Útimas Notícias

Leigos: exemplos de serviço e dedicação

#Compartilhe

Homens e mulheres mostram que limitação não pode ser impedimento para trabalhar pelo Reino de Deus.

 

No dia a dia da Igreja, uma figura que forma a grande parcela do Povo de Deus e que desempenha papel fundamental para sua essência de levar e anunciar o Cristo e sua Salvação é a do leigo. É por meio do trabalho de pessoas que se doam em prol do Reino e do próximo que Jesus continua manifestando seu amor e fidelidade.

 

Em 24 de novembro, data em que se celebra a festa de Cristo Rei, também é comemorado o Dia do Cristão Leigo. Na Arquidiocese de Londrina, assim como em milhares de comunidades pelo mundo, há pessoas que são exemplo especial do que é engajamento. São homens e mulheres, de diversas faixas etárias, que fazem do que poderia ser uma limitação motivo de eficiência.

 

Deficiência física não impede Nilma Ruth de Oliveira de participar das pastorais (Foto arquivo pessoal)

Nilma Ruth de Oliveira faz parte dos paroquianos que frequentam e ajudam na Paróquia Nossa Senhora do Amparo, Decanato Leste. Sua atuação de forma mais concreta começou a partir da Crisma, quando foi vice-coordenadora do grupo de adolescentes da paróquia. Colaborou como catequista durante alguns anos. Atualmente, está na vice-coordenação arquidiocesana da Legião de Maria, movimento que participa há 24 anos.

 

Paraplégica, usa cadeira de rodas para se locomover. O que para muitos poderia ser motivo de desesperança para Nilma é um instrumento que a faz exercer suas variadas funções, que elenca com muito orgulho e dedicação. “Sou vice-coordenadora da Pastoral do Dízimo, coordeno o Grupo Bíblico de Reflexão no setor onde moro, sou secretária do CPP e minha mais nova empreitada está sendo coordenar a Pascom (Pastoral da Comunicação) na paróquia. Gosto muito, pois, sinto que por meio da comunicação temos a oportunidade de melhor propagar o Reino de Deus”, diz.

 

Segundo a auxiliar administrativa e revendedora de produtos naturais, cosméticos e alimentícios, estar em uma cadeira de rodas é um desafio equiparado ao viver, o que é para todos. “Não vejo minha limitação como um problema que me paralisa. Dentro das minhas possibilidades e conhecimentos procuro estar sempre ativa em todas as áreas da vida”, destaca.

 

“As pessoas não podem esperar ter tempo livre para se colocar à disposição do serviço de Jesus. O verdadeiro cristão não pode se acomodar. Deus conta conosco nesta missão”, reflete.
Mesmo com a rotina intensa e as várias atividades que envolvem o trabalho e vida pessoal, Nilma Oliveira tem encontrado na Pastoral da Comunicação um campo vasto a ser explorado e importante. “Conheci a Pascom por meio do nosso ex-pároco, padre Antonio Carlos da Silva. Aceitei o convite para ajudá-lo a implantar a pastoral em nossa comunidade. Não é uma tarefa fácil. Entretanto, cada passo que damos é gratificante e acho essencial na vida da Igreja o trabalho que a Pascom promove.”

 

FELIZ POR AJUDAR

Coroinha no Oratório Nossa Senhora do Silêncio, João Vitor Guttuzzo, de 17 anos, perdeu a audição aos dois meses de vida por conta de uma medicação. Em casa sempre encontrou o exemplo e incentivo para frequentar a Igreja. Foi em 2010 que começou a se aprofundar mais nas questões religiosas, aprendendo sobre liturgia e a Missa.

 

Coroinha João Vitor Guttuzzo conta com ajuda de intérpretes em Libras para desempenhas a função (Foto Jordino Neto)

“Na Congregação da Pequena Missão para Surdos os padres sempre me incentivavam. Também sempre recebi apoio dos intérpretes, além de formações com os seminaristas Matheus Salgado e Aderbal Scapini”, cita o jovem, que diz realizado em poder ajudar. “Sou feliz porque ajudo nas necessidades da celebração. Faço tudo que um acólito faz. Isso é muito importante para mim”, valoriza.
De acordo com João Vitor, a surdez nunca o atrapalhou, já que encontrou suporte junto aos demais membros da comunidade. “Tenho com quem tirar dúvidas e sempre existe a presença do intérprete. É um desafio servir a Deus, mas, minha expectativa é de sempre dar o meu melhor”, diz ele, que serve nas missas do oratório.

 

“É tudo muito natural. Se preciso de ajuda, me esforço e busco aprender mais. É necessário estar atento na Igreja. Deus está ao seu lado, não se pode esquecer disso jamais. Deve ser obediente à Igreja, porque ela ensina a Palavra de Deus. Ela nos ajuda a encontrar Jesus”, resume.

Pedro Marconi
Pascom arquidiocesana

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *