Pastorais e Movimentos Útimas Notícias

Acolhida e acompanhamento na fé

A introdutora Cida Aragão com o catequizando Felipe Santos e Silva (Foto divulgação)

Ministério do introdutor na Iniciação à Vida Cristã acolhe, prepara e auxilia os catequizandos na caminhada de fé

 

No processo de Iniciação à Vida Cristã (IVC), além dos pais e catequistas terem um papel importante na vida do catequizando, ganha destaque a figura do introdutor, aquele que vai acompanhar a criança, adolescente ou adulto em todo seu processo catecumenal. Ele exerce a função de guia espiritual, ajudando o catequizando na caminhada espiritual e na inserção na vida da comunidade.

 

“Quando a pessoa chega num lugar onde não conhece ninguém, ela se sente deslocada. Mas se tem uma pessoa que é dali, que vai lhe apresentar a comunidade, os costumes, as pessoas, ela começa a se inserir. É essa função do introdutor. O ministério do introdutor é um ministério de acolhida. Ele faz acolhida em nome da comunidade e insere o catequizando na igreja”, explica o padre Rodrigo Favero Celeste, assessor arquidiocesano da catequese e pároco da Paróquia Nossa Senhora da Glória, no Decanato Norte.

 

Cada catequizando, no modelo de catequese catecumenal seguido pela Arquidiocese de Londrina, terá um introdutor, escolhido pela família ou indicado pela comunidade. O introdutor deve ser uma pessoa que participa da vida da Igreja, católica, que já tenha concluído o seu processo de iniciação cristã, seja uma pessoa de fé e de oração. Na arquidiocese, a partir deste ano as comunidades começam gradualmente a ter o introdutor. Uma realidade na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, do Jardim Igapó há cerca de 10 anos.

 

Diferentemente do catequista que tem encontros semanais com uma turma de catequizandos, o introdutor acompanha apenas um catequizando em encontros mensais ou quinzenais, fazendo a ligação entre o catequista e a família. A coordenadora da Animação Bíblico-catequética da arquidiocese, irmã Angela Soldera, explica que os encontros dos introdutores com os catequizandos têm três focos:  escutar sobre a vida do catequizando e o que ele quer partilhar, a Palavra de Deus e a vida de oração, mostrar a importância e incentivar a pessoa a cultivar uma vida de oração.

 

PADRINHOS

Padre Rodrigo explica que o ideal é que o padrinho de batismo desempenhasse o papel de introdutor, resgatando a missão do padrinho de batismo. “O sentido original do padrinho é acompanhar. Na celebração do batismo, quando faz a apresentação dos batizandos, o padre pergunta se os padrinhos aceitam colaborar com os pais na missão de ajudar a crescer na fé”. Quando o padrinho não tem condição de acompanhar a comunidade apresenta alguém da comunidade que vai ser introdutor.

 

Introdutora Elizangela Gonzales Castilho Rosa do catequizando Mateus Mattanó Nunes dos Santos (Foto divulgação)

Exemplo da Paróquia N. S. Aparecida, no Jardim Igapó

Na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Decanato Sul, a figura do introdutor foi implantada há cerca de 10 anos quando a paróquia assumiu o modelo de catequese catecumenal. Na comunidade,  a maioria das lideranças é introdutor. “Pedíamos que fosse o padrinho de batismo, quando não havia a possibilidade a família pedia para um tio ou tia e se não tinha a comunidade designava alguém”, explica a coordenadora paroquial da catequese Leila da Silva Andreali.

 

Segundo ela, o introdutor representa uma maneira da comunidade entrar na casa do catequizando e criar vínculo com a família. Assim, Leila explica que se o introdutor percebe alguma dificuldade na família já comunica outra pastoral responsável, como a Pastoral Social por exemplo.

 

Aparecida Videira Aragão é introdutora do catequizando Felipe Santos e Silva, a terceira criança da comunidade que ela está acompanhando. Já seu marido é o introdutor do pai de Felipe, que se interessou pela religião católica e quis se inserir na comunidade vendo o trabalho dedicado ao filho, que tem dislexia e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), tanto pela catequista como pela introdutora.

 

Para o pároco, frei Marcos Augusto Garcia Miranda, a presença do introdutor na iniciação à vida cristã demonstra a preocupação da Igreja em cuidar dos seus fiéis. “Fala-se muito da Igreja missionária. O papel do introdutor é ser um grande missionário. A realidade hoje é que grande parte das famílias está perdida. Os introdutores são pessoas especiais, missionários e missionárias que estão ajudando a família na caminha do catequizando. “

 

Helenyze Mattanó Nunes dos Santos iniciou o trabalho de introdutora quando ela e o marido foram chamados para ser padrinhos de crisma do filho de um casal de amigos. A partir da experiência como introdutora, ela e o marido viraram catequistas e foram se envolvendo cada vez mais na comunidade. “Foi indo de forma natural, as coisas foram caminhando. Eu sempre peço que o Espírito Santo conduza. Depois que eu ouvi a passagem “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” eu fiquei com ela na cabeça. Foi o caminho que Deus foi conduzindo.”

 

“A partir da catequese que lá em casa todo mundo quis se envolver mais na comunidade. Tanto por causa dos introdutores que a gente vai atrás para escolher e vê como é importante. Aí as crianças quiserem ser coroinhas, nós fomos atrás para dar exemplo, graças a Deus hoje todo mundo está servindo, temos os nosso problemas, mas Ele está na nossa frente.”

 

Como mãe, Helenyze conta que a princípio achou complicado ter que escolher um introdutor para os filhos que tivesse uma caminhada na igreja. Os padrinhos dos seus filhos são de fora de Londrina, o que dificultaria acompanhar, só do mais velho que é daqui, mas não tinha muita proximidade. “Eles gostam, quando o introdutor às vezes esquece, ele fala: ‘tia tem que ir fazer a leitura’. Os mais velhos também cobravam, eles têm essa responsabilidade”, explica.

 

Na comunidade, Leila fala que o ministério do introdutor está despertando a vontade de ser catequista. “Muita gente diz que achava que não podia dar catequese, mas depois de ser introdutor viu que podia. As pessoas pensam que liderança é só quem está na coordenação, mas somos todos nós que estamos engajados na igreja. Ser introdutor cria um sentimento de pertença à comunidade. É bom para a criança, para a família e muito para o introdutor”, destaca.

 

PARÓQUIA SÃO LOURENÇO

A Paróquia São Lourenço, no Decanato Sul, há anos também tem o trabalho com os introdutores. Além da figura do introdutor, a paróquia desenvolve um trabalho de catequese familiar, que conta com Dia da Palavra próprio para pais e catequisandos.

 

PRIMEIROS PASSOS

A Paróquia Nossa Senhora da Glória, no Decanato Norte, está começando o trabalho com os introdutores. O padre Rodrigo designou, na reunião do Conselho Pastoral Paroquial (CPP), que cada pastoral ficasse responsável por um ou dois catequizandos, sendo que cada pastoral tem que indicar um introdutor ou dois introdutores. ”Para nossa surpresa, muitos padrinhos são de igreja, alguns são de outras paróquias e vão acompanhar. Então uns 40% dos catequizandos os próprios padrinhos vão acompanhar”.

Juliana Mastelini Moyses
PASCOM Arquidiocesana

 

Introdutora Ivonete Nunes catequizanda Mariana Mattanó Nunes dos Santos (Foto divulgação)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *