Você está aqui
Home > Arcebispo > A Pastoral da Criança na Arquidiocese de Londrina

A Pastoral da Criança na Arquidiocese de Londrina

Sempre é bom recordar que a Pastoral da Criança nasceu na Arquidiocese de Londrina pelas ideias e mãos abençoadas de D. Paulo Evaristo Arns, cardeal Arcebispo de São Paulo,  Dona Zilda Arns, Pediatra Sanitarista,  e Dom Geraldo Majella Agnelo, então Arcebispo de Londrina. Era o ano de 1982. O convencimento destas autoridades se deu pelo fato de a Pastoral da Criança se propor a “salvar a vida de muitas crianças, que morriam de doenças de fácil prevenção, como a desidratação causada pela diarréia”.  O modelo de trabalho foi testado em Londrina.

Em uma entrevista de 2001, a própria dona Zilda explicou os primeiros passos: “Verifiquei na Secretaria de Saúde do Paraná que Florestópolis, município a 100 quilômetros de Londrina, tinha os maiores índices de mortalidade infantil no Estado: 127 óbitos por mil nascidos vivos. A cidade tinha cerca de 15 mil habitantes, a maioria das famílias era de bóias-fria, que ora trabalhavam nos canaviais, ora nas colheitas de café ou de algodão e ora não tinham serviço” (Revista ACIM, nº 403, abril de 2001). Os primeiros líderes foram treinados nas áreas da saúde da gestante, aleitamento materno, vigilância nutricional, reidratação oral e vacinação. Com base neste trabalho e com a ajuda de técnicos, foram formados e treinados cerca de 76 líderes comunitários. Foi neste caldo cultural e vivencial que nasceu esta bela experiência que já salvou milhares de vidas e se espalhou pelo Brasil, América Latina e outros continentes.

No dia 02 de setembro, pp, aconteceu a festa de 35 anos de fundação da Pastoral da Criança, em Florestópolis, terra onde nasceu. Havia várias autoridades presentes, dentre as quais a Coordenadora Nacional Irmã Veneranda, a Coordenadora Estadual dona Maria Paula, prefeitos, vereadores, padres, etc. Nas palavras que cada um foi dizendo às cerca de 400 pessoas presentes, pode se perceber os desafios que a Pastoral da Criança enfrenta hoje para poder continuar a cumprir o seu trabalho. Falou-se sobre o cuidado dos primeiros MIL dias de vida da criança; a avaliação nutricional das crianças. Antes o único parâmetro que se tinha era o peso da criança, agora, através do ESTADIÔMETRO mede-se a altura da criança e com isso passa-se informações mais seguras às mães e dentro dos padrões aprovados pela medicina. Ainda foi levada em conta a visita domiciliar, o dia da celebração da vida. Também falou-se sobre a importância e a espiritualidade do voluntariado. O que mais impressiona é a valorização do “ser mãe”, mostrando a beleza e a doçura da gravidez onde a mulher se prepara para receber uma nova vida. Com ações e atitudes que refletem o mais puro amor pela vida nascente, a Pastoral da Criança continua salvando crianças e gestantes.

A Coordenadora Diocesana me passou alguns números que repito aqui: São 3729 as crianças acompanhadas pelas líderes na Arquidiocese; 49 paróquias possuem a Pastoral da Criança entre os seus trabalhos; 14 são os municípios que possuem e ajudam a Pastoral da Criança; são 459 as líderes que atuam diretamente na base com as crianças e famílias; são 325 as pessoas que ajudam a Pastoral como apoio; 784 é o total de voluntários na Arquidiocese; mensalmente são acompanhadas 3262 famílias, em média e, por fim, em torno de 140 gestantes estão sendo acompanhadas. Parabéns  a todas as pessoas, coordenadoras, líderes e voluntários envolvidos neste grande mutirão de defesa da vida das crianças.

Dom Geremias Steinmetz
Arcebispo Metropolitano de Londrina

PASCOM Arquidiocesana
Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Londrina

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo
Translate »