Na noite dessa segunda-feira (11/7), a Catedral de Londrina acolheu peregrinos de todo o país para a Missa de Abertura do 35º Simpósio da Sociedade Brasileira de Canonistas e 38º Encontro dos Servidores dos Tribunais Eclesiásticos do Brasil. A celebração foi presidida pelo arcebispo dom Geremias Steinmetz e concelebrada por dom Valdir Mamede, bispo de Catanduva, dom Hugo Cleilton da Silva Cavalcante, OSB, secretário da Sociedade Brasileira de Canonistas, padre José Rezende, vice-presidente da sociedade e demais padres. A missa contou com a presença da Dra. Sueli Almeida de Oliveira, notária do Tribunal Eclesiástico de Londrina e presidente da sociedade.

O encontro está sendo realizado de 11 a 15 de julho, em Londrina, com o tema: “A sinodalidade na Igreja, Cúria diocesana, processos especiais e atualizações do Corpus Iuris Canonici”, e reúne canonistas, estudantes, professores e servidores dos Tribunais Eclesiásticos de todo Brasil. O último encontro foi em 2019 em Foz do Iguaçu (PR). Na missa, dom Geremias acolheu os participantes do encontro. “Bom trabalho, bom proveito, que daqui possam sair mais sábios para o trabalho que realizam nos vários cantos do nosso país.”

Dra. Sueli, como presidente da Sociedade Brasileira de Canonistas, também acolheu os participantes e relembrou tantas pessoas e amigos que faleceram desde o último encontro em 2019. Ela destacou que o que faz a Sociedade de Canonistas são todos os que participam: “a Sociedade Brasileira de Canonistas só existe por causa de cada um de vocês que comparece aos nossos encontros e faz com que ela esteja presente em cada uma das dioceses, nos mais longínquos lugares, principalmente através da sua atuação nos Tribunais Eclesiásticos do Brasil.”

Pascom Arquidiocesana

Fotos: Terumi Sakai

Depois de um tempo de dispersão provocada pela pandemia, atravessamos um tempo histórico em que é necessário focalizar nossa ação evangelizadora e formação dos grupos bíblicos de reflexão. A Palavra de Deus anima a vida da Igreja e nos conduz pelos caminhos de discipulado. Com esse espírito de alegria, entusiasmo e animação pela volta dos grandes encontros, os Grupos Bíblicos de Reflexão (GBR) tiveram um momento de formação, tendo como assessor o frei Ildo Perondi no domingo, 3 de julho.

O encontro convocou mais de 600 pessoas dos diversos decanatos da Arquidiocese de Londrina e foi realizado na Paróquia Nossa Senhora Rainha do Universo, Decanato Centro. O tema de estudo e reflexão foi: “A sabedoria do povo de Deus na Bíblia”, fundamentada nos livros sapienciais, que ensinam ao povo viver com sabedoria para viver bem! Pessoa sábia é aquela que procura encontrar o caminho da sabedoria, do viver de acordo com o senso das coisas, segundo a verdade e o bem. É isso que permite que alguém possa viver bem e feliz a sua existência. Vamos retomar a missão dos GBR com a sabedoria do povo de Israel que volta a viver depois do exílio.

Ir. Maria Fernanda Godoy, MC
Coordenadora Arquidiocesana do GBR

Fotos: Marilene Maria de Souza

A Arquidiocese de Londrina foi representada no encontro pelos padres André Luiz de Oliveira, José Onero dos Santos, Luiz Laudino e Laurindo Lopes da Silva

Cerca de 532 presbíteros de todas as dioceses do Brasil estiveram reunidos no Santuário Nacional, em Aparecida (SP), nos dias 9 a 14 de maio, para participar do 18º Encontro Nacional de Presbíteros, assessorado pelo padre Rosimar José de Lima Dias e por dom Joel Portella Amado, secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Na ocasião, eles refletiram sobre o tema “Presbíteros: Comunhão e Missão” e puderam rezar, conviver, refletir e experimentar a alegria de ser presbíteros/discípulos do Senhor, em comunhão e missão.

“Apareceram palavras como: eclesiologia de comunhão, sinodalidade, igreja particular, presbitério, espiritualidade, santidade, evangelização, testemunho, cuidado e anúncio do Reino”, diz um trecho da carta divulgada no final do encontro.

Durante os dias de encontro, os presbíteros puderam refletir sobre o momento de crise da pandemia, com desafios que afetam os âmbitos da política, economia, meios de comunicação, vida social, moral e ética. “Notou-se que há uma certa descrença da parte do povo brasileiro nas ciências, lideranças e instituições. Constatamos que muitos presbíteros, bispos, familiares e paroquianos morreram afetados pelo coronavírus e rezamos por eles”.

Tocados pelo processo do Sínodo dos Bispos de 2023, os presbíteros reafirmaram a fidelidade ao Magistério da Igreja na pessoa do Papa Francisco, na teologia bíblico-patrística, na eclesiologia do Concílio Vaticano II, na Teologia da Conferência Geral do Episcopado Latino Americano e Caribenho e nas orientações doutrinais e pastorais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, para “vencermos o personalismo, o clericalismo e o isolamento pelo cultivo da comunhão, participação e missão”.

“Aqui, da Casa da Palavra, Casa da Mãe Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, Santuário dos romeiros e peregrinos, nós, presbíteros da Igreja no Brasil, no empenho de ouvir cada vez melhor o chamado do Senhor ‘vinde!’, somos enviados em missão junto ao rebanho a nós confiado. Maria, Mãe Aparecida, nos ajude! Inspire-nos o testemunho de São João Maria Vianney, nosso patrono. Amém.”

CNBB

A Arquidiocese de Londrina foi representada pelos padres Luiz Laudino, José Onero, André Luiz Oliveira e Laurindo Lopes

O último dia de encontro dos padres coordenadores diocesanos da Ação Evangelizadora do Paraná, neste 11 de maio, começou com a missa presidida pelo bispo de Guarapuava (PR) e secretário do Regional Sul 2 da CNBB, dom Amilton Manoel da Silva, ladeado pelo padre Érico Gabriel Gurkowski, da Diocese de Guarapuava, e pelo padre Paulo Alves Martins, da Diocese de Paranavaí (PR). A Arquidiocese de Londrina foi representada pelo padre Alexandre Alves Filho e o arcebispo dom Geremias Steinmetz participou com uma palestra sobre a Assembleia Eclesial Latino-Americana.

Ao longo da última manhã de trabalhos, os padres trataram sobre Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), a Pastoral da Escuta, a Cartilha de Orientação Política 2022, a capelania hospitalar e a Pastoral Catequética com foco na Iniciação à Vida Cristã.

De forma geral, a avaliação final dos padres sobre o encontro foi muito positiva. Eles destacaram a volta do encontro presencial como um dos fatores mais importantes para ajudar a refletir sobre a evangelização.

Para o padre Anderson Ulatoski, da Diocese de Paranaguá (PR), que participa pela primeira vez do encontro, o mais importante foi a experiência da fraternidade. “Houve muita participação, com um clima leve e de respeito mútuo. Também, evidentemente, trabalhamos muito discorrendo em todos os temas da pauta. Sendo a primeira vez que participo, me senti muito bem e acolhido e, principalmente, senti que somos um grupo que tem coesão no trabalho pastoral, temos sonhos e projetos em comum”, disse padre Anderson.

Para o padre Alexandre dos Anjos Filho, da Arquidiocese de Londrina (PR), que está na coordenação diocesana da ação evangelizadora desde 2019, o encontro teve o anseio de reconstruir. “Nós viemos de um período em que as nossas lideranças ainda não voltaram totalmente para a pastoral e estão surgindo lideranças novas. Mas nós não vamos começar do zero, temos que dar continuidade nos trabalhos que foram interrompidos por conta da pandemia, porém, agregando as pessoas que estão chegando para que elas tenham essa cidadania eclesial e estejam conosco para dar continuidade aos projetos”, disse padre Alexandre. Quanto aos temas abordados no encontro, o sacerdote afirmou que também foram temas de reconstrução daquilo que já existia e daquilo que precisa ser fortalecido.

O secretário executivo da CNBB Sul 2, padre Valdecir Badzinski, que coordenou o encontro junto com dom Amilton, disse que foi ocasião para fortalecer a convivência, o conhecimento e os direcionamentos para a ação evangelizadora em cada uma das dioceses. “Esse encontro tem uma importância muito grande para estudos, avaliações, atualizações de temas relevantes nas ações da Igreja em cada uma das dioceses do Paraná. Especialmente nesse tempo, que podemos chamar de pós pandemia, muita coisa precisa se adaptar e se renovar para atender as demandas e as necessidades das comunidades. Dessa forma, tratamos de temas atuais, à luz das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da CNBB 2019-2023, em vista do fortalecimento da ação evangelizadora em nossas dioceses”, disse padre Valdecir.

Encontro dos Padres Coordenadores da Ação Evangelizadora

Os padres coordenadores diocesanos da Ação Evangelizadora no Paraná estiveram reunidos do dia 9 ao dia 11 de maio, no Seminário Santo Agostinho, em Maringá (PR), para um encontro de estudos e encaminhamentos. O encontro contou com a participação de 23 padres e foi coordenado pelo bispo de Guarapuava (PR) e secretário da CNBB Sul 2, dom Amilton Manoel da Silva, e pelo secretário executivo da CNBB Sul 2, padre Valdecir Badzinski.

Após dois anos de restrições devido à pandemia, nos quais foram possíveis somente encontros remotos, o grupo se reuniu presencialmente, colocando como primeiro trabalho da pauta uma partilha pessoal e pastoral. Dom Amilton afirmou que, depois desse tempo sem a proximidade do encontro, foi muito importante dedicar essa tarde para ouvir como cada padre está se sentindo pessoalmente e com relação à evangelização.

“Percebemos que há um esforço grande dos padres nesse retorno da pandemia, assim como há uma resposta bonita do nosso povo. O povo não está voltando apenas à forma presencial, o povo está voltando com muita expectativa, com muito desejo do novo nesse período que podemos chamar de pós pandemia, e há uma esperança estampada em cada ação e em cada gesto que eles têm feito. Isso está motivando os padres”, disse dom Amilton.

Karina de Carvalho
Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2

Depois de dois anos de distanciamento, uma ação necessária para nos reconectar com Deus e com o próximo

A pandemia da COVID-19 trouxe inúmeras restrições e adaptações em todos os aspectos da sociedade. Não foi diferente nas igrejas. Missas e reuniões apenas on-line, comunhão espiritual, suspensão de atendimentos e atividades paroquiais e pastorais, enfim, muitas interrupções. Tivemos como aliada nestes tempos difíceis, a tecnologia. Com ela pudemos estar “perto”, de alguma forma, das celebrações e atividades realizadas em nossas paróquias, como as lives, terços, formações e novenas. A Igreja se fez nas casas, e sim, foram momentos de união e de exaltação da fé. Essa realidade tecnológica deverá permanecer e continuar a enriquecer nossa caminhada, mas se faz necessário voltar.

É nos encontrando com os irmãos, escutando a palavra, na graça da reconciliação, refletindo a homilia e recebendo a Eucaristia que mantemos o coração aquecido no amor do Senhor. Foi Deus quem nos sustentou nesses tempos desafiadores e agora nos alegramos em poder retomar às atividades tão necessárias em nossas comunidades. Estamos vivendo um tempo especial em nossa Igreja, o Tempo Pascal, e acabamos de viver a Páscoa do Senhor, que, após dois anos, tivemos a alegria de participar das programações tradicionais em comunidade.

Para o frei Wainer Queiroz, FMM, pároco da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, no Decanato Oeste, o Tempo Quaresmal fez ressoar um forte convite: “Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração…” (Jl 2, 12). “Urge refletir dois aspectos dessa convocação do Senhor, desse VOLTAR. Primeiramente, o apelo que é próprio da Quaresma, voltar para o Senhor de todo coração, com as práticas quaresmais, jejuns, orações, esmolas e todos os exercícios benéficos para a nossa conversão.” O frei cita o exemplo das procissões de penitência, vias-sacras, que neste ano foram possíveis devido à baixa da pandemia.

Frei Wainer ainda chama a atenção para outro aspecto a ser refletido, “voltai para mim…” diz a Palavra de Deus, “seria um voltar não só de coração, mas, também fisicamente. Com a pandemia, tivemos que praticar o distanciamento social, que em muitos casos se transformou num verdadeiro isolamento social-comunitário.” Esse isolamento pode ter gerado uma reaproximação do núcleo familiar, mas causou um distanciamento e uma certa indiferença pelo outro que não fazia parte do núcleo familiar, causado pelas precauções e cuidados que deveriam ser tomados para com a COVID-19.

“O distanciar-se do outro, estabelecendo um fechamento e uma restrição ao pequeno grupo de relacionamentos presenciais, esse fechamento precisa ser superado nesse momento de retorno. É necessário se abrir ao próximo. Retornar às atividades gerais e também retornar à Igreja, já estamos percebendo a possibilidade concreta de um voltar a participar das missas, dos encontros, da vida cotidiana da comunidade de modo presencial; na alegria de reencontrar o irmão de comunidade”, reforça o frei. 

Como bem conhecemos a parábola do filho pródigo em Lc 15,11-32, podemos nos reconhecer nesse filho, claro que por motivos distintos, mas o Pai nunca nos abandonou, entendeu as nossas razões, ouviu nossas angústias e pedidos e agora nos espera ansioso de braços abertos. Cuidemos do nosso coração e não nos acomodemos, um cristão não pode se acomodar. Assim como precisamos continuar cuidando da nossa saúde, do trabalho, das pessoas que amamos, é necessário cuidar da nossa espiritualidade, nos reconectar com a mãe Igreja, tão rica nos ensinamentos que nos aproxima do plano de Deus.

Segundo o frei, a comunidade paroquial é um elo de comunhão e de ligação com Deus. Na comunidade reunida encontramos com o Senhor e com os irmãos de caminhada em direção a Deus. “Parece urgente retornar. É tempo de se encher de esperança, retomar as reuniões pastorais, projetos suspensos e olhar o próximo. Tudo com amor, com a certeza em Jesus de que novas coisas têm o Senhor para nós.”

E você, pronto para voltar ao encontro do Senhor?

Gisely Siena Leite
Pascom Arquidiocesana

Foto: Terumi Sakai

A Animação Bíblico-catequética da arquidiocese convida os coordenadores paroquiais da catequese para participarem do encontro de formação no dia 19 de fevereiro.

Com o objetivo de reanimar a caminhada, fortalecer o ministério da coordenação, buscar esclarecer, dar segurança e unidade no Itinerário catequético da nossa Arquidiocese de Londrina, a formação inicia os trabalhos deste ano de 2022.

Venha participar conosco!

 

 

 

O arcebispo dom Geremias e cerca de 15 padres da arquidiocese participaram do encontro que tratou, entre outros assuntos, da unidade e da missão presbiteral

 

Ao longo dos dias 23 a 27 de agosto, foi realizado o Encontro Regional de Presbíteros (CRP) do Paraná. Pela primeira vez, o encontro anual foi realizado de forma on-line e contou com a participação de cerca de 150 padres de todas as dioceses do Paraná. O tema do encontro, assessorado pelo padre Jésus Benedito dos Santos, da Arquidiocese de Pouso Alegre (MG), foi “Presbíteros: comunhão e missão”. 

 

Apenas a presidência da Comissão Regional de Presbíteros (CRP) esteve reunida, presencialmente, na sede do Regional Sul 2 da CNBB, em Curitiba (PR), de onde conduziu o encontro. O bispo referencial para os presbíteros do Paraná, dom Walter Jorge Pinto, participou de todo o encontro e, na quinta-feira, 26 de agosto, conduziu um dia de retiro e espiritualidade para os padres. 

Em 2020, por causa da pandemia, pela primeira vez na caminhada da comissão, o encontro não foi realizado. “Este ano, decidimos pela modalidade on-line, que nos possibilitou, mesmo distantes, sentirmo-nos próximos uns aos outros. O mundo mudou, é um novo normal, então nós não estamos olhando para as dificuldades, mas apenas para as possibilidades que essa forma remota nos trouxe”, afirmou padre Emerson Lipinski, presidente da CRP.

Ao chegar no último dia do encontro, padre Emerson avaliou que este foi muito positivo, porém, espera que no próximo ano ele volte a ser presencial: “Estamos contentes, mas projetando que, em 2022, na Diocese de Umuarama (PR), pela graça de Deus, vacinados, nós possamos nos reunir presencialmente”.

 

Arquidiocese de Londrina

Na arquidiocese, cerca de 15 padres e o arcebispo dom Geremias Steinmetz participaram do encontro. Na quinta-feira, a oração da manhã foi conduzida por dois padres de Londrina: padre Rodolfo Trilstz, assessor da Pastoral da Música e pároco do Santuário Nossa Senhora Aparecida, Decanato Leste, e padre Laurindo Lopes da Silva, pároco da Paróquia Santa Mônica, Decanato Norte, e da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Decanato Leste.

 

Padre Laurindo destaca a abordagem do padre Jésus Benedito dos Santos sobre a temática dos dois primeiros dias: o presbítero e a comunhão presbiteral; e o presbítero e a missão presbiteral. “Assunto de importância entre nós, sacerdotes, pois mesmo diante da correria do dia-dia, temos que estabelecer uma comunhão no presbitério”, observa. “O Papa Francisco tem nos falado da necessidade de termos o ‘cheiro de ovelhas’ e também nos convidado a reconhecer os sofrimentos do nosso tempo em nosso próprio coração e a tornar esse reconhecimento ponto de partida para o serviço e a missão na Igreja em saída. Sabe-se que não é fácil abraçar essa proposta como ‘caminho de Deus’, tendo a coragem moral e a força espiritual para levar avante essa empreitada. Vivenciar uma Igreja em saída”, enfatiza o padre.

 

No terceiro dia, dom Walter Jorge, bispo de Diocese de União da Vitória e referencial da Pastoral Presbiteral, conduziu um momento de espiritualidade. “Momento importante para nossa caminhada, pois em meio a uma vida agitada, precisamos parar e “subir na montanha” para rezarmos.”

 

No último dia, o encontro abordou o cuidado na vida do ministro ordenado, especificamente sobre o tema do suicídio, um assunto delicado mas que precisa ser tratado pelos presbíteros.  “Aqui fica o apelo aos nossos leigos e leigas: rezem pelos seus sacerdotes, os ajudem em oração e presença. Precisamos de vossas orações”, finaliza.

 

Construção do estatuto da Comissão Regional de Presbíteros

Durante a semana do Encontro Regional de Presbíteros, os padres da presidência, no período da tarde, dedicaram-se a formulação de um Estatuto para a CRP. Auxiliados pelo padre Fabiano Dias Pinto, canonista da Arquidiocese de Curitiba (PR), os padres dedicaram-se à reflexão, estudo e escrita deste documento que deve orientar a missão da Comissão. Segundo o padre Ivanildo Gasparin, vice-secretário da CRP, após esse trabalho de redação, o documento será submetido aos bispos para o parecer final e aprovação. “Esse estatuto é necessário para que possamos delinear a trabalho da CRP, a missão do coordenador e da presidência, a fim de que possamos caminhar em unidade com a Igreja e com o presbitério”, afirmou padre Ivanildo. 

 

Karina de Carvalho (CNBB Sul) 2 e Pascom Arquidiocesana

Fotos: Divulgação

 

Na noite dessa quinta-feira, 25 de fevereiro, coordenadores diocesanos da Pastoral da Comunicação de 17 Arqui/Dioceses do Paraná, reuniram-se, por meio da plataforma Zoom, para um encontro com a coordenação do regional e o bispo referencial, Dom Mário Spaki, bispo de Paranavaí (PR). O encontro que, anualmente, acontece durante um final de semana de fevereiro ou março, este ano, devido à pandemia, precisou ser adaptado e transcorreu ao longo de uma hora e 20 minutos, com a participação de 40 pessoas.

 

Dom Mário Spaki abriu o encontro com a oração de uma dezena do rosário pelas vocações e também pedindo pelos doentes e as famílias das vítimas da pandemia do Coronavírus. Em seguida, houve um breve momento de apresentação dos participantes e a partilha da Pascom da Arquidiocese de Cascavel (PR) que, neste ano de pandemia, conseguiu dar passos significativos na organização da pastoral.

 

O momento formativo foi conduzido por Dom Mário Spaki, que tratou sobre os desafios da Pascom. O bispo recordou a mensagem do Papa Francisco para o 55° Dia Mundial das Comunicações Sociais: «“Vem e verás” (Jo 1, 46). Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são», e falou da necessidade de “gastar a sola do sapato”, de sair ao encontro das pessoas para contar suas histórias de vida. Ainda destacou a importância de “comunicar para a própria gente”, buscar notícias da própria paróquia e não notícias de fora que visam apenas visualizações e likes. “O nosso objetivo é comunicar para a própria gente e não fazer uma comunicação só com coisas produzidas no computador, mas ir ao encontro, aquilo que o Papa está nos desafiando”, disse Dom Mário.

 

Durante o encontro, também foi tratado sobre os Prêmios de comunicação da CNBB, incentivando os coordenadores que tiverem trabalhos que se encaixem nos critérios a se inscreverem, dado que, neste ano, há uma categoria para “práticas e experiências da Pastoral da Comunicação”. Além disso, foi lembrado que está aberto o concurso para o cartaz do 55° Dia Mundial das Comunicações que, em 2020, foi vencido pelo jovem Everton Lucas de Oliveira, da Paróquia Menino Jesus, de Reserva (PR), diocese de Ponta Grossa (PR).

 

Tiago Queiroz, membro da coordenação regional, propôs aos coordenadores a realização de formações online, mensais, ao longo do ano, deixando livre aos próprios coordenadores para apresentar temas de interesse e já sugerindo alguns por meio de uma enquete. Dentre os assuntos apresentados na enquete, a “Teologia da Comunicação e a espiritualidade do agente da comunicação”, foi apontado por mais de 50% dos participantes. A organização e agenda desses encontros será preparada, em breve, pela coordenação da Pascom regional.

 

Ao final de encontro, o secretário executivo da CNBB Sul 2, Padre Valdecir Badzinski, deu uma palavra de agradecimento pela organização do encontro e por todo trabalho realizado pela Pascom nas dioceses. Recordou da extensão e do potencial do trabalho em rede que a Igreja possui na comunicação, devido a sua capilaridade, e que isso precisa ser bem aproveitado e articulado pela Pascom.

Com a oração do comunicador, conduzida pelo assessor eclesiástico, Padre Valdecir Bressani, o encontro foi concluído.

Karina de Carvalho
Assessora da Comunicação da CNBB Sul 2

Coordenadores da Pascom das 18 dioceses do Paraná se encontram em Londrina para articular a comunicação do Regional Sul 2 da CNBB

 

No fim de semana, dias 6, 7 e 8 de março, a Arquidiocese de Londrina reúne comunicadores e coordenadores da Pastoral da Comunicação (Pascom) de todo Paraná para o 10º Encontro Regional de Coordenadores Diocesanos da Pastoral da Comunicação, Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O encontro será na Casa de Retiros Emaús (Rua Domingos Massarutti, 100).

 

Antonio Kayser, coordenador da Pastoral da Comunicação do Regional Sul 2 da CNBB (Foto arquivo)

Para o coordenador regional da Pascom, Antônio Kayser, da Arquidiocese de Curitiba, o encontro é um marco histórico na comunicação do Paraná, pois pela primeira vez tem a presença de todas as 18 dioceses do Paraná. “É um reflexo que nossa Igreja está preocupada com os destinos da comunicação e necessita de orientações e direcionamentos para melhor avaliar os processos comunicacionais e também se atualizar com as novas formas e meios de comunicação”, explica Kayser.

 

Além da parte formativa, o evento tem o objetivo de articular os trabalhos de comunicação realizados no regional e dioceses do Paraná. Por isso, participam representantes de todas as 18 dioceses do Regional Sul 2, que, no domingo, realizam uma assembleia para discutir o andamento da Pascom nas dioceses.

 

O arcebispo de Londrina e presidente do Regional Sul 2 da CNBB, dom Geremias Steinmetz, e o bispo de Paranavaí, dom Mário Spaki, vão explanar aos participantes sobre a Visita Ad Limina Apostolorum, realizada pelos bispos do Paraná a Roma de 17 a 27 de fevereiro, com destaque para a Comunicação do Vaticano. 

 

As formações abordam os desafios da comunicação contemporânea e serão ministradas pelos professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) dra. Flora Neves Souza e dr. Reinaldo César Zanardi; pelo assessor eclesiástico da Pascom no Regional Sul 2, padre Valdecir Bressani, da Diocese de Palmas-Francisco Beltrão; e pela empresária e bacharel em Gestão de Informação, Vanessa Borges de Matos.

Juliana Mastelini Moyses
PASCOM Arquidiocesana