Você está aqui
Home > Palavra do Administrador > O Grave Momento Nacional

O Grave Momento Nacional

Os Bispos do Brasil estiveram reunidos em Assembleia do dia 26 de abril até o dia 05 maio, na cidade de Aparecida, SP. Durante este período, vários temas foram refletidos. Enquanto pastores da Igreja, não podiam se omitir de dar uma palavra de orientação aos seus fiéis, diante da delicada conjuntura política, econômica e social pela qual vem passando o nosso país. Por isso no final da Assembleia emitiram uma nota intitulada “O Grave Momento Nacional”. Por motivo de espaço, apresento aqui, apenas uma síntese.

“O Brasil é hoje um país perplexo diante de agentes públicos e privados que fecham os olhos à ética e abrem mão dos princípios morais, base de toda nação que se queira justa e fraterna”.

“Urge, portanto, antes de tudo, retomar o caminho da ética como condição indispensável para que o Brasil reconstrua seu tecido social. Só assim a sociedade terá condições de lutar contra os seus males mais evidentes – violência contra a pessoa e a vida, tráfico de drogas e outros negócios ilícitos, excessos no uso do poder policial, corrupção, sonegação fiscal, malversação dos bens públicos, abuso do poder econômico e político, poder discricionário dos meios de comunicação social, crimes ambientais”.

“O Estado democrático de Direito, reconquistado com intensa participação popular após o regime de exceção, corre riscos na medida em que crescem o descrédito e o desencanto com a política e os Poderes da República cuja prática tem demonstrado enorme distanciamento das aspirações de grande parte da população. É preciso construir uma democracia verdadeiramente participativa”.

“Urge uma profunda reforma do sistema político brasileiro (…). Descartar os partidos e desinteressar-se da política favorece a ascensão de salvadores da pátria e o surgimento de regimes autocráticos. Aos políticos não é permitido exercer a política de outra forma que não seja em vista da construção do bem comum. Daí a necessidade de abandonar a velha prática do toma lá, dá cá como moeda de barganha para atender interesses privados em prejuízo dos interesses públicos”.

“Intimamente unida à política, a economia globalizada tem sido um verdadeiro suplício para a maioria da população brasileira, uma vez que dá primazia ao mercado, em detrimento da pessoa humana e ao capital em detrimento do trabalho, quando deveria ser o contrário. Essa economia mata e revela que a raiz da crise é antropológica, por negar a primazia do ser humano sobre o capital (cf. Evangelii Gaudium, 53-57). Em nome da retomada do desenvolvimento, não é justo submeter o Estado ao mercado. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica financista. Recorde-se, com o Papa Francisco, que “o dinheiro é para servir e não para governar”

“O desenvolvimento social, critério de legitimação de políticas econômicas, acontece também por meio de políticas públicas que atendam a população, especialmente a que se encontra em situação vulnerável. A insuficiência dessas políticas está entre as causas da exclusão e da violência, que atingem milhões de brasileiros”

“No esforço de superação do grave momento atual, são necessárias reformas, que se legitimam quando obedecem à lógica do diálogo à exaustão com toda a sociedade com vistas ao bem comum. Do Judiciário, a quem compete garantir o direito e a justiça para todos, espera-se uma atuação independente e autônoma, no respeito e no estrito cumprimento da lei. Da mídia espera-se que seja livre, plural e independente, para que se coloque a serviço da verdade”.

“Não há futuro para uma sociedade na qual se dissolve a verdadeira fraternidade. Por isso, urge a construção de um projeto viável de nação justa, solidária e fraterna. É necessário procurar uma saída para a sufocante disputa entre a tese neoliberal e a neoestatista (…). A mera atualização de velhas categorias de pensamento ou o recurso a sofisticadas técnicas de decisões coletivas não são suficientes. É necessário buscar caminhos novos inspirados na mensagem de Cristo”.

Os Bispos terminam sua nota sobre “O Grave Momento Nacional”, confiando o povo brasileiro, com suas angústias, anseios e esperanças, ao coração de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, e ao mesmo tempo,, pedem que Deus nos abençoe!

Dom Manoel João Francisco
Administrador Apostólico da Arquidiocese de Londrina
Bispo Diocesano de Cornélio Procópio

PASCOM Arquidiocesana
Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Londrina

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo
Translate »