CNBB Jornal da Comunidade

Entrevista: Fé e ciência de mãos dadas

Dom Ricardo Hoepers, bispo de Rio Grande (RS), fala sobre a importância da criação do Observatório de Bioética pela CNBB  

Promover, defender e difundir a cultura da vida, estes são os objetivos do OB-RS3 (Observatório de Bioética) Regional Sul 3 da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), lançado em novembro, no Rio Grande do Sul. A iniciativa cria uma rede interdisciplinar que integra universidades católicas e instituições de pesquisa que fará um mapeamento dos estudos científicos a partir de três eixos: início da vida, final da vida e políticas públicas. O projeto foi idealizado pelo bispo de Rio Grande (RS), dom Ricardo Hoepers.

Temas como aborto, manipulação genética, esterilização, procriação responsável, eutanásia, cuidados paliativos, terapia intensiva (final da vida) e direito à saúde serão contemplados pelos eixos do OB.  Mais de 50 membros, formados em Medicina, Direito, Enfermagem , Teologia, Psicologia, Filosofia e Pedagogia participarão da iniciativa.

Um segundo passo da organização será expandir a participação e incluir, além das universidades (pesquisa, ensino e extensão), a área social, por meio da Pastoral Familiar, elegendo um casal de cada diocese da região do Estado para organizar uma agenda anual de eventos em promoção e defesa da vida. (Com informações da CNBB).

Qual o objetivo do Observatório de Bioética? 

O objetivo do Observatório de Bioética é promover, defender e difundir a cultura da vida. A palavra observatório significa o local onde se observa. Observar significa examinar, olhar fixamente para algo, alguém ou para si próprio, analisar com cuidado, ver atenciosamente, exprimir um juízo de valor. O OB-RS3 é o olhar fixo, atento e analítico da Igreja do Rio Grande do Sul que examina os dilemas do cuidado com a vida à luz da fé e da razão.

Qual a importância de criar o Observatório?

O OB quer ser um impulso à investigação científica e à organização pastoral das dioceses do Rio Grande do Sul a partir da criação das Comissões de Promoção e Defesa da Vida. O OB visa ser um espaço de investigação que deverá agir com liberdade responsável e transparência mútua, trabalhando em rede para facilitar a mobilidade de seus investigadores. Buscará um pleno diálogo para acompanhar a evolução das tecnologias avançadas, a qualificação dos recursos humanos e programas de integração que unam ao serviço pastoral, como Igreja em saída, “dialogando com as várias ciências ao serviço duma penetração profunda e aplicação da verdade na vida pessoal e social”(VG 5). Por isso, além de atuar nas universidades católicas, também temos a perspectiva de um amplo diálogo e parceria com outras instituições de ensino superior que se interessem pela pesquisa em Bioética e queiram colaborar na construção de uma sociedade mais humana e fraterna.

Como funcionará o Observatório?

O OB criou quatro comissões de Bioética, compostas por profissionais das mais diferentes áreas do conhecimento, uma em cada arquidiocese do Regional (Porto Alegre, Pelotas, Passo Fundo e Santa Maria), de modo que contemplam as quatro Províncias eclesiásticas do Rio Grande do Sul. Num primeiro momento as comissões estão fazendo um levantamento das pesquisas que já estão sendo realizadas dentro das temáticas da bioética. Foram criadas também quatro comissões de Promoção e Defesa da Vida através da Pastoral Familiar de cada Província. Os casais irão organizar a agenda da defesa da vida nas Dioceses promovendo a Semana da Vida e o Dia do Nascituro, do Idoso, da Família e eventos de formação para as comunidades. Na segunda fase do Observatório esses grupos também vão levantar outras demandas que não estão sendo contempladas nas pesquisas acadêmicas ou nos projetos de extensão. Assim haverá um profícuo diálogo entre comunidade e instituições de ensino superior e instituições da área da Saúde. Os encontros entre as comissões serão nos eventos em nível Regional e mensalmente por videoconferência ou redes sociais. Para centralizar os dados foi criado um site: observatoriodebioetica.ucpel.edu.br.

Quais serão os eixos de atuação?

As linhas de atuação estão focadas em três eixos:  início da vida, final da vida e políticas públicas e alocação de recursos. Temos muito trabalho pela frente, mas o mais importante já conquistamos: uma equipe disposta a promover e defender a vida, unindo a ética para uma sociedade mais justa e fraterna. Esse trabalho naturalmente foi impulsionado pelo Papa Francisco que nos pede uma Igreja em Saída.

De que forma a evolução científica, principalmente nas áreas de biotecnologia e saúde, pode caminhar junto com a fé cristã?

Hoje em dia já temos muitas pesquisas mostrando a proximidade e interdependência entre saúde e espiritualidade. O ser humano está conhecendo cada vez mais, através das tecnologias que o seu ser é integral e tudo está conectado dentro e fora de nós. Quanto mais respeitarmos a integralidade do ser humano, mais poderemos garantir um mundo viável para a humanidade. Toda fé cristã está baseada nos passos de Jesus que nos Evangelhos demonstra uma prioridade pelos doentes e pelos vulneráveis. Focar nossa atenção sobre a vulnerabilidade humana é redescobrir o quanto precisamos uns dos outros e o quanto devemos buscar respostas na ciência para qualificar a vida.

“Focar nossa atenção sobre a vulnerabilidade humana é redescobrir o quanto precisamos uns dos outros e o quanto devemos buscar respostas na ciência para qualificar a vida.”

 

Quais os desafios da bioética? 

A bioética apresenta temas de fronteira, polêmicos, desafiantes, pois, ao mesmo tempo em que a ciência avança com a força da biotecnologia, devemos garantir que a mesma seja eticamente utilizadas para o bem da humanidade. A vida humana e a vida de todo planeta são constantemente ameaçadas pela falta de cuidado ou pelo desrespeito à dignidade humana. Tudo o que fere o ser humano e a própria natureza é um desafio que interpela a bioética.

De que maneira os estudos do Observatório irão impactar a vida cotidiana?

Toda vez que a comunidade acadêmica se abre para a realidade e se dispõe a responder às reais necessidades através do conhecimento científico, algo se transforma e muda na vida cotidiana. O conhecimento é fundamental para a transformação da sociedade. Mas, toda vez que a comunidade se sente participante e propõe à vida acadêmica sobre suas demandas no dia a dia, então todos começam a fazer parte da construção de uma sociedade melhor. Nós acreditamos que é preciso trabalharmos em conjunto, juntando as forças, o conhecimento, a razão, a fé e as reais demandas da sociedade para que possamos garantir um acesso maior ao conhecimento científico em prol de uma vida melhor.

 

Aline Machado Parodi
Jornal da Comunidade

Foto: divulgação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *