Palavra do Arcebispo Útimas Notícias

Retrospectiva de 2020 e expectativa eclesial

#Compartilhe

O ano de 2020 foi totalmente atípico. Ninguém, no final de 2019, previa a realidade que viveríamos poucas semanas mais tarde. Todos estávamos programados para mais um ano de muito trabalho: celebrações, cursos, estudos, visitas pastorais, encontros de pastorais e movimentos, trabalhos missionários, viagens, etc. De repente tudo começou a ser cancelado, remarcado e, por fim, desmarcado. Ao findarmos o ano, ouso afirmar que nos recuperamos em um nível satisfatório mas há muito que precisa ser feito e há muitos desafios que precisam ser superados.

 

Já nos dias da eclosão da pandemia do Coronavírus a Igreja de Londrina se preocupou em dar alguns direcionamentos para que o efeito dela pudesse ser o menos prejudicial possível. Lembro-me bem que definimos seguir a orientação das autoridades sanitárias na questão das celebrações e permanecermos em diálogo com a sociedade. A decisão de trabalhar “on-line” também foi no sentido de não deixar as comunidades perderem o contato entre si. Juntamente com a Cáritas Arquidiocesana, decidimos iniciar uma campanha de arrecadação de alimentos, roupas, calçados, colchões, prevendo a avalanche de pessoas que iriam precisar de ajuda. Insere-se neste contexto a parceria com a Secretaria de Assistência Social de Londrina com a cedência de três endereços da Igreja para acolher pessoas em situação de rua, etc..

 

O XVII Plano Arquidiocesano de Pastoral utiliza como níveis de trabalho a Pessoa, a comunidade e a Sociedade. Sobre o nível da Sociedade diz literalmente: “Este nível considera como desafio da realidade, os esforços de nossas comunidades no anúncio e na construção de uma sociedade solidária para denunciar e enfrentar o escândalo da exclusão e da violência na sociedade consumista, da intolerância e do ódio, afirmando os direitos humanos e anunciando o Reino de Deus”.  A importância de atuar evangelicamente em relação à Sociedade, na busca pela garantia de vida plena das pessoas e de uma cultura da vida, da justiça e da fraternidade, está fundamentada a partir dos seguintes apelos da realidade: 1. A sociedade brasileira é uma das mais desiguais do mundo. 2. Nossas comunidades anseiam construir uma sociedade justa fraterna e solidária, em diversos espaços.  3. Há iniciativas concretas de práticas solidárias em nossas comunidades na busca da superação da opressão e exploração onde reivindicam políticas públicas. Na minha avaliação, com tudo o que foi feito na relação com as pessoas e na área da caridade pela Cáritas, pela Arquidiocese, pelas paróquias, pelas comunidades demos um passo enorme e de qualidade apontando para a possibilidade concreta de que podemos ser mais ousados na busca de soluções para os problemas e para a possibilidade concreta de que eles têm solução.

 

Como expectativa para o futuro, nutro a esperança de uma retomada com mais qualidade e uma renovação no modo de evangelizar sem nunca prescindir da construção de comunidades concretas e dinâmicas. Nos poucos passos de retomada que demos percebi como o nosso povo é fiel à Igreja ou à sua paróquia, especialmente no dízimo e as contribuições pessoais com as obras da Igreja; percebo que temos que investir com muita força na formação básica dos católicos; vi que a PASCOM bem organizada será uma grande resposta pastoral para jovens e adolescentes, por fim, temos que tratar com maior realismo a área da economia nas nossas paróquias e na arquidiocese.

Dom Geremias Steinmetz
Arcebispo de Londrina

Artigo publicado na Revista Comunidade, Edição Dezembro 2020
Foto destaque: Missa em Ação de Graças pelo Ano de 2020 – Catedral de Londrina (31/12/2020) Ernani Roberto

 

Download App Arquidiocese de Londrina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *