Você está aqui
Home > Útimas Notícias > Moradores do Cafezal são atendidos em Paróquia após fechamento de UBS

Moradores do Cafezal são atendidos em Paróquia após fechamento de UBS

S. Antonio Cafezal

Desde a semana passada a Unidade Básica de Saúde (UBS) Aníbal Siqueira Cabral, no Conjunto Cafezal (zona sul de Londrina), está fechada devido à queda do forro de gesso. Por causa disso, alguns usuários têm sido atendidos em um consultório improvisado na Paróquia Santo Antônio, localizada a poucos metros da unidade.

Na manhã de quarta-feira (26) funcionários realizavam os consertos na UBS, cujo problema foi causado pela infiltração da água. Um cartaz afixado na porta da unidade orienta os os moradores que agendaram coleta para exames preventivos a irem até a Paróquia. Servidores também entraram em contato com as pacientes pelo telefone para avisar sobre a mudança do local de coleta. No entanto, a moradora Meire Soler afirmou que não foi orientada e pela manhã estava em frente à UBS tentando ser atendida. Após ser avisada por uma servidora, ela se deslocou até a igreja debaixo de chuva.

Na Paróquia Santo Antônio, o aviso sobre ao atendimento está afixado somente na porta da sala reservada para esse fim. O consultório improvisado não compromete a qualidade desse serviço que Meire procurou. No entanto, quem procurou a UBS do Cafezal para outro tipo de atendimento precisou se dirigir à outra unidade de saúde da região.

A unidade de saúde do Cafezal havia recebido melhorias em 2014, como a troca de telhas quebradas, limpeza e manutenção de calhas e pisos, adaptação de banheiro para pessoas com necessidades especiais e pintura geral. Foram investidos R$ 75.473,68, verba do governo federal.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Gilberto Martin, a empresa responsável pela reforma do forro afirmou que em uma semana a obra ficaria pronta. Porém, a secretaria resolveu deixar um prazo mais elástico – até novembro – porque existe risco de atraso em função das chuvas. “Ali houve um entupimento da calha em função do acúmulo de folhas”, explicou.

PANISSA

Não é a primeira vez que o atendimento de uma UBS é transferido para um salão paroquial. A Unidade Básica de Saúde Panissa/Maracanã (zona oeste) teve que ser interditada por causa de danos causados pelas chuvas de janeiro deste ano. Os usuários passaram a ser atendidos no salão paroquial da Capela São Silvestre.

A prefeitura chegou a iniciar um procedimento para alugar um barracão no bairro para que o atendimento fosse transferido para lá. “Mas descobrimos que o imóvel não tinha habite-se, não podíamos alugar um imóvel em situação irregular”, explicou. Depois disso, a Saúde decidiu colocar um micro-ônibus que leva os pacientes da UBS Panissa/Maracanã para serem atendidos às unidades dos jardins Tóquio e Bandeirantes, ambas na zona oeste.

Sobre a reforma do local, Martin ressaltou que o grande problema é que a planta da UBS não estava arquivada e o projeto precisou ser refeito do zero. “Nem a empreiteira que fez a obra tinha uma cópia do projeto original”, ressaltou.

A autorização para a abertura do processo de licitação foi assinada pelo prefeito Alexandre Kireeff no dia 21 de outubro e prevê um custo de R$ 442.290,72. Metade do recurso é da Prefeitura e a outra parte é do governo do Estado.

A licitação irá ocorrer na modalidade de Concorrência Pública e o edital deve ser publicado até o final de novembro. A previsão é de que a empresa responsável pela reforma esteja contratada até o final de dezembro. A reforma prevê a recuperação de fundação, alvenaria de paredes, esquadrias, portas e vidros, troca de 431 metros quadrados de piso, reconstrução de calçadas, entre outros.

A dona de casa Maria dos Santos Silva, 53 anos, relata que a situação está muito difícil. “Agora a gente tem que pegar esse ônibus para ir para o outro bairro.”
Ela reclama que a equipe do Programa Saúde da Família também deixou de ir à sua casa.

PONTOS
As chuvas de janeiro deste ano afetaram 25 pontos ligados à Secretaria de Saúde de Londrina. Do total, 17 foram de unidades básicas de saúde danificadas porque as calhas não suportaram o volume de chuva. Esse problema provocou infiltrações e problemas na pintura de parede e teto principalmente. Os pequenos consertos foram resolvidos com mão de obra e recursos da própria secretaria, no total de quase R$ 500 mil. Londrina conta hoje com 60 UBSs, sendo 48 na área urbana e 12 na zona rural.

Vítor Ogawa – Grupo Folha

PASCOM Arquidiocesana
Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Londrina

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo
Translate »