Artigos Clérigos

Pandemia e o tempo da Palavra de Deus

#Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

É visível na história da Igreja como, ao passar do tempo, o Espírito Santo vai agindo, movimentos vêm e vão e a Palavra de Deus nutre a vida do povo, sobretudo, em tempos de dificuldade. Nos últimos anos a Igreja, principalmente no Brasil e América Latina, vem passando por uma conversão bíblica. Com a animação bíblica Pastoral a Palavra tem voltado para seu devido lugar. Corremos um risco e passamos por um tempo de supervalorizar a comunhão eucarística em detrimento da Palavra de Deus. Fomos a Igreja do Pão, mas esquecemos que o Pão só vem até nós pela Palavra. Assim percebemos o quanto somos a Igreja da Palavra e do Pão.

“Comer sua carne e beber o seu sangue, não apenas no mistério eucarístico, mas também na leitura da Escritura.” (São Jeronimo, carta 53 a Paulina)

Tudo foi feito pela Palavra de Divina (cf. Jo 1,3). Cristo é a Palavra que se faz carne e habita no meio de nós. Pela força da sua palavra nos deixa sua presença real no Pão. A Eucaristia não se reduz apenas à comunhão, mas a toda liturgia da Celebração Eucarística. Renovando a certeza de que precisamos “comer sua carne e beber o seu sangue, não apenas no mistério eucarístico, mas também na leitura da Escritura.” (São Jeronimo, carta 53 a Paulina).
Quando fazemos a proposta de resgatar a origem da nossa fé, necessitamos de um retorno às primeiras comunidades cristãs e não ao triunfo da Igreja após Constantino. Conhecer os grupos de Jesus, e as primeiras comunidades petrinas, paulinas e joaninas.Diante da Pandemia mundial com o novo coronavírus, nos deparamos com pessoas que reivindicam os sacramentos e o direito ao culto e comunhão. Fruto de uma catequese que vivemos há tempos, sacramentalista e muitas vezes deixando de lado o caminhar com o Senhor, a Igreja doméstica e força da Palavra. Os sacramentos não são um fim em si mesmos, mas são instrumentos para expansão do Reino de Deus. Nossa catequese deve nos conduzir ao discipulado como condição para os sacramentos “Ide e fazei discípulos meus todos os povos” (Mt 28,19)

 

Esse tempo mexe diretamente com a forma em que estávamos acostumados a celebrar, ao que tínhamos como valores e ao mesmo tempo questiona a fé que cultivávamos. Mas é tempo de esperança e com isso podemos sair mais fortes. O isolamento social nos tira do templo e nos leva para a Igreja Doméstica, mesmo como que à força, aprendemos a presença de Cristo nos irmãos (cf. Mt 25,40), em casa e na oração pessoal. Para bem viver esse período faz-se necessário uma conversão na Presença Real do Senhor na Sagrada Escritura. Palavra essa que está próxima de nós, em nossas mãos e corações para colocarmos em prática (cf. Dt 30,14).

 

Não estamos em tempos de clamar a abertura de igrejas, mas de abrir em nossos lares a Igreja doméstica e comungarmos a Palavra de Deus, que arde o nosso coração e nos convoca ao partir do pão, que hoje podemos fazer em obras de misericórdia com o Cristo presente nos mais vulneráveis. Temos a oportunidade de ressignificar muita coisa. Isso só possível se abrirmos os nossos corações à ação do Espirito Santo.

 

O mesmo Espírito que inspirou as Sagradas Escrituras está hoje nos ajudando a perceber o quanto é o tempo da Palavra. “Escutai o que Espírito diz às igrejas” (Ap 2,17). Cristo está presente em cada lar e família que diante da sua Palavra reza unida. “Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali eu estarei, no meio deles” (Mt 18,19). Está abençoando através das mãos de tantos pais, avós, irmãos, tios. A fé é a mesma, a essência continua a mesma, a ação de Deus acontece, porém agora de uma forma diferente e não menos importante. Unimos na comunhão espiritual toda a igreja. Podemos sentir como vivem aqueles que estão afastados da mesa do Senhor.

“Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali eu estarei, no meio deles” (Mt 18,19)

Vamos sair melhores de tudo isso, contudo, todo tempo de crise deve ajudar no crescimento pessoal e eclesial. Que esse período nos ensine a força da Palavra de Deus e enquanto não voltamos com a comunhão física, vivamos o tempo da Palavra e nos deixemos transformar por ela que é “viva e eficaz” (Hb 4,12). E assim como Maria afirmarmos “Faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1,38). Na alegria da esperança que nos salva e nos dá forças em meio às inseguranças da vida.

Em Cristo,

Pe. Djonh Denys
Pároco Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Vila Oliveira – Rolândia PR

 

 

 

 

 

Foto destaque: Terumi Sakai

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *