Neste domingo, 17 de outubro, a Arquidiocese de Londrina abriu oficialmente a fase arquidiocesana do Sínodo dos Bispos, que será realizada de 2021 a 2023 em três etapas: arquidiocesana, continental e universal. O arcebispo dom Geremias Steinmetz presidiu a Santa Missa na Catedral Metropolitana que teve participação de padres, diáconos, seminaristas e membros de pastorais, movimentos, serviços e comunidades da arquidiocese. O caminho sinodal iniciado será composto de consultas e discernimento que culminará com a assembleia de 2023 em Roma.

 

Desta vez, o sínodo não se realizará apenas no Vaticano, mas em todas as dioceses do mundo. É a primeira vez que este encontro é realizado de forma descentralizada, a partir das Igrejas particulares, com o tema: “Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”. O objetivo é uma verdadeira escuta do povo de Deus e, ao mesmo tempo, envolver todos os bispos em diferentes níveis da vida eclesial.

 

A abertura solene do sínodo no Vaticano com o Papa Francisco foi no dia 9 e 10 de outubro. E no dia 17, a abertura arquidiocesana, sob a presidência do bispo arquidiocesano. “O objetivo desta fase é a consulta do povo de Deus para que o processo sinodal se realize na escuta da totalidade dos batizados”, lê-se no documento da Secretaria do Sínodo.

 

Para facilitar a participação de todos, a secretaria enviou um texto preparatório acompanhado de um questionário e um vade-mécum com as propostas para a realização da consulta.

 

A partir da abertura, as paróquias iniciarão o processo de escuta. Os padres coordenarão o trabalho nas paróquias, organizando pastorais, movimentos, organismos e serviços para responder o questionário. Depois desse período, iniciará o processo decanal.

Pascom Arquidiocesana

Fotos Guto Honjo

 

 

 

 

 

 

As igrejas que fazem parte do Movimento Ecumênico de Londrina (MEL) participaram, no dia 20 de fevereiro, da celebração de abertura da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021, no salão da Paróquia Nossa Senhora rainha do Universo, Decanato Centro. A celebração contou com a participação de representantes da Igreja Católica, Igreja Episcopal Anglicana, Igreja Luterana e Igreja Presbiteriana, que fazem parte do MEL e foi conduzida pelo arcebispo dom Geremias Steinmetz; a reverenda Lucia Dal Pont, da Igreja Anglicana; e o pastor Telmo Emerich, da Igreja Luterana.

 

A Campanha da Fraternidade deste ano é ecumênica e tem como o tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor”, uma ação conjunta e ecumênica da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic).

 

Pascom Arquidiocesana

Foto de destaque: Terumi Sakai

Fotos: Irene Alves e Terumi Sakai

Baixe o aplicativo da Arquidiocese de Londrina e acompanhe todo conteúdo da Igreja de Londrina. Disponível para Android e iOS.

Download App Arquidiocese de Londrina

Tema: “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor”
Lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2, 14a)

 

Participação:
Dom Geremias Steinmetz, arcebispo de Londrina;
Reverenda Lucia Dal Pont, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil;
Pastor Telmo Noé Emerich, Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil

 

Local: Paróquia Nossa Senhora Rainha do Universo
Organização: Movimento Ecumênico de Londrina (MEL)

 

Transmissão Pascom Arquidiocesana

Período vai destacar a missão evangelizadora de leigos

 A Arquidiocese de Londrina celebrou neste domingo (26), Solenidade de Cristo Rei e Dia dos Cristãos Leigos e Leigas a abertura do Ano Nacional do Laicato (Conjunto dos leigos nas suas relações com a Igreja). A Missa, realizada no Ginásio de Esportes Moringão, em Londrina (PR), reuniu religiosas, agentes de pastorais e centenas de fiéis, muitos vindos de outros municípios, e contou com a presença de padres, diáconos e seminaristas de toda arquidiocese.

O arcebispo metropolitano Dom Geremias Steinmetz presidiu a Missa e destacou logo de início o encerramento do ano litúrgico com a Solenidade de Cristo Rei do Universo para a entrada do Advento, tempo do Natal e grande mistério da humanidade. Neste ano especialmente dedicado aos leigos pretende-se trabalhar a mística do seguimento e apaixonamento de Jesus Cristo. “O leigo é o coração da Igreja, recebe o evangelho para transformar, seja no campo das artes, da política, da economia, em toda a sociedade. Todos nós cristãos batizados somos chamados a ser sal da terra e luz do mundo. Com espírito mariano, devemos levar os valores do evangelho e fazer no mundo o lugar do reinado de Cristo”, afirma Dom Geremias.

O arcebispo disse ainda que muda a compreensão do espaço e o sujeito eclesial deixa de ser objeto da evangelização para ser sujeito dela. “O Papa Francisco quer a Igreja missionária. Para isso temos de ter leigos atuantes, e o primeiro lugar é na família, tendo homens e mulheres preocupando-se de serem verdadeiros pais e mães”, lembra.

O Ano do Laicato será celebrado pela Igreja de todo Brasil no período de 26 de novembro de 2017 a 25 de novembro de 2018 e terá como mística o tema “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14). 

Proposto pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), o Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”. Como objetivos específicos durante o ano serão celebrados os 30 anos do Sínodo Ordinário sobre os Leigos (1987) e da Exortação Apostólica Christifideles Laici, sobre a vocação e a missão dos leigos na Igreja e no mundo (1988) de São João Paulo II.

O Ano do Laicato será composto por cinco eixos: Eventos; Comunicação, Catequese e Celebração; Seminário Temático nos Regionais; Publicações e Legado (o que fica como legado após o Ano do Laicato – bandeira de compromisso e ação). De acordo com Pe. Joel Ribeiro Medeiros, coordenador da Ação Evangelizadora da Arquidiocese de Londrina, cada região do país poderá usar de criatividade para viver o Ano do Laicato e propor ações conforme as características de suas paróquias e comunidades. “É importante retomar na Igreja o papel que o leigo desempenha no mundo e na sociedade, mas lembrar também que cada arquidiocese tem a sua realidade, propondo ações que vão ao encontro desta”, garante.

Luciana Maia Hessel
PASCOM Arquidiocesana

Mais fotos clique aqui>>

Fotos: Roberto Vindica / Terumi Sakai / Wanderley Tolomi
PASCOM Arquidiocesana