logo radio alvorada

Histórico

 

Dom Geraldo Fernandes
Dom Geraldo Fernandes

Fundação e aniversário

A Rádio Alvorada foi inaugurada solenemente dia 18 de abril de 1964. Porém, a jornada comemorativa do seu nascimento é comemorada no dia 1º de maio, por ter sido o Dia “D” da Rádio em linha de programação e de trabalho. Dom Geraldo Fernandes deu a bênção aos transmissores e aos estúdios com a presença do Prefeito de Londrina, Dr. José Hosken de Novaes, o inspetor dos padres salesianos, Pe. Daniel Bissóli, dentre outras autoridades municipais constituídas. Entrou no ar marcada pelo significativo slogan “A Emissora da Família Paranaense”.

Administração

Idealizada e construída por Dom Geraldo Fernandes, primeiro arcebispo de Londrina, a administração darrojada Rádio Alvorada foi entregue aos padres salesianos. Seu primeiro diretor, Pe. Eduardo Afonso, auxiliado pelos Padres Theodoro Zajdowic e José Guidoreni, enfrentaram momentos difíceis, pois a nação passava pelo período revolucionário, tendo a ditadura militar tomado o poder no dia 31 de março de 1964. No ato de entrega da Rádio Alvorada por Dom Geraldo aos padres salesianos, a personalidade jurídica da emissora foi denominada “Fundação Mater et Magistra”, tendo como diretor presidente o inspetor salesiano da Inspetoria de Nossa Sra. Auxiliadora do Sul do Brasil. Os Salesianos administraram a Emissora até meados de 1992, quando foi entregue à Comunidade Canção Nova, de Cachoeira Paulista (SP), sob a direção do Pe Jonas Abib. Jovens comunicadores como Eliane e Ricardo Sá, entre outros, foram enviados a Londrina. Foram iniciadas conversações para a passagem da Fundação Mater et Magistra, até então sob o comando dos Padres Salesianos, para a Mitra Arquidiocesana de Londrina. Foi um longo processo concluído somente em março de 1995, quando a Mitra passou a ser a mantenedora da Fundação Mater et Magistra. Entretanto, a programação da Emissora continuou a ser administrada pela Canção Nova até 1998, quando a Arquidiocese passou a comandá-la plenamente.

Ondas Médias e Tropicais

A concessão de duas ondas: OM (ondas médias) de 5 kw, caso raro no interior do país naquela época, e OT (ondas tropicais) com potencia de 1kw, capaz de atingir todo o Brasil e também o exterior, foi outorgada pelo presidente da república Dr. Juscelino Kubitschek de Oliveira.

Transmissores e antena

De 1964 a 2000 os estúdios da Rádio se localizaram no 9º andar do Edifício Júlio Fuganti, no centro da cidade, onde Dom Geraldo Fernandes adquirira 9 salas. Os transmissores e as torres das antenas da Rádio Alvorada foram instalados inicialmente na Rua Maringá, na frente da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, no terreno onde atualmente se encontra a sede da Construtora A. Yoshii. Por razões técnicas, em 1973 tiveram que ser transferidos para uma chácara na Aviação Velha, próximo do patrimônio Espírito Santo, pelo fato do local onde estavam ser centro e rota de aviões. A “Chácara da Rádio Alvorada”, funcionou durante muitos anos como um clube social dos funcionários, com piscina e quadra de esportes. Em 1999 a chácara foi vendida e as torres e os transmissores foram transferidos para o atual sítio de 12,7 alqueiras paulistas, situado na Estrada da Cegonha.

Rádio Escola

Projetada para ser uma emissora a serviço do povo, a Rádio Alvorada fez um trabalho inédito no campo da educação. Criou as Escolas Radiofônicas, alfabetizando adultos e adolescentes, através das Ondas Tropicais. As aulas eram dadas no período das 20h às 21h30, de segunda a sexta-feira. A professora Marina Deliberador, com extraordinária habilidade, soube desde o começo cativar a atenção de centenas e centenas de alunos. Em 1964 foram montadas 67 escolas, localizadas em sítios e fazendas de diversos municípios do Norte do Paraná. Até 1968 foram alfabetizados pela Rádio Escola Alvorada e para o bem do Brasil mais de 4.500 alunos. A escola radiofônica terminou quando foi estabelecida a obrigatoriedade de transmissão do Projeto Minerva, instituído pelo Governo Federal, e que veio a se chamar mais tarde de MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização, que custou caro para os cofres públicos. A Alvorada oferecia rádio (receptor) sintonia fixa, monitor, apostilas, cartilhas, lápis e borracha sem nenhum custo aos alfabetizandos.

Vanguarda no esporte na década de 60

A Rádio Alvorada teve sua fase de glória na área de esportes, com uma programação bastante dinâmica, tendo conseguido integrar a Cadeia Verde e Amarela (CVA) da Rádio Bandeirantes, e transmitiu muitos jogos de interesse nacional, como por exemplo, os jogos da copa do mundo em 1966, na Inglaterra, com um representante da Emissora integrando a equipe. No esporte local, muito concorrido à época, destacaram-se nomes como Brasil Filho, Aroldo de Souza, José Maria de Brito e Edgard Vieira, entre outros.         

Jornalismo arrojado na década de 70

Outra atividade que marcou a Rádio Alvorada na década de 70 foi o jornalismo. Dezoito correspondentes espalhados por diversas cidades do Estado, cinco repórteres locais, dois editores, além do diretor responsável e do pessoal técnico. Mantinha no ar diariamente, das 7h às 8h, o Jornal da Alvorada e boletins de 5 minutos de hora em hora até 22 horas.  Dentro da proposta de fazer um jornalismo sério, exato, dinâmico e atuante, a Rádio Alvorada enviou jornalistas, que cobriram diretamente do exterior fatos como a visita do papa João Paulo II ao México, na Conferência Episcopal Latino Americana em Puebla e a outros eventos de destaque nacional e regional.

Emissora Católica e Educativa

Fiel aos seus princípios de emissora católica, desde o início a Rádio Alvorada tem procurado harmonizar assuntos religiosos com a necessidade de apresentar uma programação eclética, onde caibam linhas que vão desde o sertanejo às mensagens musicais e faladas, de amor e de esperança, buscando traduzir o espírito cristão, a fraternidade humana, a presença de Deus. O programa “Ciranda de Amigos”, criado em 1981 pelo Pe Pasquale Filipelli, e que a partir de 1984, com várias modificações, passou a ser produzido e apresentado por Antonio Godoy, sintetiza o ideal de rádio de caráter evangelizador alimentado por emissoras católicas. Tanto que programa e comunicador receberam, em 1989, pela primeira vez, o prêmio Microfone de Prata, em concurso nacional instituído por entidade internacional que congrega as emissoras católicas. Em 2005 Antonio Godoy voltaria a receber o prêmio com o programa “Um Novo Dia em sua Vida”, que permanece no ar das 8h30 às 12 horas. Embora não vise lucros, tem também características comerciais na medida em que conta com a participação de anunciantes que colaboram para com seu sustento. 

Clube do Ouvinte Alvorada

Teve início em 1985, através do programa Ciranda de Amigos, formado em geral por ouvintes que amam a Rádio Alvorada e que transformaram-se em amigos e colaboradores, para que a mensagem de Jesus pudesse chegar a um número cada vez maior de lares e corações. O Clube do Amigo Ouvinte experimentou um impulso maior de 1992 a 1998, época em que a Rádio foi administrada pela Comunidade Canção Nova com sede em Cachoeira Paulista. Nesse período a programação era 100% religiosa, mantida sem anúncios comerciais, mas com investimentos da cúria local. Dizia o arcebispo Dom Albano, em 1996: “enquanto outras emissoras são obrigadas a bater às portas das grandes indústrias e empresas, a Rádio Alvorada acreditou no Clube do Ouvinte e está atravessando as tormentas financeiras do Brasil com coragem e ânimo seguro, pois a sua força está na proteção de Deus e na colaboração mensal dos próprios ouvintes”.

Nova direção e reformas

A partir de 1998 a Arquidiocese assumiu a direção da Rádio Alvorada, tenho na presidência do Conselho Diretor o Pe Manuel Joaquim Rodrigues dos Santos, que adotou nova linha de programação buscando formar, informar, evangelizar e entreter. Com o apoio do arcebispo Dom Albano Cavallin, a emissora passou por uma fase de grandes investimentos dentro de um arrojado programa de recuperação e modernização, com o objetivo de transformá-la numa verdadeira “Catedral do Ar”, novo e segundo slogan. Foi construída uma nova sede situada na Rua Dom Bosco, a antena e os transmissores foram transferidos do Patrimônio Espírito Santo para a Zona Sul da de Londrina. Pouco tempo depois de inaugurada a nova sede, os antigos equipamentos técnicos, que eram analógicos e a válvula, foram totalmente substituídos por modernos e potentes transmissores digitais de 7,5 kw.