Útimas Notícias

Vocações adultas: nunca é tarde para responder a Deus

Acompanhando a mudança do mundo, a Igreja está atenta a um novo fenômeno que tem ocorrido em diversas dioceses do Brasil: o aparecimento de vocações adultas. É considerada uma vocação adulta a pessoa que já possui personalidade formada, tem liberdade interior e que conseguiu determinado grau de sabedoria a partir de experiências de vida. Desta forma tem se buscado realizar um trabalho diferenciado com essas vocações.

 

Dos seminaristas ingressantes para o caminho do sacerdócio na Arquidiocese de Londrina, nos últimos dois anos, 50% têm idade entre 27 e 30 anos, já tiveram experiência no mercado de trabalho e até alguns com curso superior. Ainda que a exigência para entrar hoje no seminário é ter concluído o ensino médio e estar próximo aos 18 anos, esse perfil já não é mais da maioria dos ingressantes.

 

Hoje contamos com dois seminaristas na etapa do propedêutico, dez no Seminário Filosófico Dom Albano Cavallin e mais  dez jovens no Seminário Teológico Paulo VI. Ao total contamos com 22 seminaristas no processo de formação ao sacerdócio.

 

São João Maria Vianney, padroeiro dos sacerdotes (04/08).

O período para formação de um padre em nossa arquidiocese pode durar até 10 anos. A primeira fase, chamada propedêutico, dura um ano. A segunda fase, denominada discipulado, dura quatro anos e contempla o estudo da licenciatura em Filosofia na PUC-PR, campus Maringá. A terceira fase que é a Configuração a Cristo Jesus também é realizada em quatro anos e engloba o estudo do bacharelado em Teologia na PUC-PR, campus Londrina. E por fim a quarta e última fase é chamada de síntese pastoral. Nesta fase o seminarista passa por um estágio junto à uma paróquia, por cerca de um ano, sendo ordenado diácono transitório. Por fim, é ordenado presbítero e enviado como padre pelo bispo para uma missão específica.

 

Quanto à preparação dessas vocações, uma série de atividades em diversos âmbitos são oferecidas aos candidatos:

  • Dimensão humano-afetiva: fornecimento de alimentação adequada, momentos de práticas desportivas, bem como espaço para descanso. Encaminhamento para terapia psicológica sistemática visando o equilíbrio afetivo e sexual. Acompanhamento com o padre reitor e do bispo da história de vida do formando, avaliações do caminho percorrido e os desafios a serem ainda trilhados. Momentos de confraternização comunitária com os aniversariantes da casa de formação, bem como integração comunitária das etapas de Propedêutico, Discipulado e Configuração à Cristo. Grupo de vida às terças-feiras para a etapa de configuração, visando estreitar o relacionamento com àqueles que possivelmente serão ordenados na mesma época.

 

  • Dimensão espiritual: momento de Lectio Divina comunitária antes das Laudes, Vésperas Comunitárias, Tarde de Espiritualidade na primeira quinta-feira do mês. Diretor Espiritual disponível na casa de formação ou algumas outras opções que são dadas ao formando. Terço comunitário diário e Adoração ao Santíssimo Sacramento comunitário às quintas-feiras.

 

  • Dimensão intelectual: além dos estudos filosóficos e teológicos na PUC, os formandos têm breves cursos com temáticas pertinentes à sua etapa de formação nos períodos de férias da universidade e é oportunizado o estudo da língua inglesa ou italiana.

 

  • Dimensão pastoral: os candidatos são enviados aos fins de semana às paróquias para atuar em uma pastoral específica da arquidiocese para acompanhamento de crianças, jovens, doentes idosos, famílias e vocacionados.

 

Jefferson Bassetto
Seminarista da Etapa de Configuração/Teologia da Arquidiocese de Londrina

 

 

Foto destaque: Romaria dos Seminaristas 2018 (Fotógrafo Wanderley Tolomi)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *