“O tempo de visita pastoral é uma injeção de ânimo na comunidade, para que continuem tantos processos bonitos e, se for o caso, criem outros meios para que a evangelização continue.” Dom Geremias (Foto Tiago Queiroz)

O arcebispo dom Geremias Steinmetz iniciou, na última semana, sua visita pastoral à cidade de Ibiporã. A visita será realizada em três etapas: durante três finais de semana o arcebispo percorrerá o território das paróquias da cidade: Nossa Senhora da Paz, Nossa Senhora das Graças e São Rafael, visitando também instituições civis de Ibiporã. Nos dias 12, 13 e 14; 19, 20 e 21; e 26, 27 e 28 de maio.

Dom Geremias abriu a visita no dia 12, marcando presença na prefeitura, acompanhado dos párocos José Luiz Primão, Paulo Ricardo Batista e Regan Gomes. Durante o dia também visitou APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Ibiporã), o Fórum, o Frigorífico Rainha da Paz e celebrou a Santa Missa com os idosos e profissionais do Lar Padre Leone, administrado pelas Irmãs Servas da Caridade.

À noite o arcebispo presidiu a Santa Missa na Capela Nossa Senhora de Guadalupe, da Paróquia Nossa Senhora das Graças, concelebrada pelo pároco padre José Luiz Primão. A celebração é realizada mensalmente no dia 12 em honra à padroeira Nossa Senhora de Guadalupe, comemorada no dia 12 de dezembro. Antes da missa, a comunidade rezou um terço luminoso.

Na homilia, o arcebispo explicou sobre a visita pastoral e a sua presença em Ibiporã nestes dias. “O tempo de visita pastoral é uma injeção de ânimo na comunidade, para que continuem tantos processos bonitos e, se for o caso, criem outros meios para que a evangelização continue.” Dom Geremias falou sobre o que ele chama de “musculatura da fé”. Assim como o corpo humano, se não exercitamos a nossa fé, ela vai ficando fraca, perdendo sua musculatura. “Muita gente perdeu a musculatura da fé [nesses tempos de pandemia]. Assim passamos um período difícil e agora temos que recuperar… Que o Senhor ressuscitado e o Espírito Santo nos animem que possamos reconstruir essa musculatura da fé.”

Quem é Jesus para você?
Na homilia, dom Geremias também falou sobre a importância de se ter uma experiência pessoal com Jesus. Diferentemente de um assunto sobre o qual se possa estudar para fazer uma palestra, não é possível falar sobre Jesus sem ter feito antes uma experiência pessoal com Ele. Quem é Jesus para você? Indagou o arcebispo. “Digamos que vocês me peçam para daqui uma hora uma palestra sobre a Austrália. Mesmo nunca tendo ido pra Austrália, se tiver um bom ponto de internet, daqui uma hora eu faço uma palestra sobre a Austrália. Mas de Jesus a gente não vai falar simplesmente por ter ouvido falar, mas com experiência própria.”

Este é também um dos objetivos da visita pastoral, reapresentar a fé e reavivar as experiências do povo de Deus. “A Igreja é convidada a continuar a missão evangelizadora. Nas paróquias temos celebrações, pregações, catequese, Dia da Palavra, grupos de reflexão, coisas que nos motivam a renovar a nossa fé em Jesus”, concluiu o arcebispo, que ao fim da celebração pediu que os fiéis rezassem pela sua visita pastoral.

A Igreja é convidada a continuar a missão evangelizadora. Nas paróquias temos celebrações, pregações, catequese, Dia da Palavra, grupos de reflexão, coisas que nos motivam a renovar a nossa fé em Jesus”

Dom Geremias Steinmetz

Segundo dia de visita
O segundo dia de visita, nesta sexta-feira, 13 de maio, festa de Nossa Senhora de Fátima, foi marcada pela presença em instituições de educação e inclusão de Ibiporã. Logo cedo dom Geremias se reuniu com professores e estudantes da Escola Santa Marta, administrado pelas Irmãs da Congregação de Santa Marta.

Depois de uma bênção aos alunos e professores reunidos no pátio, o arcebispo conversou com um grupo de estudantes e profissionais do colégio, que se apresentaram e fizeram perguntas ao arcebispo. Dom Geremias falou sobre a importância da família e da fé e destacou o dia de Nossa Senhora de Fátima. Nossa Senhora apareceu a três crianças e elas transmitiram a mensagem aos outros. E a mensagem de Fátima chegou ao mundo inteiro. “Assim como eles somos chamados a ser discípulos”, destacou o arcebispo.

No fim da manhã, dom Geremias almoçou com os funcionários das paróquias Nossa Senhora da Paz e Nossa Senhora das Graças. À tarde, visitou CADEVI (Centro de Atendimento ao Deficiente Visual), CAESMI (Centro de Atendimento Especializado na Área da Surdez) e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h. Nos dois centros, o arcebispo conversou com alunos e professores sobre a realidade das pessoas que têm algum tipo de deficiência e a importância do trabalho de inclusão na sociedade. Ouviu testemunhos e levou uma mensagem sobre Jesus. “Quando Jesus curou o cego, Ele falou: ‘você está curado!’ e o cego jogou seu manto e saiu caminhando. Isso significa que ele jogou fora o preconceito que ele tinha consigo mesmo e que os outros tinham e se colocou a trabalho. Jogar fora tantas coisas que nos amarram mais do que a cegueira”, disse dom Geremias que, na oração, pediu a Deus a força necessária para o trabalho bonito desenvolvido ali.

Encerrando o dia, o arcebispo celebrou a Santa Missa em honra a Nossa Senhora de Fátima na capela dedicada a ela, da Paróquia Nossa Senhora da Paz. Foi a primeira vez que dom Geremias esteve na comunidade. A missa foi concelebrada pelo pároco padre José Luiz Primão. Refletindo sobre o evangelho do dia, dom Geremias destacou que, reunidos em comunidade, fazemos parte da família de Jesus, da qual Maria é a mãe, deixada por Jesus na cruz. Assim como o evangelista destacou na passagem: minha mãe e minha família são aqueles que fazem a vontade de meu Pai.

Terceiro dia
A primeira etapa da visita concluiu no sábado, 14 de maio. Logo cedo, o arcebispo se reuniu com professores e profissionais liberais no auditório da Paróquia Nossa Senhora da Paz para uma conversa sobre educação. Dom Geremias abordou a temática da Campanha da Fraternidade deste ano a partir do texto bíblico da Mulher Pecadora. Ouviu também a partilha e os questionamentos dos professores, tanto sobre a educação regular quanto sobre o atendimento a estudantes deficientes.

Ainda no último dia de visita, o arcebispo celebrou a Santa Missa com os padres do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME), fez palestra sobre liturgia para lideranças e celebrou a Santa Missa na Paróquia Nossa Senhora da Paz com a comunidade, encerrando a primeira etapa da visita.

Na semana que vem, dias 19, 20 e 21, o arcebispo estará no território da Paróquia São Rafael.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocesana

Prefeitura de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
APAE de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Fórum de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Asilo Pe. Leone de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Rainha da Paz Frigorífico de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Capela Nossa Senhora de Guadalupe (foto Tiago Queiroz)
Rádio Alternativa de Ibiporã (foto Michael Moreto)
Escola Santa Marta de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
CADEV de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
CAESMI de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
UPA 24h de Ibiporã (foto Tiago Queiroz)
Capela Nossa Senhora de Fátima (foto Tiago Queiroz)
Momento com professores e profissionais liberais (foto Tiago Queiroz)
Missa com os padres do PIME (foto Tiago Queiroz)
Momento da Liturgia (foto Tiago Queiroz)
Santa Missa na Paróquia Nossa Senhora da Paz (foto Juliana Mastelini Moyses)


A 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aprovou a tradicional Mensagem ao Povo Brasileiro. O texto apresenta “uma mensagem de fé, esperança e corajoso compromisso com a vida e o Brasil”. Os bispos lembraram da solidariedade para a superação da pandemia, agradeceram às famílias e agentes educativos pelo cuidado no campo da educação e dedicaram reflexões sobre a realidade do país, cujo quadro atual “é gravíssimo”. Para os bispos, “o Brasil não vai bem!”.

Diante da complexa e sistêmica crise ética, econômica, social e política, a CNBB espera que os governantes “promovam grandes e urgentes mudanças, em harmonia com os poderes da República, atendo-se aos princípios e aos valores da Constituição de 1988”.

A mensagem também aborda o processo eleitoral deste ano, envolto “de incertezas e radicalismos, mas, potencialmente carregado de esperança”. Também chama atenção para as ameaças ao pleito, além de reforçar um apelo pela democracia brasileira.

“Conclamamos toda a sociedade brasileira a participar das eleições e a votar com consciência e responsabilidade, escolhendo projetos representados por candidatos e candidatas comprometidos com a defesa integral da vida, defendendo-a em todas as suas etapas, desde a concepção até a morte natural. Que também não negligenciem os direitos humanos e sociais, e nossa casa comum onde a vida se desenvolve.”

Ao final do texto, os bispos convidam a todos, particularmente a juventude, “a deixarem-se guiar pela esperança e pelo desejo de uma sociedade justa e fraterna”.

Confira o texto na íntegra:


MENSAGEM AO POVO BRASILEIRO
59ª. Assembleia Geral da CNBB
“A esperança não decepciona” (Rm 5,5).

Guiados pelo Espírito Santo e impulsionados pela Ressurreição do Senhor, unidos ao Papa Francisco, nós, bispos católicos, em comunhão e unidade, reunidos para a primeira etapa da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, de modo on-line e com a representação de diversos organismos eclesiais, dirigimos ao povo brasileiro uma mensagem de fé, esperança e corajoso compromisso com a vida e o Brasil.

Enche o nosso coração de alegria perceber a explosão de solidariedade, que tem marcado todo o País na luta pela superação do flagelo sanitário e social da COVID-19. A partilha de alimentos, bens e espaços, a assistência a pessoas solitárias e a dedicação incansável dos profissionais de saúde são apenas alguns exemplos de incontáveis ações solidárias. Gestores de saúde e agentes públicos, diante de um cenário de medo e insegurança, foram incansáveis e resilientes. O Sistema Único de Saúde-SUS mostrou sua fundamental importância e eficácia para a proteção social dos brasileiros. A consciência lúcida da necessidade dos cuidados sanitários e da vacinação em massa venceu a negação de soluções apresentadas pela ciência. Contudo, não nos esquecemos da morte de mais de 660.000 pessoas e nos solidarizamos com as famílias que perderam seus entes queridos, trazendo ambas em nossas preces.

Agradecemos ainda, de modo particular às famílias e outros agentes educativos, que não se descuidaram da educação das crianças, adolescentes, jovens e adultos, apesar de todas as dificuldades. Com certeza, a pandemia teria consequências ainda mais devastadoras, se não fosse a atuação das famílias, educadores e pessoas de boa vontade, espírito solidário e abnegado. A Campanha da Fraternidade 2022 nos interpela a continuar a luta pela educação integral, inclusiva e de qualidade.

A grave crise sanitária encontrou o nosso País envolto numa complexa e sistêmica crise ética, econômica, social e política, que já nos desafiava bem antes da pandemia, escancarando a desigualdade estrutural enraizada na sociedade brasileira. A COVID-19, antes de ser responsável, acentuou todas essas crises, potencializando-as, especialmente na vida dos mais pobres e marginalizados.

O quadro atual é gravíssimo. O Brasil não vai bem! A fome e a insegurança alimentar são um escândalo para o País, segundo maior exportador de alimentos no mundo, já castigado pela alta taxa de desemprego e informalidade. Assistimos estarrecidos, mas não inertes, os criminosos descuidos com a Terra, nossa casa comum. Num sistema voraz de “exploração e degradação” notam-se a dilapidação dos ecossistemas, o desrespeito com os direitos dos povos indígenas, quilombolas e ribeirinhos, a perseguição e criminalização de líderes socioambientais, a precarização das ações de combate aos crimes contra o meio ambiente e projetos parlamentares desastrosos contra a casa comum.

Tudo isso desemboca numa violência latente, explícita e crescente em nossa sociedade. A crueldade das guerras, que assistimos pelos meios de comunicação, pode nos deixar anestesiados e desapercebidos do clima de tensão e violência em que vivemos no campo e nas cidades. A liberação e o avanço da mineração em terras indígenas e em outros territórios, a flexibilização da posse e do porte de armas, a legalização do jogo de azar, o feminicídio e a repulsa aos pobres, não contribuem para a civilização do amor e ferem a fraternidade universal.

Diante deste cenário esperamos que os governantes promovam grandes e urgentes mudanças, em harmonia com os poderes da República, atendo-se aos princípios e aos valores da Constituição de 1988, já tão desfigurada por meio de Projetos de Emendas Constitucionais. Não se permita a perda de direitos dos trabalhadores e dos pobres, grande maioria da população brasileira. A lógica do confronto que ameaça o estado democrático de direito e suas instituições, transforma adversários em inimigos, desmonta conquistas e direitos consolidados, fomenta o ódio nas redes sociais, deteriora o tecido social e desvia o foco dos desafios fundamentais a serem enfrentados.

Nesse contexto, iremos este ano às urnas. O cenário é de incertezas e radicalismos, mas, potencialmente carregado de esperança. Nossas escolhas para o Executivo e o Legislativo determinarão o projeto de nação que desejamos. Urge o exercício da cidadania, com consciente participação política, capaz de promover a “boa política”, como nos diz o Papa Francisco. Necessitamos de uma política salutar, que não se submeta à economia, mas seja capaz de reformar as instituições, coordená-las e dotá-las de bons procedimentos, como as conquistas da Lei da Ficha Limpa, Lei Complementar 135 de 2010, que afasta do pleito eleitoral candidatos condenados em decisões colegiadas, e da Lei 9.840 de 1999, que criminaliza a compra de votos. Não existe alternativa no campo democrático fora da política com a ativa participação no processo eleitoral.

Tentativas de ruptura da ordem institucional, hoje propagadas abertamente, buscam colocar em xeque a lisura do processo eleitoral e a conquista irrevogável do voto. Tumultuar o processo político, fomentar o caos e estimular ações autoritárias não são, em definitivo, projeto de interesse do povo brasileiro. Reiteramos nosso apoio às Instituições da República, particularmente aos servidores públicos, que se dedicam em garantir a transparência e a integridade das eleições.

Duas ameaças merecem atenção especial. A primeira é a manipulação religiosa, protagonizada tanto por alguns políticos como por alguns religiosos, que coloca em prática um projeto de poder sem afinidade com os valores do Evangelho de Jesus Cristo. A autonomia e independência do poder civil em relação ao religioso são valores adquiridos e reconhecidos pela Igreja e fazem parte do patrimônio da civilização ocidental. A segunda é a disseminação das fake news, que através da mentira e do ódio, falseia a realidade. Carregando em si o perigoso potencial de manipular consciências, elas modificam a vontade popular, afrontam a democracia e viabilizam, fraudulentamente, projetos orquestrados de poder. É fundamental um compromisso autêntico com a verdade e o respeito aos resultados nas eleições. A democracia brasileira, ainda em construção, não pode ser colocada em risco.

Conclamamos toda a sociedade brasileira a participar das eleições e a votar com consciência e responsabilidade, escolhendo projetos representados por candidatos e candidatas comprometidos com a defesa integral da vida, defendendo-a em todas as suas etapas, desde a concepção até a morte natural. Que também não negligenciem os direitos humanos e sociais, e nossa casa comum onde a vida se desenvolve. Todos os cristãos somos chamados a preocuparmo-nos com a construção de um mundo melhor, por meio do diálogo e da cultura do encontro, na luta pela justiça e pela paz.

Agradecemos os muitos gestos de solidariedade de nossas comunidades, por ocasião da pandemia e dos desastres ambientais. Encorajamos as organizações e os movimentos sociais a continuarem se unindo em mutirão pela vida, especialmente por terra, teto e trabalho. Convidamos a todos, irmãos e irmãs, particularmente a juventude, a deixarem-se guiar pela esperança e pelo desejo de uma sociedade justa e fraterna. Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, obtenha de Deus as bênçãos para todos nós.

Brasília – DF, 29 de abril de 2022.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre, RS
1º Vice-Presidente

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima, RR
2º Vice-Presidente

Dom Joel Portella Amado
Bispo auxiliar do Rio de Janeiro, RJ
Secretário-Geral

Fonte: CNBB

O arcebispo dom Geremias Steinmetz recebeu no dia 20 de abril, o título de Cidadão Honorário de Londrina, homenagem destinada a pessoas não nascidas na cidade que tenham se distinguido por feitos de relevância para o município e em prol da comunidade. A solenidade coletiva para a entrega da honraria reuniu quatro homenageados em uma mesma cerimônia na Sala de Sessões da Câmara Municipal de Londrina. Foram entregues títulos de Cidadão Honorário também a Claudio Mainer e pastor Elias Moraes, e Medalha Ouro Verde à Orquestra Filarmônica AD Londrina.

Em sua fala, dom Geremias destacou a alegria de receber a homenagem da Câmara Municipal de Londrina, município conhecido por sua pujança econômica, segunda maior cidade do Estado e quarta do sul do país. “Com alegria hoje sou considerado um cidadão londrinense. E mais, cidadão honorário, que mostra como a gente aqui é aceito, não apenas eu, mas também os colegas homenageados nesta noite, por seu amor pelo trabalho, pela cidade…”

O presidente da Câmara, Jairo Tamura, e o ex-vereador, José Roque Neto, entregam o título de Cidadão Honorário a dom Geremias

A concessão do título de Cidadão Honorário a dom Geremias foi aprovada na gestão passada da Câmara Municipal, proposta pelo ex-vereador José Roque Neto. Devido às restrições da pandemia, as entregas só foram realizadas neste ano. Além de vereadores de Londrina, participaram da cerimônia o prefeito de Sulina (PR), cidade natal de dom Geremias, Paulo Horn e a esposa, Marilene Horn, e o presidente da Câmara Municipal de Sulina, Waltercir Ernzen e a esposa, Elaine Ernzen. Dom Geremias agradeceu aos presentes e também aos familiares e fiéis da arquidiocese que acompanharam a sessão pela transmissão ao vivo.

“Hoje vivo Londrina. Talvez não consiga viver Londrina como deveria, mas a minha vida é aqui. Meu trabalho, meu esforço, meu estudo, meu planejamento, tudo o que penso não penso fora de Londrina, penso aqui, para que aqui eu possa continuar doando a minha vida como bispo, como padre que é sempre a primeira opção, como cristão, como discípulo de nosso Senhor Jesus Cristo. Quero agradecer então ao presidente da Câmara, vereador Jairo Tamura, pelo reconhecimento, por esse momento importante. Dizer que a Igreja continua com grande estilo na cidade de Londrina dando a sua contribuição para que de fato o nosso povo possa ter vida e vida em plenitude”.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocese

Fotos: Cláudio Nonaca

O arcebispo dom Geremias Steinmetz presidiu, na sexta-feira, dia 22 de abril, a Santa Missa de renovação dos votos dos consagrados da Comunidade Católica Filhos da Luz, de Rolândia. A missa foi concelebrada pelo padre Rogério Santa Neves, PIME, pároco da São Paulo Apóstolo de Rolândia, com a presença do diácono Adilson de Freitas, fundador da comunidade, e do diácono transitório frei Pedro, OSA.

A  celebração foi realizada no salão São Padre Pio, um dos anexos da casa de missão da Comunidade Filhos da Luz, que tem como lema: “outrora, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor, comportai vós como filhos da luz” (Ef 5,8).

Pascom

Fotos: Diego Augusto

No último dia de visita pastoral do arcebispo a Jaguapitã, no sábado, 2 de abril, dom Geremias Steinmetz marcou presença junto a diversas instâncias da Igreja.

Pela manhã conheceu as capelas urbanas e conversou com os funcionários da paróquia. O arcebispo também assinou os livros de batizado e casamento e escreveu uma mensagem no livro tombo da paróquia.

À tarde se encontrou com os vicentinos e conheceu o trabalho feito pela Sociedade São Vicente de Paulo.

A visita encerrou com a Santa Missa do 5º Domingo da Quaresma na Paróquia São José, com a presença de toda comunidade. Dom Geremias agradeceu às pessoas e ao padre Jaime pelos dias que esteve na cidade. “Foi uma visita, de fato, muito positiva”, falou o arcebispo.

O padre agradeceu a presença do bispo e o ânimo que trouxe ao povo, com o desejo de que os frutos sejam colhidos pela comunidade.

Juliana Mastelini Moyses
Pascom Arquidiocesana

Fotos: Tiago Queiroz

O arcebispo dom Geremias Steinmetz ministrou, no dia 4 de março, a aula inaugural do curso de Teologia da PUCPR Londrina, que marca a volta das aulas presenciais do curso. O arcebispo falou sobre a sua participação na Assembleia Eclesial Latino-Americana, realizada de 21 a 28 de novembro do ano passado, na Cidade do México, com o lema: “Somos todos discípulos missionários em saída”. Dom Geremias participou da assembleia de forma on-line representando o Paraná junto com outros bispos do Regional Sul 2.

“[Na assembleia] estavam presentes as mais diferentes línguas e culturas, todos nos compreendendo e respondendo a um chamado do Papa Francisco para nos reunirmos numa Assembleia Eclesial”, explicou o arcebispo. Segundo ele, os temas discutidos foram abrangentes e relevantes para todo o continente. “Percebi que as discussões e preocupações que temos aqui no Paraná estão presentes em toda a América Latina e no Caribe. Questões importantes como o problema da migração e o problema da fome são comuns a todos nós”, disse o arcebispo.

“É muito importante esse contato dele com os estudantes nesse retorno, uma vez que dom Geremias representa a Associação Paulo VI e, através dele, estão representados sete bispos que compõem o curso de Teologia enviando estudantes seminaristas”, destaca padre Lino Batista de Oliveira, coordenador do curso de Teologia da PUCPR.

Padre Lino destaca que há um novo olhar para a Igreja em 2022: um olhar de aprendizado. “O Papa Francisco faz questão de lembrar a todos e todas que uma das grandes lições da pandemia é que nem sempre podemos resolver as coisas sozinhos, de forma isolada. Em seus documentos, o Papa tem falado muito – e cada vez mais – da necessidade de construir pontes e desfazer muros que nos separam uns dos outros, que nos impedem de dialogar. Em 2019, no Pacto Educacional Global, o papa cita uma frase de um sábio africano que diz que quem forma uma pessoa é toda a aldeia.”

Por isso, fala o padre, é preciso que todos se envolvam na educação: pais, família, professores, sociedade, entidades… “E a Igreja do Brasil está respondendo a esse pacto com a Campanha da Fraternidade que nos chama à conversão e ao envolvimento com a educação. Em relação aos estudantes de Teologia, esperamos que esse pedido do Papa gere reflexão para que possam se formar e desenvolver o ministério sob a ótica do diálogo, da parceria e do trabalhar em conjunto e reforçando isso por meio da comunhão e da eclesialidade.”

Pascom Arquidiocesana

Fotos: Assessoria de imprensa PUCPR Londrina

O Setor Juvenil da Arquidiocese de Londrina apresenta seu novo vice-coordenador arquidiocesano, Pedro Henrique Vila, de 22 anos, ex-coordenador de grupo de adolescentes autônomo. Na tarde do último dia 3 de fevereiro, Pedro Vila foi apresentado também ao arcebispo dom Geremias Steinmetz.

 

O Setor Juvenil, com sua coordenação arquidiocesana e decanal, acompanha, apoia e colabora diretamente a caminhada pastoral dos grupos de adolescentes e jovens, desde grupos autônomos até os vinculados a movimentos e pastorais juvenis. A chegada do Pedro Vila na coordenação será um reforço nessa bonita e importante missão da evangelização da juventude. Evangelizar implica, em primeiro lugar, proporcionar o anúncio querigmático da pessoa de Jesus Cristo. Em seguida, esta experiência deverá ser aprofundada em grupos que devem conduzir catequeticamente a uma maturidade na fé e prontidão para ser discípulo e protagonista na construção do Reino de Deus por toda a vida, buscando a transformação da sociedade. Louvamos a Deus pelo novo vice-coordenador arquidiocesano do Setor Juvenil na certeza da intercessão de São João Bosco.

 

“Quero enfatizar que os próprios jovens são agentes da pastoral juvenil, acompanhados e orientados, mas livres para encontrar novos caminhos com criatividade e audácia . Portanto, seria demais para mim parar aqui para propor algum tipo de manual de pastoral juvenil ou um guia pastoral prático. Trata-se mais de colocar em jogo a astúcia, a engenhosidade e o conhecimento que os jovens têm da sensibilidade, linguagem e problemas de outros jovens.” Papa Francisco (Christus Vivit, n. 203)

 

Na foto, da esquerda para direita: Everton Santana, coordenador arquidiocesano; Pedro Vila, vice coordenador arquidiocesano; Pe. Dirceu Reis, assessor arquidiocesano; e dom Geremias Steinmetz, arcebispo metropolitano.

 

Setor Juvenil

Foto: Tiago Queiroz

Diante do momento que vivemos com relação à pandemia da COVID-19, o arcebispo dom Geremias Steinmetz publica nesta tarde a mensagem: Defesa da Vida e COVID-19, em que reforça a necessidade do autocuidado para a superação da pandemia. Na mensagem, dom Geremias destaca que as orientações sobre a pandemia publicadas pela Arquidiocese de Londrina no dia 18 de novembro de 2021 continuam válidas e que as casas de retiro estarão disponíveis para realização de encontros a partir de fevereiro. Leia a mensagem na íntegra:

 


MENSAGEM: DEFESA DA VIDA E COVID-19 – 21/1/2022

 

Prezados irmãos e irmãs. Recebam minha saudação em Cristo Jesus.

 

A Igreja segue firme em sua vocação de promover e defender a vida humana em todas as suas instâncias, muito especialmente a vida dos que sofrem e padecem.

 

Vivemos momentos muito exigentes devido à pandemia da COVID-19, que exigem de nós, tal qual em outros momentos da nossa história, essa fundamental preocupação com a vida humana. O Papa Francisco muito tem se manifestado, animando-nos para juntos não perdermos a paz e a esperança para vencermos a pandemia.

 

Faz-se necessário não abaixar a guarda! “Autocuidado” é o termo chave neste momento. Tomar consciência da nossa responsabilidade pessoal e social para assim não perder o controle. Originalmente utilizada na medicina preventiva, a expressão refere-se a ações que as pessoas realizam individualmente com o objetivo de preservar a saúde e/ou prevenir doença.

 

É o que devemos fazer: cuidar de nós mesmos. Higienizar frenquentemente as mãos com álcool, não retirar a máscara em lugares públicos, evitar aglomerações e, se aparecerem os sintomas da COVID-19, autoisolar-se. Aqui está o recurso para podermos superar a pandemia juntos.

 

O autocuidado é um passo definitivo para podermos contribuir com a diminuição da lotação nos postos de saúde e hospitais. Lembre-se que você não está “isolado” sozinho; muitos estão com você. Nós estamos com você!

 

Agradecemos também de forma especial a grande adesão que a população tem tido para com as vacinas, assim como também a dedicação e atenção para seguir as normas de higienização e não esmorecer na exigência com a qual devemos seguir e manter este processo de cuidado. Nós, como Igreja particular de Londrina, manteremos nosso firme propósito de continuar nosso caminho neste sentido.

 

Assim sendo, continuam válidas as orientações publicadas no dia 18 de novembro de 2021 em todas as paróquias e comunidades da Arquidiocese de Londrina.

 

As casas de retiro estarão disponíveis para realização de encontros a partir de fevereiro deste ano, seguindo rigorosamente os padrões de segurança solicitados. Grupos interessados devem entrar em contato com a Mitra Arquidiocesana de Londrina para consultar disponibilidade e agenda.

 

Londrina, 21 de janeiro de 2022

 

Dom Geremias Steinmetz
Arcebispo Metropolitano

 

Gabriel Oberle, do Instituto dos Padres de Schoenstatt, será ordenado padre por dom Geremias Steinmetz no sábado (1º)

 

2022 começa com uma boa notícia para a comunidade católica de Londrina. Pela imposição das mãos do arcebispo dom Geremias Steinmetez, o jovem Gabriel Oberle, 34 anos, será ordenado sacerdote neste sábado (1º). A celebração realiza-se às 10h30, na Catedral Metropolitana, durante a solene missa dedicada a Santa Maria, Mãe de Deus. Ele pertence ao Instituto Secular Padres de Schoenstatt.

 

Nascido em Londrina, Gabriel sempre foi muito atuante em sua paróquia, a Cristo Redentor, no Jardim Piza, zona sul, integrando várias pastorais (Catequese, Liturgia, Pascom, Grupo de Jovens) e o Movimento de Schoenstatt. Em seus trabalhos pastorais, ele diz que sempre se sentiu chamado à vida sacerdotal, mas a decisão ocorreu quando concluía o curso de jornalismo, na UEL (Universidade Estadual de Londrina), em 2011. Os pais Miriam e Edmundo Oberle, mais o irmão Edmur, também muito atuantes na comunidade paroquial, não se surpreenderam quando revelou sua decisão por entrar para o seminário, mesmo acreditando que ele fosse atuar como jornalista. Gabriel conta que nunca lhe faltou o apoio e incentivo dos familiares durante seu período de formação e agora não escondem a alegria por sua ordenação.

 

Como lema de sua vida sacerdotal, ele escolheu a frase “Vosso é o Reino, o Poder e a Glória” (I Crônicas 29, 11) por entender que Jesus é o filho de Deus que, mesmo tendo o Reino, o Poder e a Glória, se fez homem para estar junto às pessoas como um deles. Essa proximidade de Jesus com a humanidade também inspirou na escolha por seu símbolo pessoal, que traz bordado em sua primeira estola. “Jesus está sentado no barco anunciando o Reino (Lc 5,1ss) de um modo muito natural. Assim vejo Jesus: aquele que nos leva a Deus de um modo natural, simples, amigo”, diz.

 

Além da decisão pelo sacerdócio, Gabriel conta que sua participação em grupos da igreja contribuiu também na escolha da comunidade religiosa que gostaria de atuar. Em 2008, após selar sua Aliança de Amor com Maria e participar mais ativamente com os jovens do Movimento de Schoenstatt, obteve as respostas que procurava. “Em Schoenstatt, o tema dos vínculos pessoais contribuiu para que eu me encontrasse com Jesus e com Maria de um modo mais natural”, resume.

 

As experiências vivenciadas em várias missões levando a Palavra de Deus a muitas pessoas, junto com o vínculo ao mesmo Santuário, também foram importantes na escolha do carisma religioso que abraçaria. “Fiz um acompanhamento vocacional e espiritual para postular-me ao noviciado durante o ano de 2011. Em março de 2012 comecei o noviciado no Paraguai”.

 

Em entrevista recente publicada no site nacional do Movimento de Schoenstatt, Gabriel expressa sua alegria por tornar-se sacerdote: “Acredito que vale a pena aceitar a escolha que Deus tem para nós. Nossa vida está nas mãos d’Ele, basta que reconheçamos isso. Deus me chamou ao sacerdócio para que eu tenha a felicidade de levar Cristo a mais pessoas. Eu só aceitei esse chamado.”

 

Após a ordenação, Gabriel irá realizar suas experiências sacerdotais como vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro Jaraguá, em São Paulo (SP), onde está desde sua ordenação diaconal, realizada no último mês de julho.

 

A primeira missa do novo sacerdote Gabriel Oberle, será no domingo (2), às 9h30 na sua paróquia de origem, a Cristo Redentor (Rua Braga, 99, Jardim Piza, Londrina). O convite tanto para a ordenação como para a primeira missa é dirigido a todos os católicos de Londrina.

 

Célia Guerra
Pascom Arquidiocesana

Fotos: Divulgação