O evento reuniu pioneiros, que ajudaram a construir a igrejinha a partir da década de 1940 e foram homenageados, além de autoridades

 

Uma cerimônia realizada na manhã desta sexta-feira (1º) abriu, oficialmente, as comemorações do Ano Jubilar do Santuário de Nossa Senhora Aparecida do Norte do Paraná, que celebra em 2022 o Jubileu de Platina (70 anos como paróquia) e o Jubileu de Ouro (25 anos como santuário). O evento reuniu pioneiros, que ajudaram a construir a igrejinha a partir da década de 1940 e foram homenageados, além de autoridades, entre elas o arcebispo dom Geremias Steinmetz, senador, deputados e vereadores. A cerimônia, transmitida pela internet, está disponível nos canais do santuário. Clique no <link> para assistir a transmissão ao vivo da cerimônia.

 

“A festa de Nossa Senhora não é simplesmente religiosa, mas, também, cultural. É isso que celebramos, com o selo comemorativo e a presença de tantas autoridades e da comunidade. A festa tem se tornado um evento evangelizador”, afirma o arcebispo dom Geremias, em discurso no cerimonial. De acordo com ele, é preciso olhar para a história da figura de Nossa Senhora Aparecida, que apareceu em um momento particular de muitas mazelas políticas e sociais. Para o arcebispo, é preciso olhar para Nossa Senhora Aparecida à luz das mazelas do mundo atual e contemporâneo.

 

Além de dom Geremias e do anfitrião, padre Rodolfo Trilstz, pároco e reitor do santuário, estiveram presentes diversas autoridades políticas, como os deputados estaduais Cobra, Evandro Araújo, Márcio Pacheco, Tercílio Turini e Tiago Amaral, o deputado federal Diego Garcia, os vereadores Eduardo Tominaga, Lenir de Assis, Jairo Tamura e Matheus Thum, além do secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Marcio Nunes. E os grandes homenageados do dia, alguns dos pioneiros que ajudaram a construir a história do santuário, sete décadas atrás.

 

Obliteração
Um dos momentos importantes da cerimônia foi o lançamento do selo comemorativo do santuário, com foto do paroquiano Wanderley Tolomi e presença do superintendente dos Correios do Paraná, Paulo Cezar Kremer dos Santos. Os primeiros a realizarem a obliteração do selo foram o arcebispo dom Geremias e o padre Rodolfo. Assim, o selo carimbado ficará guardado no acervo dos Correios e se manterá para a história.

 

Terço personalizado
Para homenagear os pioneiros, o santuário confeccionou terços personalizados com a logomarca do Ano Jubilar, marcando, assim, o período de comemorações. A lembrança foi entregue também às autoridades presentes, algumas das quais receberam uma capelinha em formato da logomarca do santuário. “Este singelo presente é uma maneira de reconhecer o trabalho de nossos pioneiros, sua história e memória, que contribuíram para nos tornarmos quem somos hoje”, ressalta o padre Rodolfo Trisltz.

 

Santuário Nossa Senhora Aparecida de Londrina

Fotos: Wanderley Tolomi

Aproxima-se a festa da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Todos os anos acontece uma enorme movimentação em comunidades, paróquias e dioceses de todo o Brasil ao redor de Nossa Senhora. Destaca-se sempre todo o trabalho de evangelização planejado e executado no Santuário Nacional, em Aparecida (SP). Mas não deixam de ter a sua forte influência as programações locais das inúmeras instituições que a trazem como patrona em todo o território nacional.

 

Recordo, mesmo que brevemente, alguns fatos históricos importantes para o crescimento deste fenômeno no Brasil: Em outubro de 1717, Dom Pedro de Almeida Portugal, Conde de Assumar, indo de São Paulo para tomar posse como governador nas Minas Gerais, fez uma parada em Guaratinguetá (SP). A Câmara Municipal quis oferecer um grande banquete ao ilustre visitante. E convocou todos os pescadores para que apanhassem toda sorte de peixes que encontrassem. Três desses pescadores eram Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso. Eles que, naquela escassez de peixes, pescaram primeiro o corpo da santa e depois a cabeça da mesma imagem. Em seguida a pesca tornou-se evidentemente milagrosa, enchendo as redes e o barco. Na sala dos milagres chama a atenção um grande ex-voto pelo milagre da libertação de alguns escravos.

 

Há muitas outras narrativas relacionadas à libertação de negros escravos, proteção de pobres trabalhadores, conversões, valorizando e dando destaque para a cor da imagem, o tempo da escravidão, a opressão política e econômica. Certamente que a ligação umbilical com este tempo difícil e triste da história do Brasil abre espaço para reflexões bem pertinentes na realidade que hoje vivemos: a cultura urbana com suas mazelas em todas as áreas; as dificuldades econômicas que se abatem sobre o nosso povo; perda de direitos; desemprego; precarização do trabalho; presença, ainda, de trabalho escravo; falta de moradia; os problemas enfrentados por indígenas, quilombolas e ribeirinhos, etc. Acontece, assim, um grande evento de evangelização do povo e da cultura brasileira.

 

O Santuário de Nossa Senhora Aparecida do Norte do Paraná, na Vila Nova em Londrina, inaugura no dia 1º de outubro de 2021 o seu Ano Jubilar, que dará início a uma série de comemorações e celebrações pelos seus 70 anos como paróquia e 25 anos como santuário. Será um ano com diversas e intensas atividades pastorais e que envolverão a cidade toda: lançamento de selo comemorativo, apresentações artísticas e culturais, realização de celebrações e a grande Festa da Padroeira, celebrada todo dia 12 de outubro. A comemoração final do jubileu será no dia 12 de outubro de 2022. 

 

Informações fornecidas pela secretaria do santuário indicam que ele é considerado a “segunda paróquia de Londrina, criada apenas em seguida à Igreja Matriz, hoje Catedral Metropolitana de Londrina”. Diz a história e o relato de pioneiros que “Benjamin Nalin, morador do recém-inaugurado bairro Vila Nova, construiu uma capela em honra a Nossa Senhora Aparecida. Isso porque uma das filhas havia ficado doente e, se ela melhorasse, ele teria prometido que ergueria a capela para a comunidade rezar o terço, em um de seus terrenos no bairro”. 

 

Foi o que aconteceu, em maio de 1940. Dizem que Benjamin Nalin “foi até o Santuário Nacional de Aparecida comprar a imagem da padroeira para ornar o espaço”. Em abril de 1943 formou-se a primeira comissão para a construção da primeira igreja, que substituiria a primeira capela. Em 26 de fevereiro de 1952 chegou o primeiro padre, Beno Wernner, designado ainda pela Diocese de Jacarezinho para assumir como Vigário da Vila Casoni, um bairro ao lado, mais antigo. A posse do novo padre na nova paróquia foi no dia 1º de março de 1952. Dali por diante, o crescimento da comunidade se confunde com o desenvolvimento do bairro, da região e da cidade. Certamente que, além de uma história linda, permanecem muitos desafios a serem vencidos. 

 

Dado o avanço da pandemia e, com ela, a crise humanitária que se aprofundou, o Santuário se tornou uma referência de atendimento não apenas de fé, mas de assistência a pessoas necessitadas, especialmente a moradores de rua. Há dois grandes obstáculos a serem vencidos: a limitação de recursos, já que as obras assistenciais são realizadas através de doações de empresas e de paroquianos e a falta de espaço, que impede o Santuário de ampliar ainda mais o atendimento. Com espaço maior é possível dedicar-se mais à saúde, à pessoa idosa, às pessoas de rua, à Pastoral da Criança e aos Vicentinos, etc. Que Nossa Senhora Aparecida indique caminhos para a concretização da fé nas nossas comunidades.

Dom Geremias Steinmetz
Arcebispo de Londrina

 

Artigo publicado na Revista Comunidade edição outubro 2021
Foto destaque: Pascom Santuário Nossa Senhora Aparecida

 

 

Direto da Gruta de Lourdes, nos Jardins Vaticanos, o Papa Francisco rezará o Terço na conclusão do mês mariano para pedir a consolação de Nossa Senhora para enfrentar a pandemia.

 

No próximo dia 30 de maio, os católicos têm um encontro marcado com o Papa Francisco.

 

No encerramento do mês mariano, como é tradição, o Papa rezará o terço nos Jardins Vaticanos às 17h30 locais (12h30 em Brasília). Mas, desta vez, o evento será transmitido em streaming, com comentários em português, diretamente da Gruta de Lourdes. A duração prevista é de uma hora.

 

Os fiéis rezarão para pedir o auxílio e o consolo de Nossa Senhora para enfrentar a pandemia do coronavírus, inspirados pelo trecho dos Atos dos Apóstolos 1,14 “Todos se uniram constantemente em oração, juntamente com Maria”.

 

As dezenas serão rezadas por homens e mulheres representando as várias realidades tocadas pelo vírus: um médico, uma enfermeira, um paciente curado, uma pessoa que perdeu um familiar, um sacerdote, um capelão hospitalar, um farmacêutico, uma freira enfermeira, um representante da Defesa Civil, uma família cujo filho nasceu em meio à pandemia.

 

Adesão dos santuários

A iniciativa é do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. O presidente, Dom Rino Fisichella, escreve:

“Aos pés de Maria, o Papa Francisco depositará as aflições e as dores da humanidade, ulteriormente agravadas pela difusão da Covid-19.”

 

Para o Arcebispo, trata-se de mais um “sinal de proximidade e de consolação para aqueles que, de algum modo, foram atingidos pelo vírus, na certeza de que a Mãe Celeste não desatende os pedidos de proteção”.

 

Santuários dos cinco continentes já deram sua adesão: Lourdes, Pompeia, Fátima, Częstochowa. Na América Latina, Guadalupe e Luján, entre outros. O Santuário de Aparecida também confirmou sua participação.

 

O evento poderá se seguido através do site e das redes sociais do Vatican News.

Bianca Fraccalvieri
Cidade do Vaticano

 

A Congregação das Irmãs Claretianas convida para palestra sobre a causa de beatificação da Madre Leônia, com a irmã Terezinha Almeida, postuladora da causa da serva de Deus em Roma. Será no dia 14 de março, sábado, das 8h30 às 10h30 no Santuário Eucarístico Mariano (Av. Me. Leônia Milito, 575).

 

Ela vai falar um pouco do perfil teológico de Madre Leônia Milito, como está o processo no Vaticano e responder às perguntas de interesse dos participantes.

70 anos em saída, ao encontro de famílias, prisões, hospitais, escolas

 

Você conhece a imagem da Mãe Peregrina? Ela vai ao encontro dos mais necessitados por mais de 200 países, em um projeto que surgiu aqui no Brasil. A imagem da Mãe e Rainha de Schoenstatt visita famílias, presídios, hospitais, escolas e todos os lugares onde seus filhos estão, há 69 anos. Quem deu os primeiros passos com essa imagem foi João Luiz Pozzobon, um brasileiro, diácono e pai de família, que atualmente tem seu processo de beatificação aprovado em sua arquidiocese e em análise pelo Vaticano.

 

Cerca de 16 milhões de brasileiros recebem a visita da Mãe Peregrina de Schoenstatt todos os meses – o que representa 13,6% dos católicos em nossa pátria e, incluído nisso, também estão muitos que não são católicos e a acolhem em seus lares.

 

A gratidão a Deus, pelas maravilhas realizadas nos 70 anos da Campanha da Mãe Peregrina e pela vida exemplar de seu iniciador, faz o Movimento Apostólico de Schoenstatt abrir, no Brasil, no dia 10 de setembro de 2019, o ‘ANO JOÃO POZZOBON’. Em Londrina haverá missa no Santuário no dia 29 de setembro às 16h.

 

Um humilde instrumento

Ao falar sobre João Luiz Pozzobon, recordamos a vida e a missão de um homem simples, semianalfabeto, mas que conquistou o mundo por seu exemplo de profissional, esposo, pai e apóstolo cristão comprometido com os mais necessitados. Partindo do Santuário da Mãe e Rainha, João caminhou 140 mil quilômetros com a imagem de Nossa Senhora, levando as graças de Deus, por meio de sua “Peregrina Original”. Assim, ele ampliou o espaço do Santuário, fazendo dele um lar espiritual para uma multidão de pessoas.

 

Causa de beatificação

O Diretor Nacional do Movimento Apostólico de Schoenstatt, Pe. Ivan Simicic, comenta sobre a beatificação do Servo de Deus João Pozzobon: “Sua causa de canonização encontra-se em fase adiantada em Roma e esperamos que, muito em breve, como primeiro membro da família de Schoenstatt do Brasil, seja elevado à honra dos altares. O Ano João Pozzobon nos desafia a colaborar e participar deste processo”.

 

Ações missionárias

Durante todo o mês de setembro, muitas paróquias e dioceses do Brasil fazem a abertura solene do ano jubilar da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt. O lema para esse ano foi tomado do “testamento espiritual” do Servo de Deus João Pozzobon: “Entendi a missão e por ela minha entrega foi total”.

 

A Campanha da Mãe Peregrina está presente em quase todas as dioceses do Brasil e quer contribuir com a Igreja nas suas ações missionárias. Em todo o território nacional, são mais de 140 mil imagens peregrinas da Mãe e Rainha de Schoenstatt conduzidas aos mais diversos lugares, por meio dos leigos de todas as idades, ajudando a Igreja a estar sempre no meio do povo. Há 69 anos, é a expressão viva de uma ‘Igreja em Saída’, como pede o Papa Francisco.

 

Para mais informações sobre o Ano João Pozzobon acesse: http://www.maeperegrina.org.br/noticias/brasil-vivera-um-ano-joao-pozzobon/
https://youtu.be/is3dr8HVEuU

 

Juliana Dorigo
Santuário de Schoenstatt

 

dom geremias visita igreja dos surdos
Dom Geremias incensa a imagem de Nossa Senhora do Silêncio

No dia 18 de novembro, Dom Geremias Steinmetz celebrou uma missa na Igreja Nossa Senhora do Silêncio que fica no Jardim Boa Vista em Londrina e teve como concelebrantes os padres da congregação Pequena Missão para Surdos (PMS) que levam a frente essa igreja.

Este foi o primeiro contato do arcebispo com a comunidade. Os surdos e seus familiares lotaram a igreja ainda em construção. Dom Geremias foi acolhido por um surdo que através da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) manifestou a alegria em acolhê-lo na comunidade.

A Igreja Nossa Senhora do Silêncio é a primeira igreja desenvolvida para os surdos do mundo, toda a estrutura foi planejada com a ajuda deles. Entre todos os detalhes tem até piso vibratório para que possam sentir a música.

Tiago Queiroz
PASCOM Arquidiocesana

Fotos:  Lorena Zampar

[dropcap]O[/dropcap] Santuário Nossa Senhora Aparecida de Londrina esteve lotado na missa das 19 horas do sábado (19/8) para a celebração da solenidade da Assunção de Maria e o encerramento da Semana da Família. A santa missa foi presidida pelo Arcebispo de Londrina, dom Geremias Steinmetz , e concelebrada pelos padres Vandemir Araujo, pároco do Santuário e Carlos Shimura, vigário.

Padre Vandemir deu as boas vindas a dom Geremias que pela primeira vez celebrou no Santuário. O arcebispo iniciou sua  homilia dizendo da “alegria de poder  estar aqui num Santuário… e num Santuário  as pessoas tem que viver a fé  e sentir que a Palavra de Deus deve ressoar para que a fé e a devoção a Nossa Senhora tenha o verdadeiro sentido.”

Sobre a festa mariana celebrada no dia, disse: “E hoje  celebramos a assunção de Nossa Senhora ao céu.  Este é um dogma que foi definido como verdade de fé pelo papa Pio XII em 1950. Precisou ser declarado como dogma para ser incorporado na fé de cristãos e na fé dos católicos.  Desde os primeiros séculos da história da igreja falava-se não em assunção de Nossa Senhora ao céu mas usava-se o termo “dormição”  de Maria.  Nunca se usou a palavra morte para  Nossa Senhora,  mas o termo “dormição”.  Nossa Senhora teria dormido e foi levada ao céu em corpo e alma.  E  este é o mistério de nossa fé.  Para compreender isso temos que compreender que Nossa Senhora foi alguém  escolhida a dedo por Deus,  foi escolhida de acordo com o seu gosto, seu  amor e sua misericórdia.”

Dom Geremias ressaltou ainda que “Maria está  no coração de seu povo e as pessoas a conhecem com outros nomes como  Nossa Senhora Aparecida, de Lourdes, de Fátima. Nossa Senhora de tantos nomes,  sinal que está no coração do povo e é uma ajuda e conforto para as nossas famílias”.

Sobre a família ele ressaltou que “a família é um dom de Deus para a humanidade e para a igreja.  É  na família onde a  gente aprende a compreender as necessidades, a doar-se, a ser bondoso, a  ser caridoso,  a ser  misericordioso. É na família que vivemos a alegria do amor. É aquele lugarzinho onde a gente é amado”.

Ao final da missa houve o sorteio da imagem da sagrada família que, durante a semana , sempre após as missas, esteve em uma família contemplada. O contemplado com a imagem para ficar com ela em definitivo foi Edgar Tomita, membro do grupo de Adolescentes Rocha da Salvação.

Wanderley Tolomi
PASCOM Santuário Nossa Senhora Aparecida

Fotos: Carlos Eduardo de Oliveira