Administração Campanhas

Comunidades colaboram com a ação missionária por meio do FAP

Construção do Centro Catequético da Selva recebeu R$ 100 mil (Foto divulgação)

Dinheiro da contribuição mensal com o dízimo e oferta é partilhado com as paróquias e capelas mais necessitadas

 

Criado em 2002, o Fundo Arquidiocesano da Partilha (FAP) conta com 100% de adesão das paróquias da Arquidiocese de Londrina. Desde a menor comunidade, até a maior, colaboram com essa dimensão missionária e social. Com a contribuição de agosto deste ano foram atendidas cerca de 30 paróquias.
A contribuição, administrada por profissionais da Mitra, é destinada mensalmente para projetos e ajuda a comunidades, padres e irmãs. Existe comunidade que contribui com R$ 35 por mês e outras, com melhores condições, que participam até com R$ 10 mil. Um levantamento, feito pela comissão responsável pelo FAP, calcula que a média de arrecadação é de 167 mil reais e o valor partilhado de 2002 a 2019 chega a quase R$ 12 milhões.

 

A coordenadora da comissão do FAP, Marilda Carvalho Dias, explica que o fundo se destina aos auxílios fixos e eventuais. Os auxílios fixos, segundo ela, correspondem a cerca de 25 % da arrecadação mensal. São para as despesas dos párocos, diáconos permanentes, religiosas, que atuam em comunidades da periferia de Londrina.

 

Os auxílios eventuais são para as reformas e construções, projetos que são entregues mensalmente à comissão. São necessidades temporárias de construções e reformas de igrejas, centros comunitários e salas de catequese. O FAP também já atendeu necessidades emergenciais como a casa do Bom Samaritano, várias paróquias das dioceses- irmãs de Oeiras -Floriano, no Piauí; e Macapá, no Amapá.

 

Em 2018, o Fundo ajudou a construir o centro catequético da Selva. Foram cedidos R$ 100 mil distribuídos em dez parcelas. A comunidade é muito antiga e nunca teve espaço para os encontros da catequese. Com a colaboração do FAP foi possível fazer quatro salas, dois banheiros e uma área para acolhida.
Na Paróquia Nossa Senhora Aparecida do Km 9 (Decanato Sul), duas comunidades já receberam dinheiro do Fundo. Na comunidade São Sebastião foram construídas as salas da catequese e no distrito de Maravilha, o FAP investiu R$ 60 mil na reforma do telhado da capela Nossa Senhora de Fátima.

 

Em Laranjal do Jari, no Amapá, a contribuição ajudou a construir uma sala de pastoral na Paróquia Santo Antônio do Jari. Ela atenderá, ainda, a Paróquia de Vitória do Jari. Ao todo, 40 comunidades na região que utilizarão a sala.

 

Comissão analisa os projetos beneficiados

A comissão do FAP se reúne mensalmente para analisar projetos e solicitações de contribuição do fundo. Faz se uma planilha da arrecadação mensal, divide-se para as contribuições fixas, avaliando as paróquias com o valor mensal do dízimo e ofertas inferior a 30 salários mínimos.

 

Posteriormente, faz se a divisão para as contribuições eventuais, conforme a solicitação dos interessados. Segundo Marilda, para a divisão, leva-se em consideração as comunidades cujo valor de ofertas e dízimo não ultrapassem 49 salários mínimos, tendo prioridade as que possuem o maior número de capelas. “Uma vez dentro dos critérios, o atendimento aos pedidos de auxílio será feito por ordem de chegada das solicitações e da disponibilidade de caixa”, enfatiza Marilda.

 

Além da análise do ponto de vista financeiro, os pedidos devem conter uma carta de solicitação com justificativa e valor pedido, além de anexar três orçamentos e cópia do projeto arquitetônico em caso de reforma ou construção. Para os pedidos de construção, o projeto, antes de ser encaminhado à comissão do FAP, precisa passar por análise da comissão de Arquitetura e Arte Sacra.

 

Na análise dos pedidos, a comissão leva em conta as seguintes prioridades: construção de prédios para capelas ou sedes de paróquias em áreas pobres onde não haja um prédio da arquidiocese para realização de celebrações; reformas de capelas, reparo na estrutura, pinturas e manutenção; construção de salas para pastorais, principalmente salas de catequese; e compra de terrenos para capelas e salas para as pastorais.

 

FAP estipula percentual de contribuição

O Fundo Arquidiocesano da Partilha foi criado no início de 2002 a partir do Plano de Ação Evangelizadora da arquidiocese. O Objetivo era colocar em prática ações efetivas diante de vários desafios apresentados durante a assembleia arquidiocesana.

 

Na época, foi formada uma comissão para discutir a prática do FAP. Participaram do projeto inicial, cinco leigos assessorados pelo padre Sebastião Benedito de Souza e tendo como orientador o frei Adelino Frigo, então secretário de Pastoral da Arquidiocese. A implantação do FAP também contou com o apoio do padre Romão Antonio Martins, ecônomo na época.

 

A comissão recebeu o apoio de dom Albano Cavallin, arcebispo de Londrina na época, e começou a organizar e estudar planilhas de todas as capelas e paróquias da arquidiocese. Como as contribuições com o dízimo e ofertas eram muito diferentes, na época entre de R$ 500 a R$ 35 mil por mês, foi estipulada uma contribuição para o FAP de três, cinco ou sete por cento do valor das ofertas e dízimo de cada comunidade.

 

A primeira arrecadação ocorreu em maio de 2002, das 67 paróquias na época, 28 participaram no primeiro mês, 12 estavam isentas porque já colaboravam com o projeto Igreja Irmãs, bancando comunidades mais pobres da arquidiocese. O valor da primeira arrecadação foi de pouco mais de R$ 7.500.

 

Segundo Marilda Carvalho Dias, coordenadora da comissão, aos poucos a arrecadação das paróquias foi melhorando e o projeto foi se mostrando realmente necessário e ganhando a confiança dos párocos de toda a Igreja de Londrina.

Flora Neves – Pascom Paroquial
Matéria publicada na edição de outubro do Jornal da Comunidade da Arquidiocese de Londrina

 

Sala pastoral em Laranjal do Jari, no Amapá, vai atender 40 comunidade (Foto divulgação)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *