da Arquidiocese de Londrina).

 

5. Quem deve ser dizimista?

A melhor resposta para esta pergunta é: EU. Este EU inclui todos os fiéis: padre, ministros, catequistas, catequizandos, pai, mãe, filhos, membros de todas as pastorais e movimentos. Nenhuma pessoa deve ser excluída de ser dizimista. Cada membro da família deve ser dizimista. Quando uma criança é incentivada a ser dizimista, ela cresce sabendo a importância de sua contribuição.

 

6. É importante a quantia que se dá de dízimo?

Claro que é importante. Todo mundo que trabalha sabe que é importante a quantia que se recebe. Falar que tanto faz a quantia que se dá de dízimo é o mesmo que dizer que tanto faz receber um ou dez salários mínimos. Por isso é importante oferecer um Dízimo que ajude a Igreja a crescer. A Igreja precisa do dízimo. Não devemos dar esmolas para Deus, mas uma quantia que represente o grande amor que temos. Paulo apóstolo diz que “deve-se usar a medida do coração” e o coração é sempre generoso (cf. 2Cor 9,6-7).

 

7. É necessário dar dez por cento (10%) de tudo o que se ganha?

Dízimo significa “a décima parte”. O dízimo surgiu na Bíblia para incentivar a generosidade dos fiéis na partilha de seus bens. Ser dizimista é contribuir com parte de tudo o que se tem. Deus não é contador e não fica fiscalizando o quanto se oferece, e nem a Igreja faz isso. Tudo o que temos pertence a Deus e nossa contribuição demonstra nossa fé e nosso compromisso com a Igreja. Dízimo não é só dinheiro, Dízimo é doação de si, é amor.

 

8. O que devo fazer para ser dizimista?

Procure a Secretaria da Paróquia ou o Plantão do Dízimo. Ou ainda: escreva num envelope o seu nome completo, seu endereço e o número do seu telefone fixo ou celular. Ofereça este envelope com o seu DÍZIMO durante a santa missa. Você estará fazendo parte do número dos dizimistas da comunidade e receberá a sua Carteirinha do Dizimista.

 

 

 

EXPLICAÇÃO DO SÍMBOLO DA PASTORAL DO DÍZIMO

O símbolo da Pastoral do Dízimo retrata o imenso amor de Deus-Pai que oferece o coração sagrado de seu filho Jesus. A paz do Espírito Santo envolve este gesto de generosidade. O coração recorda o próprio amor, entrega de si, compaixão, misericórdia, compromisso. A “pomba” quer levar esse dom a todos os lugares, por isso ela está com as asas abertas. A mão que oferece também fica aberta para acolher. Isso tudo quer mostrar o significado do Dízimo – contribuição de parte de tudo o que se tem. dízimo é, antes de tudo, partilha da própria vida. O Dízimo eleva aos céus, pelas asas do Espírito Santo, o coração feliz de quem reconhece que tudo vem de deus. Dízimo é compromisso de fé. Dízimo é Amor.

 

 

 

 

 

ORAÇÃO DOS DIZIMISTAS

Deus Pai, receba o Dízimo que apresento à tua Igreja. É fruto de meu trabalho e parte de tudo o que ganhei. O meu dízimo servirá para as necessidades pastorais de nossa comunidade. Espírito Santo, que todos os dizimistas continuem sendo abençoados pelos seus dons. Tenham sempre saúde, paz, alegria e prosperidade. Senhor Jesus, obrigado por me ensinar a partilhar. Sou feliz porque posso contribuir. Amém!

 

 

Pe. Manoel Idalgopadreidalgo.2014@gmail.com
Assessor Eclesiástico da Pastoral do Dízimo da Arquidiocese de Londrina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *