Você está aqui
Home > Palavra do Administrador > Domingo da Divina Misericórdia, por Dom Manoel

Domingo da Divina Misericórdia, por Dom Manoel

No próximo domingo, segundo da Páscoa, no mundo inteiro, nós católicos estaremos celebrando O Domingo da Divina Misericórdia, instituído pelo Papa São João Paulo II em maio do ano 2000.

“Ser misericordioso é próprio de Deus e é pela misericórdia que ele principalmente manifesta a sua onipotência” (São Tomás de Aquino em sua obra máxima, intitulada Suma Teológica II-II,30,4).

O Papa Francisco expressa esta mesma doutrina da seguinte forma: “Misericórdia é a atitude divina que abraça, é o doar-se de Deus que acolhe, que se dedica a perdoar. Jesus disse que não veio para os justos, mas para os pecadores. Não veio para os sadios, que não precisam de médico, mas para os doentes. Por isso, pode-se dizer que a misericórdia é a carteira de identidade do nosso Deus. Deus de misericórdia. Deus misericordioso. Para mim esta é de fato a carteira de identidade do nosso Deus”.

Tão importante é a misericórdia de Deus que, ainda segundo o Papa Francisco, sem ela o mundo não existiria. Mesmo assim, “a mentalidade contemporânea tende a tirar do coração humano a idéia de misericórdia”. Em seu lugar, prefere a palavra “justiça”. No entanto, “a justiça sozinha não basta. A experiência ensina que quando se apela somente à justiça corre-se o risco de destruí-la”. Daí se conclui o quanto é importante que, neste domingo da misericórdia, acolhamos a mensagem proposta pela Palavra de Deus.

O Papa São João Paulo II, em 2001, comentando o Evangelho deste domingo assim se expressou: “O Evangelho que há pouco foi proclamado, ajuda-nos a compreender plenamente o sentido e o valor deste dom. O evangelista João nos faz partilhar a emoção sentida pelos Apóstolos no encontro com Cristo depois da ressurreição. A nossa atenção detém-se no gesto do Mestre que transmite aos discípulos receosos e admirados a missão de serem ministros da Misericórdia divina. Ele mostra as mãos e o lado com os sinais da paixão e comunica-lhes: “Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós” (Jo 20, 21). Imediatamente a seguir, “soprou sobre eles e disse-lhes: recebei o Espírito Santo; àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados, àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 20, 22-23). Jesus confia-lhes o dom de “perdoar os pecados”, dom que brota das feridas das suas mãos, dos seus pés e sobretudo do seu lado trespassado. Dali sai uma vaga de misericórdia para toda a humanidade. Revivemos este momento com intensidade. Também hoje o Senhor nos mostra as suas chagas gloriosas e o seu coração, fonte ininterrupta de luz e de verdade, de amor e de perdão”.

domingo in albisEm 2004, comentando o mesmo Evangelho, de novo, o Papa São João Paulo II assim se expressou: “Hoje, Domingo in Albis, celebramos o Domingo da Misericórdia Divina. O Senhor envia-nos também para levar a todos a sua paz, fundada no perdão e na remissão dos pecados. Trata-se de um dom extraordinário, que ele quis unir com o sacramento da penitência e da reconciliação. Quanta necessidade tem a humanidade de conhecer a eficiência da misericórdia de Deus nestes tempos marcados por crescente incerteza e conflitos violentos!

Ainda na homilia de 2001, o Papa chama a atenção para Salmo Responsorial. “Dai graças ao Senhor, porque ele é bom; eterna é a sua misericórdia!” (Sl 117, 1). Para compreendermos profundamente a verdade destas palavras, disse o Papa, deixemo-nos conduzir pela liturgia ao centro do acontecimento da salvação, que une a morte e a ressurreição de Cristo à nossa existência e à história do mundo. Este prodígio de misericórdia mudou radicalmente o destino da humanidade. É um prodígio em que se abre em plenitude o amor do Pai que, pela nossa redenção, não se poupa nem sequer perante o sacrifício do seu Filho Unigênito. Em Cristo humilhado e sofredor, crentes e não-crentes podem admirar uma solidariedade surpreendente, que o une à nossa condição humana para além de qualquer medida imaginável. Também depois da ressurreição do Filho de Deus, a Cruz fala e não cessa de falar de Deus Pai, que é absolutamente fiel ao seu eterno amor para com o homem. Crer neste amor significa acreditar na misericórdia.

Neste domingo da misericórdia somos convidados a fazer da misericórdia uma de nossas virtudes cotidianas. Não esqueçamos nunca que “da acolhida ao marginalizado que está ferido no corpo e da acolhida ao pecador que está ferido na alma, depende a nossa credibilidade como cristãos”. Recordemos sempre as palavras de São João da Cruz: “No entardecer da vida, seremos julgados sobre o amor”.

Dom Manoel João Francisco
Administrador Apostólico da Arquidiocese de Londrina
Bispo da Diocese de Cornélio Procópio

 

PASCOM Arquidiocesana
Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Londrina

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo
Translate »